Loucura e marginalização social em Fogo Morto

Palavras-chave: Loucura, Marginalização, Modernização conservadora, Fogo Morto.

Resumo

Este trabalho pretende, através da obra Fogo Morto, discutir a representação da loucura e da marginalização social como produtos de um processo de modernização conservadora. Deste modo, leva-se em conta o fato de a forma estética se relacionar com a forma social, possibilitando uma configuração artística efetiva e crítica. Através de sua estrutura multiplanar, a narrativa de José Lins do Rego esboça na criação dos personagens as mazelas de um desenvolvimento que progride carregando traços arcaicos, como o favor e a cordialidade. Nesse sentido, por meio do discurso indireto livre, podemos entender o quanto a modernização e a ideal do “bem estar social” oprimiu parte da população, atenuando sua capacidade de autonomia e contribuindo para desumanização dessas figuras.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Bárbara Del Rio Araújo, UFMG - Universidade Federal de Minas Gerais CEFET-MG - Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais
Doutoranda em Literatura Brasileira pelo programa de pós-graduação em estudos literários da UFMG. Atua como docente efetiva no Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais (CEFET-MG), onde orienta pesquisas fomentadas pela FAPEMIG. 
Publicado
2018-07-19
Métricas
  • Visualizações do Artigo 339
  • PDF downloads: 256
Seção
ARTIGOS