O cômico e o trágico no conto O Telegrama de Ataxerxes, de Aníbal Machado

Resumo

Este artigo visa analisar o conto “O telegrama de Ataxerxes”, de Aníbal Machado, sob a perspectiva do percurso do personagem em sua tentativa de alcançar o objeto de valor que transformará sua existência. A inaptidão para redigir o telegrama que permitirá o acesso ao amigo de infância, então Chefe da Nação, é um dos obstáculos que enfrenta. A partir de um advento nomeado por Walter Benjamim de “iluminação profana”, o protagonista estabelece conjunção com seu sonho e percorre um caminho marcado pelo acaso, num jogo entre essência e aparência, realidade e fantasia. Movido pela ilusão, aproxima-se da figura caricata de um alazon moderno. No plano da enunciação, o ironista compõe no conto a alazonia em diferentes situações e modelos de ironia. A sua impotência diante dos fatos faz a diegese desaguar num anticlímax de tragédia. Herói no modelo irônico, sua figura desperta compaixão no leitor, espectador de uma situação que dissolve, no plano da realidade, os sonhos de Ataxerxes e potencializa seu drama na narrativa. Como suporte teórico para as análises, valer-nos-emos dos textos de Aristóteles (2008), Braith (2008), Candido (2002), Muecke (1995), Nadeau (2008), Rosenfeld (2006), Teixeira (2011), dentre outros.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Altamir Botoso, Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul - UEMS

Doutor em Letras, área de Teoria Lite´raria e Literatura Comparada, pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, UNESP, campus de Assis-SP e docente do curso de Letras/Espanhol e do Mestrado em Letras da Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul, UEMS, campus de Campo Grande-MS.

Referências

ARISTÓTELES. Poética. Tradução de Ana Maria Valente. 3. ed. Lisboa: Calouste Gulbenkian, 2008.

BRAIT, B. Ironia em perspectiva polifônica. 2. ed. Campinas: Editora Unicamp, 2008.

CANDIDO, A. et al. A personagem de ficção. 10. ed. São Paulo: Perspectiva, 2002.

FREUD, Sigmund. A interpretação dos sonhos. São Paulo: Folha de São Paulo, 2010.

MACHADO, A. A morte da porta-estandarte, Tati, a garota e outras histórias. 15. ed. Rio de Janeiro: José Olympio, 1997.
¬¬¬¬¬¬¬¬¬
MATOS, O. Iluminação Mística, Iluminação Profana: Walter Benjamin. Discurso, (23), 87-108, 1994.

MUECKE, D. C. Ironia e o irônico. São Paulo: Perspectiva, 1995.

NADEAU, M. História do Surrealismo. Tradução de Geraldo Gerson de Souza. São Paulo: Perspectiva, 2008.

PLATÃO. A República. Tradução de Maria Helena da Rocha Pereira. 15. ed. Lisboa: Calouste Gulbenkian, 2017.

PROENÇA, M. C. Os balões cativos. In. MACHADO, A. A morte da porta-estandarte, Tati, a garota e outras histórias. 15. ed. Rio de Janeiro: José Olympio, 1997.

ROSENFELD, A. Texto/contexto I. São Paulo: Perspectiva, 2006.

TEIXEIRA, M. V. Aníbal Machado: um escritor em preparativos. Tese (Doutorado em Literatura Brasileira), Departamento de Letras Clássicas e Vernáculas da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo – FFLCH-USP, São Paulo, 2011.

VILAR, L. Xerxes: o Rei dos Reis. 28 abr. 2013. Disponível em: Acesso em: 12 jun. 2019.
Publicado
2021-07-01
Métricas
  • Visualizações do Artigo 44
  • PDF downloads: 40
Seção
ARTIGOS