HOMICÍDIO, RENDA E TERRITÓRIO NO DISTRITO FEDERAL EM 2019: UM ESTUDO ECOLÓGICO

Palavras-chave: Homicídio, Renda, Demografia

Resumo

Introdução: A mortalidade por homicídio possui grandes impactos à saúde pública, interferindo em menor expectativa de vida. Os determinantes sociais de renda e território e os fatores sociodemográficos apresentam-se como um entrave para o aumento desses casos. Objetivo: Analisar a distribuição de renda, território e taxa de mortalidade por homicídio no ano de 2019 nas regiões administrativas do Distrito Federal. Método: Trata-se de um estudo ecológico de base territorial. Foram incluídas vítimas de homicídio residentes das 33 regiões administrativas que fazem parte do Distrito Federal, registradas no Sistema de Informações sobre Mortalidade (SIM) no ano de 2019. As variáveis empregadas foram: idade, sexo, raça/cor, escolaridade, estado civil, região administrativa de residência, causa básica, local de ocorrência do óbito, divisão por grupo de renda do Distrito Federal e taxa de desemprego. A análise dos dados ocorreu por meio do cálculo das medidas absolutas e relativas. Resultados: A maior incidência de homicídios ocorreu nas regiões com média-baixa e baixa renda, na faixa etária de 15 a 24 anos, em pessoas do sexo masculino, da raça/cor parda, solteiras, com nível médio de escolaridade, sendo a via pública o local de maior ocorrência do ato e a arma de fogo foi o instrumento mais utilizado na execução. Conclusão: É possível concluir que a mortalidade por homicídio no Distrito Federal acometeu em maior proporção as populações mais vulneráveis. É necessária uma intervenção estatal e intersetorial nos territórios para minimizar os desfechos indesejáveis relacionados com a violência.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Laura Sousa Oliveira Costa Bezerra, Residente no Programa Multiprofissional em Saúde Mental, Álcool e outras Drogas da Fundação Oswaldo Cruz - Brasil

Graduada em Serviço Social pela Universidade de Brasília.

Delmason Soares Barbosa de Carvalho, Mestrando em Saúde Coletiva pela Universidade de Brasília - Brasil

Especialista em Saúde Coletiva pela Universidade de Brasília. Servidor na Secretaria de Estado de Saúde do Distrito Federal.

Elaine Ramos de Moraes Rego, Mestranda em Saúde Coletiva pela Universidade de Brasília - Brasil

Especialista em Acupuntura pelo Centro Universitário Cidade Verde. Servidora na Secretaria Estadual de Saúde do Distrito Federal.

Ana Cristina Machado, Médica clínica na Secretaria de Saúde do Distrito Federal - Brasil

Especialista em Acupuntura pela Sociedade Médica Brasileira de Acupuntura.

Ana Claudia Morais Godoy Figueiredo, Docente no Programa de Residência Multiprofissional em Gestão de Políticas Públicas para a Saúde da Escola Superior de Ciências da Saúde - Brasil

Pós-Doutora em Saúde Coletiva e Doutora em Ciências da Saúde pela Universidade de Brasília. Servidora na Secretaria de Estado de Saúde do Distrito Federal.

Referências

ALVES, J. A. From Necropolis to blackpolis: necropolitical governance and black spatial praxis in São Paulo, Brazil. Antipode, Medford, v.46, n.2, p.323-339, 2013.

BRASIL. Lei 10.826 de 22 de dezembro de 2003. Dispõe sobre o registro, posse e comercialização de armas de fogo e munição, sobre o Sistema Nacional de Armas – SINARM, define crimes e dá outras providências. Diário Oficial da República Federativa do Brasil. Brasília, DF, 23 dez. 2003.

BRASIL. Ministério da Saúde. Conselho Nacional de Saúde. Resolução no 580, de 22 de março de 2018. Regulamenta o disposto no item XIII.4 da Resolução CNS nº 466, de 12 de dezembro de 2012. Diário Oficial da União, Brasília, DF. 2018.

BRASIL. Ministério da Saúde. Conselho Nacional de Saúde. Resolução no 510, de 7 de abril de 2016. Trata sobre as diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisa em ciências humanas e sociais. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 24 maio de 2016.

BRASIL. Ministério da Saúde. Conselho Nacional de Saúde. Resolução no 466, de 12 de dezembro de 2012. Incorpora, sob a ótica do indivíduo e das coletividades, referenciais da bioética, tais como, autonomia, não maleficência, beneficência, justiça e equidade, dentre outros, e visa a assegurar os direitos e deveres que dizem respeito aos participantes da pesquisa, à comunidade científica e ao Estado. Diário Oficial da União, Brasília, DF. 2012.

CERQUEIRA, D. Causa e consequências do crime no Brasil. Tese (Doutorado) – Departamento de Economia, Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2014.

CERQUEIRA, D.; COELHO, D. Democracia Racial e Homicídios de Jovens Negros na Cidade Partida. TD 2267 - IPEA, Brasília, 2017.

CODEPLAN - COMPANHIA DE PLANEJAMENTO DO DISTRITO FEDERAL. Brasília Metropolitana. Brasília, 2019.

CODEPLAN - Pesquisa Distrital por Amostra de Domicílios (PDAD). Companhia de Planejamento do Distrito Federal. Brasília, 2018.

COSTA, F. A. M. M.; TRINDADE, R. F. C.; SANTOS, C. B. Mortes por homicídios: série histórica. Revista Latino-Americana de Enfermagem, v.22, n.6, p.1017, 2014.

DUARTE E.C. et al. Associação ecológica entre características dos municípios e o risco de homicídios em homens adultos de 20-39 anos de idade no Brasil, 1999-2010. Ciência e Saúde Coletiva, v.17, n.9, p.2259-68, 2012.

DRUMOND, E. F.; SOUZA, H. N. F.; HANG-COSTA, T. A. Homicídios, álcool e drogas em Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil, 2000-2009. Epidemiologia e Serviços de Saúde, v.24, n.4, p.607-616, 2015.

FERREIRA, I. C. B.; VASCONCELOS, A. M. N.; PENNA, N. D. A. Violência urbana: a vulnerabilidade dos jovens da periferia das cidades. XVI Encontro Nacional de Estudos Populacionais. Caxambu – MG, 2008.

IPEA - INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA; FÓRUM BRASILEIRO DE SEGURANÇA PÚBLICA (Org.). Atlas da violência 2019. Brasília; Rio de Janeiro; São Paulo: IPEA; FBSP, 2019.

LIMA, A. L. B. et al. Tendência crescente de violência homicida na região metropolitana de natal-rn, Brasil. Revista Ciênca Plural, v.1, n.2, p.19-28, 2015.

LIMA-COSTA, M. F.; BARRETO, S. M. Tipos de estudos epidemiológicos: conceitos básicos e aplicações na área do envelhecimento. Epidemiologia e Serviços de Saúde, v.12, n.4, p.189-201, 2003.

MANSANO N.H.; GUTIERREZ M.M.; RAMALHO W.; DUARTE E.C. Homicídios em homens jovens de 10 a 24 anos e condições sociais em municípios do Paraná e Santa Catarina, Brasil, 2001-2010. Epidemiologia e Serviços de Saúde, v.22, n.2, p.203-14, 2013.

MENEGHEL, S. N. et al. Feminicídios: estudo em capitais e municípios brasileiros de grande porte populacional. Ciência e Saúde Coletiva, v.22, n.9, p.2963-2970, 2017.

MINAYO, M. C. S.; SOUZA, E. R. Violência e saúde como um campo interdisciplinar e de ação coletiva. História, Ciências, Saúde, v.4, n.3, p.513-531, 1998.

OLIVEIRA, A. L. S. DE; LUNA, C. F.; SILVA, M. G. P. DA. Homicídios do Brasil na última década: uma revisão integrativa. Ciência & Saúde Coletiva, v.25, p.1925–1934, 2020.

ROCHA, G. G. et al. Análise temporal da mortalidade por homicídios e acidentes de trânsito em Foz do Iguaçu, 2000-2010. Epidemiologia e Serviços de Saúde, v.25, n.2, p.323-330, 2016.

SEATRAB; DIEESE; CODEPLAN - Secretaria de Estado e Trabalho do Distrito Federal, Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos, Companhia de Planejamento do Distrito Federal. PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO (PED). Brasília, 2019.

SOARES, A. S. et al. Características sociodemográficas e epidemiológicas dos homicídios em Marabá-PA: taxas acima das médias estadual e nacional. Brazilian Journal of Health Review, v.4, n.1, p.1791-1810, 2021.

SOUSA, C. A. M.; SILVA, C. M. F. P.; SOUZA, E. R. Determinantes dos homicídios no Estado da Bahia, Brasil, em 2009. Revista Brasiçeira de Epidemiologia, v.17, n.1, p.135-146, 2014.

SOUZA, T. O.; SOUZA, E. R.; PINTO, L W. Evolução da mortalidade por homicídio no Estado da Bahia, Brasil, no período de 1996 a 2010. Ciência e Saúde Coletiva, v.19, n.6, p.1889-1900, 2014.

TAVARES, R. et al. Homicídios e vulnerabilidade social. Ciência e Saúde Coletiva, v.21, n.3, p.923-934, 2016.

TRINDADE, R. F. C. et al. Map of homicides by firearms: profile of the victims and the assaults. Revista da Escola de Enfermagem da USP, v.49, n.5, p.748-755, 2015.

United Nations Office on Drugs and Crime (UNODC). Global Study on Homicide 2019. Vienna: United Nations Office on Drugs and Crime; 2019.

WANZINACK, C.; SIGNORELLI, M. C.; REIS, C. Homicides and socio-environmental determinants of health in Brazil: a systematic literature review. Cadernos de Saúde Pública, v.34, n.12, p.e00012818, 2018.

WAISELFISZ, J. J. Mapa da violência 2015: homicídio de mulheres no Brasil. Brasília: OPAS/OMS, ONU Mulheres, SPM e Flacso, 2015

World Health Organization (WHO). World health statistics 2018: monitoring health for the SDGs, Sustainable Development Goals. Geneva: World Health Organization; 2018.

Publicado
2022-08-23
Métricas
  • Visualizações do Artigo 60
  • PDF downloads: 40
Como Citar
Bezerra, L. S. O. C., Carvalho, D. S. B. de, Moraes Rego, E. R. de, Machado, A. C., & Figueiredo, A. C. M. G. (2022). HOMICÍDIO, RENDA E TERRITÓRIO NO DISTRITO FEDERAL EM 2019: UM ESTUDO ECOLÓGICO. Práticas E Cuidado: Revista De Saúde Coletiva, 3, e13472. Recuperado de https://revistas.uneb.br/index.php/saudecoletiva/article/view/13472
Seção
Artigos (FLUXO CONTíNUO)