Ser babá do outro lado do oceano: cuidar dos filhos de outra família, outra língua, outra terra

  • Carolina Chagas Kondratiuk Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo Université Paris 8 Vincennes-Saint-Denis
  • Marcos Garcia Neira Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo http://orcid.org/0000-0003-1054-8224
Palavras-chave: Corpo, Educação Informal, Migração, História de Vida.

Resumo

O artigo apresenta os resultados de uma pesquisa que objetiva elucidar os processos educativos informais envolvidos no cuidado profissional doméstico de crianças em contextos migratórios, como estes são vivenciados no plano da corporeidade. Dentro do referencial teórico-metodológico da pesquisa biográfica em educação, constrói-se a partir de narrativas de vida de mulheres brasileiras que atuam ou atuaram como babás na França. Os corpos dessas mulheres, sensíveis à experiência de si, do outro e do mundo, carregam marcas da própria trajetória enquanto se ocupam dos corpos infantis sob seus cuidados. Assim sendo, seus relatos, permeados pela condição corporal, oferecem elementos valiosos para a compreensão de facetas até então inexploradas do cuidado profissional de crianças em ambiente doméstico, quando este é desempenhado num contexto de imersão em diferenças linguísticas, econômicas e socioculturais. A análise, desenvolvida a partir de uma perspectiva hermenêutica, lança luz sobre dinâmicas de aprendizagem implicadas no trabalho de cuidado doméstico de crianças nas quais o corpo é, ao mesmo tempo, receptor e vetor. Por fim, a escuta à sua voz abriu, para as colaboradoras, um espaço de formação de si, um convite a atribuir sentidos à existência e fortalecer a própria atuação no mundo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Carolina Chagas Kondratiuk, Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo Université Paris 8 Vincennes-Saint-Denis

Doutoranda em Educação pela Universidade de São Paulo e pela Université Paris 8, em convênio internacional de dupla titulação, possui Licenciatura em Pedagogia pela Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo (2006) e Mestrado em Educação pela mesma instituição (2012). Atualmente, tem se dedicado à pesquisa biográfica com educadores da infância, numa perspectiva que compreende o corpo como lugar de inscrição cultural e construção identitária.

Marcos Garcia Neira, Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo
Licenciado em Educação Física e Pedagogia, Mestre e Doutor em Educação com Pós-doutorado em Educação Física e Currículo e Livre-docência em Metodologia do Ensino de Educação Física. É Professor Titular da Faculdade de Educação da USP, coordenador do Grupo de Pesquisas em Educação Física escolar e Bolsista de Produtividade em Pesquisa do CNPq.

Referências

APPADURAI, Arjun. Disjuncture and difference in the global culture economy. In: LECHNER, Frank J.; BOLI, John. (Orgs.). The Globalization Reader. 2. ed. Malden, Oxford, Victoria: Blackwell, 2004.

ATELY-VOL, Marie-Willye. Corps Tout-Monde. Paris: Téraèdre, 2017.

BERNARD, Michel. Le corps. Paris: Jean-Pierre Delange, 1976.

BRITES, Jurema. Afeto e desigualdade: gênero, geração e classe entre empregadas domésticas e seus empregadores. Cadernos Pagu, Campinas, Núcleo de Estudos de Gênero Pagu, n. 29, p. 91-109, jul./dez. 2007. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/cpa/n29/a05n29.pdf>. Acesso em: 17 mai. 2017.

BUENO, B. et al. Histórias de vida e autobiografias na formação de professores e profissão docente (Brasil, 1985-2003). Revista Educação e Pesquisa, São Paulo, Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo, v. 32, n. 2, p. 385-410, mai./ago. 2006.

CHAMOUX, A. F. (Org.). Domestic service and the formation of european identity: understanding the globalization of domestic work, 16th-21st centuries. Bern: Peter Lang, 2004.

COROSSACZ, Valeria Ribeiro. Relatos de branquitude entre um grupo de homens brancos do Rio de Janeiro. Revista Crítica de Ciências Sociais, Coimbra, Centro de Estudos Sociais da Universidade de Coimbra, n. 105, p. 43-64, 2014.

DE CERTEAU, M. A invenção do cotidiano, artes de fazer. V. 1. 7. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2002.

DELORY-MOMBERGER, Christine. De la recherche biographique em éducation: fondements, méthodes, pratiques. Paris: Téraèdre, 2014.

______. (Org.). Éprouver le corps: corps appris, corps apprenant. Paris: Érès, 2016.

______. Aula ministrada no curso Questions theoriques/Questions de recherche, na Maison des Sciences de l’Homme da Université Paris 13 Sorbonne Paris Cité, 2017.

______; HESS, Remi. Le sens de l’histoire: moments d’une biographie. Paris: Economica, 2001.

DEWEY, John. Vida e educação. São Paulo: Melhoramentos, 1971.

FOUCAULT, Michel. História da sexualidade V. II: O uso dos prazeres. 12. ed. Rio de Janeiro: Graal, 2007.

HOCHSCHILD, A. R. Le nouvel or du monde. Nouvelles questions féministes, Lausanne, Suisse, Antipodes, 23(3), p. 59-74, 2004.

HUSSERL, Edmund. Méditations cartésiennes: introduction à la phenomenologie. Paris: Vrin, 1998.

IBOS, Catherine. Qui gardera nos enfants? Les nounous et les mères. Paris: Flammarion, 2012.

LAN, Pei-Chia. Global Cinderellas: migrant domestics and newly rich employers in Taiwan. Durham, London: Duke University Press, 2006.

LE BRETON, David. La sociologie du corps. Paris: PUF, 1992.

______. La chair à vif: de la leçon d’anatomie aux greffes d’organes. Paris: Éditions Métailié, 2008.

______. Éclats de voix: une anthropologie des voix. Paris: Éditions Métailié, 2011.

LEVINAS, Emmanuel. Autrement qu’être ou au-delà de l’essence. Paris: Le Livre de Poche, 1990.

MARZANO, Michela. (Org.). Dictionnaire du corps. Paris: PUF, 2013.

MARZANO, Michela. Penser le corps. Paris: PUF, 2008.

MAZÉ, Elinor A. The uneasy page: transcribing and editing Oral History. In: CHARLTON, Thomas L. et al. (Orgs.). Handbook of Oral History. Lanhan: Altamira Press, 2006. p. 237-273.

MEIHY, José Carlos Sebe Bom. Manual de história oral. 5. ed. São Paulo: Loyola, 1996.

MEIHY, José Carlos Sebe Bom; HOLANDA, Fabiola. História oral: como fazer como pensar. 2. ed. São Paulo: Editora Contexto, 2011.

NEIRA, Marcos Garcia; NUNES, Mário Luiz Ferrari. Educação Física, currículo e cultura. São Paulo: Phorte, 2009.

NÓVOA, A. Relação escola – sociedade: novas respostas para um velho problema. In: SERBINO, R. V. et al. (Orgs.). Formação de professores. São Paulo: UNESP, 1994. p. 19-40.

PAGE, S. El participante invisible: el papel del transcriptor. Revista História Oral, São Paulo, Núcleo de Estudos em História Oral, v. 7, n. 1, p. 61-75, 2004.

PASSEGGI, M. C.; CÂMARA, S. C. X. Memorial autobiográfico: uma tradição acadêmica no Brasil. In: SOUZA, E. C.; PASSEGGI, M. C.; VICENTINI, P. P. (Orgs.). Pesquisa (auto)biográfica: narrativas de si e formação. Curitiba: CRV, 2013. p. 29-47.

PINEAU, G. As histórias de vida em formação: gênese de uma pesquisa-ação-formação existencial. Revista Educação e Pesquisa, São Paulo, Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo, v. 32, n. 2, p. 329-343, mai./ago. 2006.

ROMERO, M. Nanny Diaries and Other Stories: Immigrant Women's Labor in the Social Reproduction of American Families. Revista de Estudios Sociales, Bogotá, Universidad de Los Andes, Facultad de Ciencias Sociales, n. 45, p. 186-197, jan. 2013. Disponível em: http://www.scielo.org.co/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0123-885X2013000100015&lng=en&nrm=isso>. Acesso em: 28 mar. 2017.

SAHOUI, Sofiane. Mesa redonda Acuellir, être acueilli, organizada por Le sujet dans la Cité, Paris, no 27e Salon de la Revue, nov. 2017.

SANT’ANNA, Denise Bernuzzi de. Corpos de passagem: ensaios sobre a subjetividade contemporânea. São Paulo: Estação Liberdade, 2001.

SANTOS, Andrea Paula dos. Corporeidades, oralidades e discursos de memórias frente às tecnologias de informação e comunicação. Revista Oralidades, São Paulo, Núcleo de Estudos em História Oral, Universidade de São Paulo, ano 5, n. 10, p. 31-52, jul./dez. 2011.

SOARES, Carmen Lucia. Corpo, conhecimento e educação: notas esparsas. In: SOARES, Carmen Lucia. (Org.). Corpo e história. 2. ed. Campinas, SP: Autores Associados, 2004. p. 109-129.

SHARPLESS, Rebecca. The history of Oral History. In: CHARLTON, Thomas L. et al. Handbook of Oral History. Lanhan: Altamira Press, 2006. p. 19-42.

VIGARELLO, Georges et. al. Prefácio à história do corpo. In: ______. História do corpo: da Renascença às Luzes. 2. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2008. p. 7-14.

WULF, Christoph. Mimesis et apprentissage culturel. Le Télémaque, Presses Universitaires de Caen, n. 15, p.123-136, jun. 2014.

______. et al. Penser les pratiques sociales comme rituels: ethnographie et genèses de communauté. Paris: L’Harmattan, 2004.

Publicado
2018-09-14
Métricas
  • Visualizações do Artigo 378
  • PDF downloads: 559
Como Citar
KONDRATIUK, C. C.; NEIRA, M. G. Ser babá do outro lado do oceano: cuidar dos filhos de outra família, outra língua, outra terra. Revista Brasileira de Pesquisa (Auto)biográfica, v. 3, n. 8, p. 686-710, 14 set. 2018.