Sexo, transgressão e feminismo negro: a linguagem erótica de Baco Exu do Blues

Palavras-chave: Baco Exu do Blues, Feminismo negro, Linguagem erótica, Moral sexual, Transgressão.

Resumo

Misógina e racista, a sociedade brasileira impõe a solidão e a objetificação da mulher negra, sendo necessário um feminismo específico para agenciar as suas demandas. Da mesma forma que a Música Popular Brasileira reforçou estereótipos da afrodescendência, a partir de discursos empoderadores, oferece uma gama de enunciados que desautorizam a sua subalternidade e humilhação. As composições crítico-eróticas do rapper baiano Baco Exu do Blues sensualizam a mulher negra ao lado de um homem negro, detentor de uma visão que compartilha a observância dos valores e tradições de matriz africana. Nesse contexto, há representações do corpo negro que recuperam a sua ancestralidade, fora dos tabus ocidentais, onde a sexualidade pode ser experimentada em sua plenitude de prazer, encontrando convergência com a fala do feminismo negro. A moral sexual que disciplina e reprime o sexo é transgredida por Baco, que enuncia o amor, admiração e o desejo pela afro-brasileira. 

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2019-12-26
Métricas
  • Visualizações do Artigo 751
  • PDF downloads: 1066
Seção
DOSSIÊ TEMÁTICO