A classe hospitalar na voz de crianças a partir de suas vivências educacionais

Resumo

O presente artigo analisa experiências de crianças que frequentavam a Classe Hospitalar da Santa Casa de Misericórdia, na cidade de Campo Grande (MS). Ancorada na Sociologia da Infância, a pesquisa com abordagem qualitativa teve por objetivo analisar como as crianças da Classe Hospitalar vivenciam as suas experiências educacionais no período de internação. Os sujeitos foram cinco crianças, com idade entre cinco e doze anos. Como instrumento de coleta de dados, utilizou-se a entrevista semiestruturada e o desenho comentado. As experiências vivenciadas pelas crianças hospitalizadas que frequentam a classe hospitalar em questão são relevantes por nos possibilitar a compreensão de significados que têm para elas realizarem atividades pedagógicas fora do ambiente escolar inseridas nesse contexto de tratamento de doença. Os resultados evidenciaram que a Classe Hospitalar atua na perspectiva de manter as crianças conectadas com o universo escolar que deixaram ao serem internadas. A sensibilidade e a afetividade docente resultam no fortalecimento para superar os dias de internação hospitalar.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Hildacy Soares da França Montanha, UNIVERSIDADE CATÓLICA DOM BOSCO

Graduada em Ciências Sociais pela Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (2006). Graduação em Pedagogia pela Universidade Católica Dom Bosco (em andamento). Mestre em Educação pela Universidade Católica Dom Bosco - PPGE/UCDB. Membro do grupo de estudos e pesquisas sobre a docência na infância - GEPDI.

Marta Regina Brostolin, Universidade Católica Dom Bosco
Graduação em Pedagogia(1994), Mestrado em Educação (1998), Doutorado (2005). Realizou estágio Pós-doutoral na Universidade do Minho, Braga/Portugal sob a supervisão do Profº Dr Manuel Jacinto Sarmento na especialidade de Sociologia da Infância em 2017. Atua na Universidade Católica Dom Bosco na graduação no Curso de Pedagogia e Programa de Pós-Graduação em Educação - Mestrado e Doutorado da UCDB pesquisando as temáticas: Formação de Professores; Infância e Educação Infantil e Sociologia da Infância. É lider do GEPDI – Grupo de Estudos e Pesquisas da Docência na Infância.

Referências

ARIÉS, Philippe. História social da criança e da família. 2. ed. Rio de Janeiro: LTC, 1981.

ABRAMOWICZ, Anete; MORUZZI, Andrea Braga. Infância na contemporaneidade: questões para os estudos sociológicos da infância (Childhood in the contemporary world: questions for the sociological studies of childhood). Crítica Educativa, v. 2, n. 2, p. 25-37, 2016.

BARROS, Alessandra. Notas Sócio Históricas e antropológicas sobre a escolarização em Hospitais. In. S CHILK E, Ana Lúcia, N UN ES, Lauane Baroncelli, ARO SA, Armando C.(Orgs). Atendimento Escolar Hospitalar: saberes e fazeres. Niterói Ed Intertexto, 2011. P.19- 29.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, 1988.

BRASIL. Estatuto da criança e do adolescente. Lei n.8060/1990. Brasília, 1990.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Especial. Política Nacional de Educação Especial. Brasília: MEC/SEESP, 1994.

BRASIL. Direitos da Criança e do Adolescente hospitalizados. Resolução 41/95. Conselho Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente. CONANDA. 1995.

BRASIL. Lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Brasília, 20 dez.1996.

BRASIL. Classe hospitalar e atendimento pedagógico domiciliar: estratégias e orientações para sua implantação e implementação (versão preliminar). Secretaria de Educação Especial do MEC. Brasília: Imprensa Oficial. 2002.

BRASIL. Lei n. 11.104, de 21 de março de 2005. Dispõe sobre a obrigatoriedade de instalação de brinquedotecas nas unidades de saúde que ofereçam atendimento pediátrico em regime de internação. Diário Oficial da União, Brasília, DF, n 55, seção1, p.1, 22 de março de 2005.

BELLONI, Maria Luiza. O que é sociologia da infância. Campinas, SP: Autores Associados, 2009.

CAVALCANTE, Myrian Soares; GUIMARÃES, Valéria Maria Azevedo; ALMEIDA, Synara do Espírito. Pedagogia Hospitalar: histórico, papel e mediação com atividades lúdicas. Encontro Internacional de Formação de Professores e Fórum Permanente de Inovação Educacional, v. 8, n. 1, 2015.

CLARA, Maria; PAULA, Sara Rodrigues Vieira de. A experiência de pesquisar com crianças: para além de uma “perguntação”. In: Anais do Colóquio Internacional Crianças e Territórios de Infância. Anais...Brasília (DF) UnB, 2018. Disponível em: . Acesso em: 01/08/2019.

CORSARO, Willian A. Sociologia da infância. Porto Alegre: Artmed, 2011.

FARIA, Ana Lúcia Goulard de; DEMARTINI, Zeila de Brito Fabri; PRADO, Patrícia Dias (Orgs.). Por uma cultura da infância: metodologia de pesquisa com crianças. 2. ed. Campinas, SP: Autores Associados, 2005.

GEREMIAS, Tania Maria Fiorini. O contexto da educação hospitalar nas narrativas de crianças. 2010. Dissertação de Mestrado Universidade Federal de Santa Catarina. Disponível em: < https://repositorio.ufsc.br/handle/123456789/94101> Acesso em: 03/08/2018.

KUHLMANN Jr., M; FERNANDES, Fabiana Silva. Infância: construção social e histórica. In: VAZ, Alexandre Fernandez; MOMM, Caroline Machado (Orgs.). Educação Infantil e Sociedade. Nova Petrópolis: Nova Harmonia, 2012.

LEITE, Maria Isabel. Espaços de narrativa – onde o eu e o outro marcam o encontro. In: CRUZ, Silvia Helena Vieira. A criança fala: a escuta de crianças em pesquisa. São Paulo: Cortez, 2008.

LIMA, Idalice Ribeiro Silva. Políticas de educação escolar em ambientes hospitalares: em defesa da escola no hospital. Revista Educação e Políticas em Debate, v. 4, n. 1, 2015.

LÜDKE, Menga. ANDRE, Marli E.D.A.A Pesquisa em educação: abordagens qualitativas.2 ed. Rio de Janeiro: E.P.U., 2014.

NEVES, Flávia. Vivência ou vivencia. Dúvidas de português, 2009. Disponível em: <https://duvidas.dicio.com.br/vivencia-ou-vivencia/ >. Acesso em: 11 de janeiro. de 2020.

OLIVEIRA, TC de. Um breve histórico sobre as classes hospitalares no Brasil e no Mundo. In: XI Congresso Nacional de Educação. 2013.

PACCO, Aline Ferreira Rodrigues. Panorama das classes hospitalares brasileiras: formação e atuação docente, organização e funcionamento. 2017. Dissertação de mestrado. Universidade Federal de São Carlos – UFSCar. Disponível em:< https://repositorio.ufscar.br/handle/ufscar/8687> Acesso em 01/07/2018.

PAULA, Ercília Maria. O ensino fundamental na escola do hospital: espaço da diversidade e cidadania. Educação Unisinos, v. 11, n. 3, p. 156-164, 2007.

PILLAR, Analice Dutra. Desenho e escrita como sistemas de representação. 2.ed. rev. Ampl. – Porto Alegre: Penso, 2012.

RAMOS, Aidyl M. de Queiroz Perez. O ambiente na vida da criança hospitalizada. Brincando na escola, no hospital, na rua... 3 ed. Rio de Janeiro. Wak Editora. 2015. p. 111-126.

ROCHA, Simone Maria da et al. Narrativas infantis: o que nos contam as crianças de suas experiências no hospital e na classe hospitalar. 2012. Dissertação de Mestrado. Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Disponível em:< https://repositorio.ufrn.br/jspui/handle/123456789/14533> Acesso em 01/08/2018.

SARMENTO, Manuel Jacinto. Gerações e alteridade: interrogações a partir da sociologia da infância. Educação & Sociedade, v. 26, n. 91, p. 361-378, 2005.

SARMENTO, Manuel Jacinto. Infância contemporânea e educação infantil: uma perspectiva a partir dos direitos da criança. Primeira infância no século XXI: direito das crianças de viver, brincar, explorar e conhecer o mundo, n. 1ª, p. 131-148, 2013.

SOARES, Natália Fernandes. Os direitos das crianças nas encruzilhadas da proteção e da participação. Zero-a-Seis, v. 7, n. 12, p. 8-18, 2005.

SOARES, Natália Fernandes. Pesquisa com crianças: da invisibilidade à participação – com implicações na formação de professores? Pesquisa com crianças e a formação de professores. Curitiba: PUCPR, p. 21-44, 2015.

TOMÁS, Catarina. “Participação não tem Idade” Participação das Crianças e Cidadania da Infância. Revista Contexto & Educação, v. 22, n. 78, p. 45-68, 2007.

TRUGILHO, Silvia Moreira. Classe hospitalar e a vivência do otimismo trágico: um sentido da escolaridade na vida da criança hospitalizada. 2003. 227 f. 2003. Tese de Doutorado. Dissertação (Mestrado em Educação) -Universidade Federal do Espírito Santo. Disponível em: < http://www.cerelepe.faced.ufba.br/arquivos/fotos/137/otimismotragico.pdf>. Acesso em 01/08/2018.

Publicado
2020-10-11
Métricas
  • Visualizações do Artigo 317
  • pdf downloads: 338
Como Citar
MONTANHA, H. S. DA F.; REGINA BROSTOLIN, M. A classe hospitalar na voz de crianças a partir de suas vivências educacionais. Revista Brasileira de Pesquisa (Auto)biográfica, v. 5, n. 15, p. 1105-1120, 11 out. 2020.