As cartas da Langidila: memórias de guerra e escrita da história

  • Liliane Batista Barros Universidade Federal do Pará (UFPA)
Palavras-chave: Cartas, Deolinda Rodrigues, Cartas da Langidila e outros documentos, Frente feminina, MPLA

Resumo

Ao analisar as cartas escritas por Deolinda Rodrigues às mulheres angolanas, publicadas no livro Cartas da Langidila e outros documentos, constatamos a proposta de duas linhas de ação das mulheres angolanas referentes à guerra de libertação em Angola: a primeira seria a constituição de uma frente de ação fora do Continente Africano, na busca pelos patrícios que saíam para estudar com o intuito de arregimentá-los ao Movimento Popular de Libertação de Angola (MPLA), além de divulgarem notícias de Angola. A segunda seria interna, na qual atuariam na alfabetização, auxiliariam os refugiados e assim trariam simpatizantes e novos membros para o MPLA, bem como produziriam alimentos e levariam armas para as frentes, sem levantar suspeitas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Liliane Batista Barros, Universidade Federal do Pará (UFPA)
Professora de Literatura da Universidade Federal do Pará (UFPA) e aluna do programa de doutorado em Letras Literatura pela Universidade Federal do Pará (UFPA) em Estudos Literários.
Publicado
2013-07-26
Métricas
  • Visualizações do Artigo 300
  • PDF downloads: 1220
Edição
Seção
SEÇÃO LIVRE