Narrativas expositivas na constituição de memórias identitárias: um estudo de caso

Autores

DOI:

https://doi.org/10.31892/rbpab2525-426X.2020.v5.n14.p709-722

Palavras-chave:

Museu, Narrativas Expositivas, Identidade Judaica, Patrimônio, Memória

Resumo

O jogo da memória, narrativa e patrimônio é diretamente um objeto de estudo da Museologia, enquanto disciplina que se debruça sobre o fenômeno museal. Um de seus campos de estudo é a exposição, como produto de um contexto. Nesse sentido, o artigo pretende discutir a construção de identidades por meio de narrativas expositivas, que são os discursos elaborados pela ação curatorial das instituições museológicas. Tais discursos buscam dar significado para um conjunto de elementos organizados no tempo e no espaço, que são considerados patrimônio de uma comunidade. O texto explora a história dos museus no Ocidente e problematiza os discursos expográficos, pensando-os como um fenômeno da comunicação, para então desenvolver um estudo de caso sobre a identidade judaica no Brasil presente no Memorial da Imigração Judaica e do Holocausto. Metodologicamente, o trabalho é baseado na análise qualitativa de um recorte das narrativas expositivas do museu e lida com as noções imbricadas de história, memória e identidade para discutir a (auto)biografia criada naquele contexto museal. Por fim, considera-se que os museus e as exposições não devem ser lugares de consolidação de identidades, mas sim espaços abertos de identificação e reflexão dos elementos constitutivos de uma comunidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Camilo de Mello Vasconcellos, Museu de Arqueologia e Etnologia da USP

Doutor em História Social pelo Programa de Pós-Graduação em História Social da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (PPGHS) da Universidade de São Paulo (USP). Professor de Museologia junto ao Museu de Arqueologia e Etnologia (MAE) da USP (USP). Líder do Laboratório de Pesquisas sobre Museus na América Latina (Lapemal), vinculado ao Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq).

Otávio Pereira Balaguer, Associação Cultural de Apoio ao Museu Casa de Portinari (ACAM Portinari)

Mestre em Museologia pelo Programa de Pós-Graduação Interunidades em Museologia (PPGMus) da Universidade de São Paulo (USP) . Assistente de Ações Técnicas da equipe de apoio ao Sistema Estadual de Museus de São Paulo (SISEM-SP) da Associação Cultural de Apoio ao Museu Casa de Portinari (ACAM Portinari) – Organização Social de Cultura. Pesquisador do Laboratório de Pesquisas sobre Museus na América Latina (Lapemal), vinculado ao Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq).

Referências

BALAGUER, Otávio Pereira. Kehilat Israel: um estudo de narrativas expositivas sobre a imigração judaica. 2019. 175 p. Dissertação (Mestrado em Museologia) – Programa de Pós-Graduação Interunidades em Museologia, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2019.

BARBUY, Heloisa. A comunicação em museus e exposições em perspectiva histórica. In: BENCHETRIT, Sarah Fassa; BEZERRA, Rafael Zamorano & MAGALHÃES, Aline Montenegro. (Orgs.). Museus e comunicação: exposições como objeto de estudo. Rio de Janeiro: Museu Histórico Nacional, 2010. p. 113-129.

BOSI, Ecléa. O tempo vivo da memória: ensaios de psicologia social. São Paulo: Ateliê Editorial, 2003.

BRUNO, Maria Cristina Oliveira. Museologia: algumas idéias para a sua organização disciplinar. Cadernos de sociomuseologia, Lisboa, nº 9, p. 9-33, 1996.

CANDAU, Jöel. Memória e Identidade. São Paulo: Contexto, 2016.

CARNEIRO, Maria Luiza Tucci. Mosaico de Nacionalidades (Série Brasil Judaico). São Paulo: Maayanot, 2013.

FALBEL, Nachman. Judeus no Brasil: estudos e notas. São Paulo: Humanitas; EDUSP, 2008.

GARCÍA CANCLINI, Néstor. Culturas híbridas: estrategias para entrar y salir de la modernidad. México: Grijalbo, 1989.

GUARNIERI, Waldisa Rússio Camargo. Conceito de cultura e sua inter-relação com o patrimônio cultural e a preservação. Cadernos museológicos, nº 3, IBPC, Rio de Janeiro: 1990.

HALBWACHS, Maurice. A memória coletiva. São Paulo: Edições Vértice; Editora Revista dos Tribunais LTDA, 1990.

HOBSBAWM, Eric; RANGER, Terence (Orgs.). A invenção das tradições. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1984.

HOOPER-GREENHILL, Eilean. Museum learners as active postmodernists: contextualizing constructivism. In: HOOPER-GREENHILL, Eilean. The educational role of the museum. New York: Routledge, 1999. p. 67-72.

HUYSSEN, Andreas. Seduzidos pela memória: arquitetura, monumentos, mídia. Rio de Janeiro: Aeroplano, 2000.

MAUAD, Ana Maria; RAMOS, Itan Cruz. “Fotografias de família e os itinerários da intimidade na história”. Acervo. Revista do Arquivo Nacional. Rio de Janeiro, v. 1, nº 30, p. 155-178, 2017. Disponível em: http://revista.arquivonacional.gov.br/index.php/revistaacervo /article/view/795. Acesso em: 29 mai. 2020.

MENESES, Ulpiano Toledo Bezerra de. A problemática da cultura material no estudo das sociedades antigas. Revista de História, São Paulo, nº 115, p. 103-117, 1983. Disponível em: http://www.revistas.usp.br/revhistoria/article/view/61796. Acesso em: 29 mai. 2020.

______. Do teatro da memória ao laboratório da História: a exposição museológica e o conhecimento histórico. Anais do Museu Paulista - História e Cultura Material. São Paulo, v. 2, nº 1, p. 9-42, 1994.

NOVINSKY, Anita et alii. Os judeus que construíram o Brasil: fontes inéditas para uma nova visão da história. São Paulo: Planeta do Brasil, 2015.

POMIAN, Krzysztof. Coleção. Enciclopédia Einaudi, v. 1- Memória e História. Porto: Imprensa Nacional Casa da Moeda, 1984. p. 51-85.

POULOT, Dominique. Uma história do patrimônio no Ocidente, séculos XVII-XXI: do monumento aos valores. São Paulo: Estação Liberdade, 2009.

ROQUE, Maria Isabel Rocha. Comunicação no museu. In: BENCHETRIT, Sarah Fassa; BEZERRA, Rafael Zamorano & MAGALHÃES, Aline Montenegro. (Orgs.). Museus e comunicação: exposições como objeto de estudo. Rio de Janeiro: Museu Histórico Nacional, 2010. p. 47-68.

SELDIN, Ruth. American Jewish Museums: Trends and Issues. In: SELDIN, Ruth; SINGER, David (Ed.). American Jewish Yearbook 1991. v. 1. Filadélfia: The Jewish Publication Society, 1991. p. 77-91.

SODARO, Amy. History, Memory and Nostalgia in Berlin’s Jewish Museum. International Journal of Politics, Culture and Society, vol. 336, no. 1, Special Issue: Screen Memory, p. 77-91, March 2013. Disponível em: http://www.jstor.org/stable/42636436. Acesso em: 20 dez. 2019.

VALADARES, Paulo; FAIGUENBOIM, Guilherme. Kehilat Israel, a primeira sinagoga paulistana (1912): origem e fundadores. In: CARNEIRO, Maria Luiza Tutti. (Org.). Recordações dos primórdios da imigração judaica em São Paulo (Série Brasil Judaico). São Paulo: Maayanot, 2013. p. 31-70.

VASCONCELLOS, Camilo de Mello. Imagens da Revolução Mexicana. O Museu Nacional de História do México (1940-1982). São Paulo: Alameda Editorial, 2007.

Downloads

Publicado

2020-06-29

Como Citar

VASCONCELLOS, C. de M.; BALAGUER, O. P. Narrativas expositivas na constituição de memórias identitárias: um estudo de caso. Revista Brasileira de Pesquisa (Auto)biográfica, [S. l.], v. 5, n. 14, p. 709–722, 2020. DOI: 10.31892/rbpab2525-426X.2020.v5.n14.p709-722. Disponível em: https://revistas.uneb.br/index.php/rbpab/article/view/7879. Acesso em: 25 jun. 2024.