George Butler e a secularização no Maranhão da transição republicana (1885-1892)

  • Rogério de Carvalho Veras UFMA
Palavras-chave: Protestantismo. Biografia. Secularização

Resumo

Trata-se da história do médico e missionário protestante, George William Butler, no período da introdução do protestantismo no Maranhão, em época de transição da Monarquia à República. Embora se conheça a importância da inserção protestante para o processo de laicização do Estado no Brasil, há ainda a necessidade de compreender como essas transformações macrossociais foram vivenciadas no nível microssocial pelos agentes históricos. O objetivo aqui é, a partir da vida deste missionário, entender, sob um novo prisma, as mudanças nos fluxos e refluxos do processo de secularização, no extremo norte do Império. Para tal, serão úteis as contribuições da micro-história, especialmente sua noção de agência e algumas correlações entre insights da antropologia política e acontecimentos da vida de George Butler. Compreende-se que sua trajetória revela as tensões resultantes das coerções e contradições de uma ordem social em crise.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

REFERÊNCIAS

BANDEIRA, Abderval P. Igreja Presbiteriana de São Luís: um século de lutas e vitórias –subsídios históricos. São Luís, 1986.

FERREIRA, Edijéce M. A bíblia e o bisturi. 2. ed. São Paulo: Casa Editora Presbiteriana, 1987.

FERREIRA, Júlio Andrade. História da Igreja Presbiteriana do Brasil. v. 1. São Paulo: Casa Editora Presbiteriana, 1959.

GLUCKMAN, Max. Análise de uma situação social na Zululândia moderna. In: FELDMAN-BIANCO, B. (Org.). Antropologia das sociedades contemporâneas. São Paulo: Global, 1987. p. 277-344.

KUSCHNIR, Karina. Antropologia e política. Revista Brasileira de Ciências Sociais, v. 22, n. 64, p. 163-167, 2007.

LÉONARD, Émile-Guillaume. O protestantismo brasileiro: estudo de eclesiologia e história social. 2. ed. Rio de Janeiro: JUERP; São Paulo: ASTE, 1981.

LEVI, Giovanni. Usos da biografia. In: AMADO, J.; FERREIRA, M. (Orgs.). Usos e abusos da história oral. 7. ed. Rio de Janeiro: FGV, 2005. p. 167-182.

MARQUES, César Augusto. Dicionário Histórico-Geográfico da Província do Maranhão. 3. ed. São Luís: Edições AML, 2008.

MACAGNO, Lorenzo. Uma antropologia do político? Análise Social, v. XLIX (1º), n. 210, p. 163-189, 2014.

MONTERO, Paula; POMPA, Cristina; ARRUATI, José Maurício. Para uma antropologia do político. Horizonte da política: questões emergentes e agendas de pesquisa, 2012. Disponível em: <http://www.academia.edu/2455734/Para_uma_antropologia_do_pol%C3%ADtico>. Acesso: 15 ago. 2015.

PEREIRA, Lupércio Antônio. Tavares Bastos, a imigração europeia e o lugar das ideias liberais no Brasil. Diálogos, Maringá, v. 16, n. 3, p. 1085-1110, set./dez. 2012. Disponível em: <http://www.redalyc.org/articulo.oa?id=305526887011>. Acesso: 20 ago. 2015 (on-line)

RIBEIRO, Boanerges. Protestantismo no Brasil Monárquico 1822-1888: aspectos culturais de aceitação do protestantismo no Brasil. Pioneira: São Paulo, 1973.

REIS, Flávio A. M. Grupos políticos e estrutura oligárquica no Maranhão (1850/1930). São Luís: [s.n.], 2007.

SANTOS, Lyndon de Araújo. As outras faces do sagrado: protestantismo e cultura na Primeira República Brasileira. São Luís: Edufma; São Paulo: Ed. ABHR, 2006.

VIEIRA, David Gueiros. O protestantismo, a maçonaria e a questão religiosa no Brasil. Brasília, DF: Ed. da UNB, 1980.

VIVEIROS, Jerônimo de. História do comércio do Maranhão 1612 a 1895. São Luís: Associação Comercial do Maranhão, 1954.

Métricas
  • Visualizações do Artigo 423
  • PDF downloads: 496
Como Citar
VERAS, R. DE C. George Butler e a secularização no Maranhão da transição republicana (1885-1892). Revista Brasileira de Pesquisa (Auto)biográfica, v. 1, n. 1, p. 149-161, 11.