Do candomblé à Santeria, da Salsa ao Samba, da Habana vieja ao pelourinho, dos frijoles à feijoada, do Brasil a Cuba: Estratégias para trabalhar a interculturalidade e respeitar a presença da cultura de matriz africana nas aulas de espanhol como LE

  • José Veiga Viñal Junior Doutor em língua e linguística pela Universidade de Vigo-Espanha. Professor na Universidade do Estado da Bahia (UNEB)-Colegiado de Espanhol-Campus V
Palavras-chave: Espanhol para brasileiros, Culturas de matriz africana, Estratégias de ensino, Interculturalidade, Cuba,

Resumo

O presente artigo busca traçar reflexões sobre o lugar do negro nas aulas de espanhol para brasileiros, levantando observações sobre procedimentos metodológicos, bem como fazer uma análise dos livros didáticos utilizados no processo de ensino e aprendizagem. Buscamos também levar à conscientização acerca da importância da cultura de matriz africana para a formação do povo hispânico, e valemo-nos de Cuba como uma sugestão para que professor de espanhol possa trabalhar as contribuições da cultura africana na formação dos países hispano-americanos como também para desenvolver a interculturalidade em sala de aula.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

José Veiga Viñal Junior, Doutor em língua e linguística pela Universidade de Vigo-Espanha. Professor na Universidade do Estado da Bahia (UNEB)-Colegiado de Espanhol-Campus V

Doutor em língua e linguística pela Universidade de Vigo-Espanha. Professor na Universidade do Estado da Bahia (UNEB)-Colegiado de Espanhol-Campus V

Publicado
2012-12-10
Métricas
  • Visualizações do Artigo 367
  • PDF downloads: 536
Edição
Seção
SEÇÃO LIVRE