A espiral do tempo como um dispositivo de análise para narrativas, (auto)biografias, trajetórias de vida e história oral

Palavras-chave: Memória, (Auto)biográfia, Cronotopia, Espiral do tempo

Resumo

O presente trabalho visa apresentar um dispositivo de análise que busca representar graficamente a simultaneidade temporal entre as trajetórias de vida. Além disso, o dispositivo pretende proporcionar a visualização de elementos extraídos das narrativas que se estabelecem contextualmente como significativos aos objetivos de cada pesquisa baseada em histórias de vida, memórias, (auto) biografias, escritas de si dentre outras metodologias que encontram na vida e na memória seus pontos de ancoragem. Deslocados pela escuta, pela narrativa e pela memória das fontes, construímos a espiral do tempo para representar o tempo narrado, simultâneo, vivido e assim visualizar todas as trajetórias investigadas num mesmo momento nos proporcionando vislumbrar uma espécie panorama da pesquisa. O texto que apresentamos está dividido em quatro partes. A primeira parte apresenta nossas reflexões acerca da memória, das escritas (auto) biográficas e do que compreendemos por trajetória de vida, bem como os diálogos com nossos referenciais teóricos. Na segunda parte, fazemos breves considerações quanto à pesquisa que originou esta concepção de espiral do tempo. A terceira parte procura articular as categorias de tempo e espaço por meio conceito bakthiniano de cronotopo interligando este conceito a relação de simultaneidade entre as trajetórias de vida investigadas. Concluindo o texto, apresentamos a espiral do tempo como uma possível metodologia de análise gráfica para pesquisas que se centram nas histórias ou trajetórias de vida por meio da investigação da memória das fontes.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Cláudia Rodrigues do Carmo Arcenio, Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro

Doutoranda e mestre em Educação pelo Programa de Pós-graduação Educação em Contextos Contemporâneos e Demandas Populares da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ).  Professora da Educação Básica, da Prefeitura Municipal de Nova Iguaçu. Professora substituta no Departamento de Letras e Departamento de Educação da UFRRJ.

Patrícia Bastos de Azevedo, Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro
  Doutora em Educação pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Professora associada da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRJ).  

Referências

ALBERTI, Verena. Ouvir contar: textos em História Oral. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2004.

ARCENIO, Cláudia Rodrigues do Carmo. Nas trilhas da memória: Os caminhos do letramento na escola através das trajetórias de vida de professoras alfabetizadoras do PARFOR/UFRRJ. 2019. 161 f. Dissertação de Mestrado em Educação Contextos Contemporâneos e Demandas Populares. Universidade Federal do Rio de Janeiro. Seropédica, 2019.

ARAÚJO, Helena Maria Marques de. O tempo histórico. In: SANTIAGO, Ana Maria. História na Educação1. Rio de Janeiro: CECIERJ, 2010. p. 43-57.

AZEVEDO, Patrícia Bastos de. Ensino de história e memória social. A construção de história-ensinada em uma sala de aula dialógica. Niemcy: Edições Acadêmicas, 2016.

BAKHTIN, Mikhail. Estética da Criação Verbal. São Paulo: Martins Fontes, 1997.

BAKHTIN, Mikhail. Questões de literatura e estética: a teoria do romance. São Paulo: Unesp, 1998.

BARROS, José D’Assunção. História e memória: uma relação na confluência entre tempo e espaço. Mouseion, v. 3, n.5, p. 35-67 2009. Disponível em: https://revistas.unilasalle.edu.br/documentos/documentos/Mouseion/Vol5/historia_memoria.pdf. Acesso em: 27 ago. 2021

BOSI, Ecléa. Memória e sociedade: lembrança dos velhos. São Paulo: T.A. Queiroz, 1979.

BRANDÃO, Vera Maria Antonieta Tordino. Memória (auto) biográfica como prática de formação. Revista @mbienteeducação, v.1, n. 1, Jan/Julho 2008. np. Disponível em: http://www.cidadesp.edu.br/old/revista_educacao/index.html. Acesso em: 20 mar. 2020.

DELGADO, Lucília de Almeida Neves. História oral, memória, tempo, identidades. Belo Horizonte: Editora Autêntica, 2010.

DELORY-MOMBERGER, Christine. Formação e socialização: os ateliês biográficos de projeto. Revista Educação e Pesquisa (online). São Paulo, FEUSP, v. 32, n. 10, p. 359-371, 2006. Disponível em: https://www.scielo.br/j/ep/a/GxgXTXCCBkYzdHzbMrbbkpM/abstract/?lang=pt Acesso em: 20 mar. 2020.

FIGUERÊDO, Maria Aparecida. Gênese e (re)produção do espaço da Baixada Fluminense. Revista geo-paisagem (online). Ano 3, nº 5, Jan/Jun de 2004. np. Disponível em: http://www.feth.ggf.br/Baixada.htm. Acesso em: 20 mar. 2020.

FIORIN, José Luiz. Introdução à Linguística. São Paulo: Cortez, 2002.

GINZBURG, Carlo. Mitos, emblemas e sinais: morfologia e história. Tradução: Frederico Carotti. São Paulo: Companhia das Letras, 1989.

HALBWACHS, M. A memória coletiva. Edições Vértice. São Paulo: Editora Revista dos tribunais LTDA, 1990

POLLAK, Michael. Memória, esquecimento e silêncio. Revista Estudos Históricos. Rio de Janeiro, Ed. Vértice, n. 3, p. 3-15, 1989.

POLLAK, Michael. Memória e identidade social. Revista Estudos Históricos. Rio de Janeiro, v. 5, n. 10, p. 200-212, 1992.

ROJO, Roxane. Letramentos múltiplos, escola e inclusão social. São Paulo: Parábola Editorial: 2009

ROJO, Roxane. Hipermodernidade, multiletramentos e gêneros discursivos. São Paulo: Parábola Editorial, 2015.

STREET. Brian. Letramentos Sociais: abordagens críticas do letramento no desenvolvimento, na etnografia e na educação. Trad. Marcos Bagno. São Paulo: Parábola, 2014.

Publicado
2021-09-06
Métricas
  • Visualizações do Artigo 229
  • pdf downloads: 162
Como Citar
ARCENIO, C. R. DO C.; AZEVEDO, P. B. DE. A espiral do tempo como um dispositivo de análise para narrativas, (auto)biografias, trajetórias de vida e história oral. Revista Brasileira de Pesquisa (Auto)biográfica, v. 6, n. 18, p. 668-684, 6 set. 2021.