Palavra patrimônio: narrativas orais no Assentamento Rose

Autores

DOI:

https://doi.org/10.31892/rbpab2525-426X.2020.v5.n14.p593-611

Palavras-chave:

Conto popular, Assentamento, Cultura, Trabalho, Preguiça

Resumo

As comunidades tradicionais possuem formas de transmissão de saberes predominantemente orais, ancoradas em vínculos parentais e afetivos fundamentais para sua existência e preservação. Com uma organização social complexa e cadeia hierárquica baseada na antiguidade do saber, demonstram força e vitalidade na atuação de mestres reconhecidos pelo grupo social. Os mais velhos exercem uma liderança natural no grupo e se destacam como guardiões dos saberes que estruturam os modos de vida coletivo. Trataremos da comunidade narrativa do Assentamento Rose, uma comunidade de sem terras localizada no município de Santa Luz, Bahia. Trata-se de uma comunidade diaspórica, cujos sujeitos são oriundos de várias cidades, se reorganizando em torno de interesses comuns. Os aspectos culturais são de extrema importância para a reorganização dos sujeitos em comunidade e, por isso, nosso interesse nas narrativas orais e contos populares presentes no Assentamento, a partir da atuação do narrador Zé de Souza. Será analisado o conto “O homem preguiçoso”, discutindo as relações de trabalho e de poder encontradas na narrativa. Desse modo, veremos como as narrativas tradicionais, no seu processo de transmissão e continuidade, carregam muito da personalidade do narrador, mas, acima de tudo, documentam as formas de organização social da comunidade, ainda que de forma indireta, e preservam, reafirmam e fortalecem valores estruturantes para o grupo social.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Edil Silva Costa, Universidade do Estado da Bahia, Pós-Crítica.

Doutora em Comunicação e Semiótica (PUC-São Paulo), Professora Permanente do Programa de Pós-Graduação em Crítica Cultural (Pós-Crítica), membro do Grupo de Pesquisa Núcleo de Tradições Orais e Patrimônio Imaterial (NUTOPIA) e do Grupo de Trabalho de Literatura Oral e Popular da Associação Nacional de Pesquisa e Pós-Graduação em Letras e Linguística (ANPOLL).

Edisvânio do Nascimento Pereira, UNEB

Mestre em Crítica Cultural pelo Programa de Pós-Graduação em Crítica Cultural (UNEB), Graduado em Comunicação Social/Radialismo (UNEB) e Especialização em Inovação Social com Ênfase em Economia Solidária e Agroecologia – Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia (IF Baiano), membro do Grupo de Pesquisa Núcleo de Tradições Orais e Patrimônio Imaterial (NUTOPIA).

Referências

ALCOFORADO, Doralice Xavier Fernandes. A recriação do conto popular. Boitatá: Revista do GT de literatura oral e popular da ANPOLL. Londrina, UEL, n. especial Doralice Xavier Alcoforado, p.131-142, ago./2008. Disponível em: http://www.uel.br/revista/boitata/?content=volume_especial_2008.htm. Acesso em: 03 ago. 2017.

ALCOFORADO, Doralice F. Xavier; ALBÁN, Maria del Rosário Suaréz. Contos populares brasileiros: Bahia. Recife: Fundação Joaquim Nabuco; Massangana, 2001.

BARTHES, Roland. Introdução à análise estrutural da narrativa. In: BARTHES, Roland et al. Análise estrutural da narrativa: pesquisas semiológicas. Petrópolis, RJ: Vozes, 1972. p. 19-62.

BOGO, Ademar. O MST e a cultura. Campos Elíseos, SP: MST, 2009.

BORDINI, Maria da Glória. Acervo de escritores e o descentramento da história da literatura. O Eixo e a Roda: Revista de Literatura Brasileira, Belo Horizonte: UFMG, v. 11, p. 15-23, 2005. Disponível em: http://www.periodicos.letras.ufmg.br/index.php/o_eixo_ea_roda/article/view/3174. Acesso em: 03 de dezembro de 2019.

BOSI, Alfredo. Dialética da colonização. São Paulo: Companhia das Letras, 1996.

BOSI, Ecléa. Memória e sociedade: lembrança de velhos. São Paulo: Schwarcz Ltda, 2001.

BRASIL. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária - EMBRAPA. Caatinga. Disponível em: www.embrapa.br. Acesso em: 03 abr. 2017.

BRASIL. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE. Cidades. Brasília, 2017. Disponível em: http://cidades.ibge.gov.br/. Acesso em: 28 abr. 2017.

CALDART, Roseli Salete. Pedagogia do Movimento Sem Terra. São Paulo: Expressão Popular, 2004.

CAUME, David José. A tessitura do “assentamento de reforma agrária”: discursos e práticas instituintes de um espaço agenciado pelo poder. 2002. 615 f. Tese (Doutorado em Ciências Sociais) − Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais, Unicamp, Campinas, 2002. Disponível em: www.repositorio.unicamp.br/bitstream/REPOSIP/280936/1/Caume_DavidJose_D.pdf. Acesso em: 11 out. 2017.

CASCUDO, Luís da Câmara. Os melhores contos de Portugal. Rio de Janeiro: Ediouro, s. d.

CASCUDO, Luís da Câmara. Contos tradicionais do Brasil. São Paulo: Global, 2004.

COSTA, Edil Silva. Ensaios de malandragem e preguiça. Curitiba: Appris, 2015.

COSTA, Edil Silva. Arquivos do pobre: considerações sobre culturas populares, memórias e narrativas. In: SANTOS, Osmar Moreira dos. (org.). Arquivos, testemunhos e pobreza no Brasil. Salvador: EDUNEB, 2016. p. 51-62.

CRUZ, Nelci Lima da. Memórias Históricas de Santa Luz: Santa Luz: [s. n.], 1996.

FERNANDES, Bernardo Maçano. A formação do MST no Brasil. Petrópolis, RJ: Vozes, 2000.

FERREIRA, Jerusa Pires. Oralidade, Mídia, Culturas Populares. Intermídias: Dossiê Jerusa Pires Ferreira, Montreal, Université de Montréal, ano 4, edição 8, 2008. Disponível em: http://www.intermidias.com/jerusa/. Acesso em: 05 maio 2017.

GIESBRECHT, Ralph Mennucci. Estações ferroviárias do Brasil. Disponível em: http://www.estacoesferroviarias.com.br/ba_paulistana/santaluz.htm. Acesso em: 05 maio 2017.

HAMPÂTÉ BÂ, Amadou. A tradição viva. In: KI-ZERBO, J. (org.). História Geral da África I: metodologia e pré-história da África. São Paulo: UNESCO, 1982. p. 181-218.

MEDEIROS, Leonilde Servolo de. Reforma agrária no Brasil. São Paulo, Fundação Perseu Abramo, 2003.

PEREIRA, Edisvânio do Nascimento. Narrativas sisaleiras: dizeres, saberes orais, fazeres e projetos culturais no Assentamento Rose, Santa Luz – BA. 2018. 159 f. Dissertação (Mestrado em Crítica Cultural) - Programa de Pós-Graduação em Crítica Cultural, Universidade do Estado da Bahia, Alagoinhas, 2018.

SANTIAGO, Gilson. História do Rose. APOCOR-Associação de Pequenos Agricultores da Comunidade Rose. Disponível em http://apacor.blogspot.com.br/p/historia-do-rose.html. Acessado em 10/04/2017.

SANTOS, Osmar Moreira dos. A luta desarmada dos subalternos. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2016.

SOUZA, Elizeu Clementino de. Modos de Narração e discussão da Memória: biografização, experiências e formação. In: PASSEGGI, Maria da Conceição; SOUZA, Elizeu Clementino de. (org.). (Auto) Biografia: formação, território e saberes. Natal: EDUFRN, São Paulo, 2008. p. 86-101.

SOUZA, Zé de (José Dantas de Ataídes). “João Preguiçoso”: informação verbal [10 de maio de 2017]. Entrevistador: Edisvânio do Nascimento Prereira. Assentamento Rose, Santa Luz, 2017. Entrevista concedida para elaboração de Dissertação de Mestrado do entrevistador.

STEDILE, João Pedro. A reforma agrária e a luta do MST. Petrópolis, RJ: Vozes, 1997.

ZUMTHOR, Paul. A letra e a voz: a "literatura" medieval. Tradução Jerusa Pires Ferreira. São Paulo: Cia das Letras, 1993.

ZUMTHOR, Paul. Escritura e nomadismo. Tradução Jerusa Pires Ferreira. São Paulo: Ateliê Editorial, 2005.

ZUMTHOR, Paul. Introdução à Poesia Oral. Tradução Jerusa Pires Ferreira, Maria Lúcia Diniz Pochat, Maria Inês de Almeida. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2010.

Downloads

Publicado

2020-06-29

Como Citar

COSTA, E. S.; PEREIRA, E. do N. Palavra patrimônio: narrativas orais no Assentamento Rose. Revista Brasileira de Pesquisa (Auto)biográfica, [S. l.], v. 5, n. 14, p. 593–611, 2020. DOI: 10.31892/rbpab2525-426X.2020.v5.n14.p593-611. Disponível em: https://revistas.uneb.br/index.php/rbpab/article/view/7762. Acesso em: 15 jun. 2024.