AUTO-HERMENÊUTICA EM ENTREVISTAS AUTOBIOGRÁFICAS

  • Patrícia Claudia da Costa UFV/USP
Palavras-chave: Entrevista autobiográfica. Auto-hermenêutica. Pierre Bourdieu

Resumo

Este artigo analisa alguns “efeitos colaterais” provocados por entrevistas de natureza autobiográfica, tendo como base de dados 31 entrevistas, realizadas durante uma pesquisa sobre a trajetória de docentes universitários, e a “auto-hermenêutica” como noção norteadora. Trata-se de um tipo de processo reflexivo no qual o entrevistado elabora conteúdos que o levam a analisar sua trajetória, em uma dupla perspectiva: subjetivando as experiências que seleciona para relatar e objetivando a si próprio como sujeito socio-histórico. O resultado desse processo se manifesta na tomada de consciência sobre possibilidades e desafios – pessoais e profissionais, presentes ou previstos no porvir – o que, por sua vez, gera novas tomadas de posição do sujeito, enquanto agente social. O objetivo da análise, pautada na teoria bourdieusiana, é explicitar um dos aspectos da dimensão formativa das entrevistas, que se estruturam em temas essencialmente autobiográficos, no que tange à percepção dos entrevistados sobre fatos, valores, conhecimentos, experiências e sentidos, que afloram nos discursos em situação de entrevista. Conclui-se que o ato de falar de si corresponde a uma oportunidade epistêmica de feições hermenêuticas, à medida que o sujeito reconhece a própria capacidade de reelaborar alguns aspectos de sua trajetória, inclusive com vistas a reordenar seus rumos, com base na reflexão sobre as condições reconhecidas. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Referências

BOURDIEU, Pierre. Leçon sur la leçon. Paris: Éditions de Minuit, 1982.

__________. As regras da arte: gênese e estrutura do campo literário. Tradução Maria Lúcia Machado. 2. ed. São Paulo: Companhia das Letras, 2005.

__________. Meditações pascalianas. Tradução Sérgio Micelli. 2. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2007.

__________. A miséria do mundo. Tradução Mateus S. Soares Azevedo; Jaime A. Clasen; Sérgio H. de Freitas Guimarães; Marcus Antunes Penchel; Guilherme J. de Freitas Teixeira; Jairo Veloso Vargas. 8. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2008a.

__________. A economia das trocas linguísticas: o que falar quer dizer. Tradução Sérgio Micelli. 2. ed. São Paulo: EDUSP, 2008b.

__________. Os três estados do capital cultural. In: NOGUEIRA, Maria Alice; CATANI, Afrânio M. (Orgs.). Escritos de Educação. 14. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2013. p. 79-88.

COSTA, Patrícia Claudia da. Ilusão biográfica: a polêmica sobre o valor das histórias de vida na sociologia de Pierre Bourdieu. Revista Linhas, Florianópolis, v. 16, n. 32, p. 51-71, set./dez. 2015.

DELORY-MOMBERGER, Christine. Le récit de vie de la production à la réception: une éducation de soi. In: DELORY-MOMBERGER, Christine; HESS, Remi. Le sens de l’histoire: moments d’une biographie. Paris: Anthropos, 2001. p. 4-31.

POLLACK, Michael. La gestion de l’indicible. Actes de la recherche en sciences sociales, v. 62-63, p. 30-53, juin 1986.

RICOEUR, Paul. O si-mesmo como um outro. Tradução de Luci Moreira Cesar. Campinas, SP: Papirus, 1991.

ROSA, João Guimarães. Grande sertão: veredas. São Paulo: Nova Fronteira, 2001.

Métricas
  • Visualizações do Artigo 619
  • PDF downloads: 549
Como Citar
COSTA, P. C. DA. AUTO-HERMENÊUTICA EM ENTREVISTAS AUTOBIOGRÁFICAS. Revista Brasileira de Pesquisa (Auto)biográfica, v. 1, n. 1, p. 75-88, 11.