Uma Aprendizagem ou o Livro dos Prazeres, de Clarice Lispector:

o aprendizado feminino pelos vegetais e o diálogo com as outras artes

Autores

DOI:

https://doi.org/10.35499/tl.v16i2.14771

Resumo

O presente artigo pretende analisar a presença dos vegetais no romance Uma Aprendizagem ou o Livro dos Prazeres (1969), de Clarice Lispector (1920-1977). A abordagem tem como perspectiva o diálogo com as artes de mulheres latino-americanas, dando ênfase ao viés das plantas. Sob este aspecto, o objetivo do estudo é interpretar a presença vegetal como marca de um intento político e liberador, que se configura na descoberta da multiplicidade, nunca da centralidade. Trata-se de experiências que fogem de qualquer hierarquia, instaurando, para isto, o prazer e o afeto diante de outras vidas não humanas. Para este artigo, recorremos às reflexões de Bataille (2014), Benjamin (2019), Coccia (2010; 2018), Foucault (1994), Nascimento (2021), Guimarães (2020), entre outros.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Fabrício Lemos da Costa, Universidade Estadual do Amapá

Graduado em Letras - Língua Portuguesa - pela Universidade Federal do Pará (2012), Mestre em Letras - Estudos Literários - pela Universidade Federal do Pará (PPGL/UFPA, 2020). Atualmente, é doutorando em Estudos Linguísticos e Estudos Literários pela Universidade Federal do Pará (PPGL/UFPA).

Referências

BATAILLE, Georges. O Erotismo. Trad. Fernando Scheibe. Belo Horizonte: Autêntica, 2014.
BENJAMIN, Walter. Sobre o programa da filosofia por vir. Trad. Helano Ribeiro. Rio de Janeiro: 7 Letras, 2019.
COCCIA, Emanuele. A vida das plantas: uma metafísica das mistura. Trad. Fernando Scheibe. Florianópolis: Cultura e barbárie, 2018.
COCCIA, Emanuele. A Vida Sensível. Trad. Diego Cervelin. Florianópolis: Cultura e barbárie, 2010.
CONNELL, Raewyn; PEARSE, Rebecca. Gênero: uma perspectiva global. Trad. Marília Moschkovich. São Paulo: Nversos, 2015.
FAJARDO-HILL, Cecilia; GIUNTA, Andrea (Org.). Mulheres Radicais: a arte latino-americana, 1965-1980. São Paulo: Pinacoteca de São Paulo, 2018.
FERRAZ, Eucanaã; STIGGER, Veronica (Org.). Constelação Clarice. São Paulo: IMS, 2021.
FOUCAULT, Michel. Préface. In: Dits et Écrits III. Paris: Gallimard, 1994, p. 133-136.
GIORGI, Gabriel. Formas comuns: animalidade, literatura, biopolítica. Trad. Carlos Nougué. Rio de Janeiro: Rocco, 2016.
GUIMARÃES, Mayara Ribeiro. Do Eu ao Outro: a aprendizagem amorosa de Clarice Lispector. Cerrados, Brasília, v. 29, n. 54, p. 226-236, nov., 2020.
LISPECTOR, Clarice. Uma aprendizagem ou o livros dos prazeres. Rio de Janeiro: Sabiá, 1969.
LISPECTOR, Clarice. A maçã no escuro. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1961.
LISPECTOR, Clarice. Amor. In: MOSER, Benjamin (Org.). Todos os contos. Rio de Janeiro: Rocco, 2016, p. 145-155.
MANCUSO, Stefano. Revolução das plantas: um novo modelo para o futuro. Trad. Regina Silva. São Paulo: Ubu Editora, 2019.
MARTINS, Wilma. Cotidiano: caderno de desenho. In: MORAIS, Frederico (Org.). Rio de Janeiro: F.G. Gomez de Morais, 2015.
NASCIMENTO, Evando. O Pensamento Vegetal: a literatura e as plantas. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2021.
OLIVEIRA, Joana Cabral de. et al. Vegetar o pensamento: manifesto e hesitação. In: OLIVEIRA, Joana Cabral de. et al (Org.). Vozes vegetais: diversidade, resistências e histórias da floresta. São Paulo: Ubu Editora/IRD, 2020, p. 11-12.
STIGGER, Veronica. Maria Martins: Metamorfoses. In: STIGGER, Veronica. (Org.). Maria Martins: Metamorfoses. São Paulo: Museu de Arte Moderna de São Paulo, 2013, p. 16-33.

Downloads

Publicado

2022-12-21

Como Citar

COSTA, F. L. da. Uma Aprendizagem ou o Livro dos Prazeres, de Clarice Lispector:: o aprendizado feminino pelos vegetais e o diálogo com as outras artes. Tabuleiro de Letras, [S. l.], v. 16, n. 2, p. 40–58, 2022. DOI: 10.35499/tl.v16i2.14771. Disponível em: https://revistas.uneb.br/index.php/tabuleirodeletras/article/view/14771. Acesso em: 24 jul. 2024.

Edição

Seção

ARTIGOS