Ana Maria Eugênio Da Silva: uma quilombola que venceu o câncer escrevendo e dançando com São Gonçalo

Palavras-chave: Autobiografia. Câncer de mama. Dança de São Gonçalo. Espiritualidade

Resumo

O processo da descoberta do câncer de mama, os impactos, as angústias, o medo e ainda a discriminação foram os assuntos discorridos nesta pesquisa. A autobiografia de uma mulher negra quilombola revela os caminhos percorridos para o tratamento realizado através do Sistema Único de Saúde e a importância da sua autobiografia e espiritualidade na superação de sua enfermidade. O estudo chama a atenção para a importância do recorte étnico-racial frente às políticas públicas de saúde destinadas à população negra, especialmente à mulher quilombola, cujas singularidades e particularidades não são compreendidas nem respeitadas por grande parte dos profissionais de saúde, o que repercute na fragmentação de ações pontuais se comparadas àquelas destinadas a mulheres brancas. A metodologia é exploratório-descritiva, com revisão de literatura e análise autobiográfica da autora em questão. Os resultados revelam o quanto foram importantes a autobiografia e a dimensão da espiritualidade para a autora, ressignificando a sua vida positivamente e fazendo-lhe protagonista de sua história.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Fernada Ielpo da Cunha, UNILAB
Mestranda em Sociobiodiversidade e Tecnologias Sustantáveis pela Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira - UNILAB. Possui Graduação em Serviço Social pela Universidade Estadual do Ceará - UECE (2000). Especialização em Serviço Social, Políticas Públicas e Direitos Sociais pela Universidade Estadual do Ceará - UECE (2006). Especialização em Gerontologia pela Faculdade Ateneu - FATE (2013). Tem experiência na área de políticas públicas, com ênfase na assistência social e educação, atuando principalmente nos seguintes temas: violência, velhice, gênero, educação ambiental e Relações Étnico-Raciais.
Ana Maria Eugênio da Silva, Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-brasileira- UNILAB
Mestranda  em Humanidades pela Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-brasileira - UNILAB.  Graduada em serviço Social pela Universidade Estadual do Ceará e Graduanda em Antropologia pela UNILAB. Integra o movimento Quilombola
José Gerardo Vanconcelos, UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ
Professor Titular de Filosofia da Educação da Faculdade de Educação, da Universidade Federal do Ceará. Possui Licenciatura em Filosofia pela Universidade Estadual do Ceará (1988), Bacharelado em Filosofia Política pela Universidade Estadual do Ceará (1989), Especialização em Filosofia Política pela Universidade Estadual do Ceará (1990), Mestrado em Sociologia pela Universidade Federal do Ceará (1993), Doutorado em Sociologia pela Universidade Federal do Ceará (1997), Pós-Doutorado em Artes Cênicas, pela Escola de Teatro, da Universidade Federal da Bahia (2002), Pós-Doutorado em Educação pela Universidade Federal da Paraíba (2011 - 2012), Pós-Doutorado em História da Educação pelo Centro de Educação, da Universidade Federal do Rio Grande do Norte ( 2015 - 2016 ).Tutor do PET Pedagogia da UFC (2010-2015). É líder do Grupo de Pesquisa de História e Memória da Educação do CNPq - NHIME. Tem experiência na área de Educação, com ênfase em Filosofia da Educação, História da Educação e Antropologia da Educação, atuando principalmente nos seguintes temas: Filosofia da Educação Contemporânea (Nietzsche e Foucault) e História e Memória da Educação (Biografias de Educadores do século XX e XXI/ Narrativas de mulheres educadoras militantes no contexto do pós-1964) e Antropologia da Educação (disciplinamento do corpo, sexualidade, práticas de escrita na cadeia e cultura negra/capoeira).

Referências

ALMEIDA, Gildênia Moura de Araújo. Capitão Duarte: caminhos em terras cearenses com educação, imprensa e amor proibido. In: MACHADO, Charliton José dos Santos (Org.). Desafios da escrita biográfica: experiências de pesquisa. Fortaleza: UECE, 2018. p. 40-58.

BEAUVOIR, Simone. O segundo sexo. São Paulo: Difusão Europeia, 1967.

BRASIL. Políticas de promoção de equidade em Saúde. Brasília, DF: Ministério da Saúde, 2007.

BRASIL. Políticas de promoção de equidade em Saúde. Brasília, DF: Ministério da Saúde, 2013.

BRASIL. Portaria n. 874, de 16 de maio de 2013. Institui a Política Nacional para a Prevenção e Controle do Câncer na Rede de Atenção à Saúde das Pessoas com Doenças Crônicas no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 17 maio 2013.

BUENO, Belmira Oliveira. O método autobiográfico e os estudos com histórias de vida de professores: a questão da subjetividade. Revista Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 28, n. 1, p. 11-30, 2002. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1517-97022002000100002&script=sci_abstract&tlng=pt Acesado em: 15 jul. 2019.

CORREIO NAGÔ. Câncer de mama: 3 coisas sobre mulheres negras. Correio Nagô: informação do seu jeito, 201-. Disponível em: <https://correionago.com.br/portal/cancer-de-mama-3-coisas-sobre-mulheres-negras/>. Acesso em: 14 ago. 2019.

CUNHA, Fernanda Ielpo. Mercado de trabalho informal e família: uma análise sobre a esfera pública e privada numa perspectiva das mulheres de baixa renda do Parque Araturi- Caucaia. 2000. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Serviço Social) – Programa de Graduação em Serviço Social, Universidade Estadual do Ceará, Fortaleza, 2000.

DAL-FARRA, Rossano André; GEREMIA, César. Educação em saúde e espiritualidade: proposições metodológicas. Revista Brasileira de Educação Médica, Brasília, DF, v. 34, n. 4, p. 587-597, 2010. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-55022010000400015 Acesado em: 15 jul. 2019.

DOMINGOS, Luís Tomás. Entre estigmas e traumas de violência de colonização e escravidão: afirmação de identidade afrodescendente. São Leopoldo: EST, 2017.

GOLDENBERG, Mirian. A arte de pesquisar: como fazer pesquisa qualitativa em Ciências Sociais. 8. ed. Rio de Janeiro: Record, 2004.

MACHADO, Moreira Natália. Compreendendo os principais desafios do adolescente com câncer atendido pelo Hospital Peter Pan. Fortaleza: [s.n.], 2015.

MEDEIROS, Keytyane, Câncer de mama não vê cor? Mulheres negras têm mais chances de desenvolver a doença. 2018. Disponível em: . Acesso em: 1º mar. 2018.

MINAYO, Maria Cecília de Souza. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 8. ed. São Paulo: Hucitec, 2004.

OLINDA, Ercília Maria Braga de; SOUSA, Elaine Freitas de. Pensando o conceito de espiritualidade a partir das narrativas dos professores de Ensino Religioso. In: MATOS, Kelma Socorro Lopes de (Org.). Cultura de paz, educação e espiritualidade. Fortaleza: UFC, 2015. p. 237-252.

PENSESUS. Reforma Sanitária. PenseSUS, 201-. Disponível em: <https://pensesus.fiocruz.br/reforma-sanitaria>. Acesso em: 14 ago. 2019.

ROCHA, Iana Miranda Gorito da; ALMEIDA, Paulo César Toledo de; RIBEIRO, Juliana Fernandes de Souza. Seios, anseios e perdas: o corpo feminino e o câncer de mama como alvo de investimentos subjetivos. Revista Mosaico, Vassouras, v. 4, n. 1, p. 5-10, 2013. Disponível em: http://editora.universidadedevassouras.edu.br/index.php/RM/article/view/160 Acesado em: 15 jul. 2019.

SANTOS, Vanessa Sardinha dos. “Outubro Rosa”. Brasil Escola. Disponível em: <https://brasilescola.uol.com.br/datas-comemorativas/outubro-rosa.htm>. Acesso em: 14 ago. 2019.

SIGNIFICADO do nome. Ana. Significado do Nome. 201-. Disponível em: <https://www.significadodonome.com/ana/>. Acesso em: 14 ago. 2019.

SILVA, Ana Maria Eugênio. Enfrentamento e superação do câncer de mama: narrativa autobiográfica de uma mulher negra quilombola. 2018. 56f. Trabalho de Conclusão de Curso – (Graduação em Serviço Social) – Programa de Graduação em Serviço Social, Universidade Estadual do Ceará, Fortaleza, 2018.

SILVA, Cristiane Sousa da. Do Quilombo Sítio Veiga à universidade: uma experência extensionista antirracista no sertão central cearense. 2018. 196f. Tese (Doutorado em Educação Brasileira) – Programa de Pós-Graduação em Educação Brasileira, Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, 2018.

SOUZA, Elizeu Clementino de. (Auto)biografia, histórias de vida e práticas de formação. In: NASCIMENTO; Antônio Dias; HETKOWSKI, Tânia Maria (Org.). Memória e formação de professores. Salvador: UFBA, 2007. p. 137-156.

VIEIRA, Ana Beatriz Duarte; MONTEIRO, Pedro Sadi. Comunidade quilombola: análise do problema persistente do acesso à saúde, sob o enfoque da Bioética de Intervenção. Saúde em Debate, Rio de Janeiro, v. 37, n. 99, p. 610-618, 2013. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0103-11042013000400008&script=sci_abstract&tlng=pt Acesado em: 15 jul. 2019.

Publicado
2020-06-28
Métricas
  • Visualizações do Artigo 348
  • PDF downloads: 287
Como Citar
CUNHA, F. I. DA; SILVA, A. M. E. DA; VANCONCELOS, J. G. Ana Maria Eugênio Da Silva: uma quilombola que venceu o câncer escrevendo e dançando com São Gonçalo. Revista Brasileira de Pesquisa (Auto)biográfica, v. 5, n. 13, p. 277-293, 28 jun. 2020.