Transcriação e construção de um papel educativo: a abordagem biográfica na formação de babás

Palavras-chave: Pesquisa (auto)biográfica, Interculturalidade, Formação de babás

Resumo

Este artigo tem o objetivo de investigar as potencialidades dos dispositivos biográficos na formação de babás. Para tanto, apoia-se numa pesquisa realizada com babás migrantes, brasileiras que trabalham na França, desenvolvida com base nos fundamentos teórico-metodológicos da pesquisa (auto)biográfica e da história oral. A hermenêutica das narrativas de vida que compõem o corpus de tal estudo traz à luz a centralidade dos processos de biografização, colocados em ação pelas profissionais do cuidado infantil no ato de narrar a experiência vivida. Conclui-se que o papel social de educadoras informais da infância é construído por essas trabalhadoras do care a partir do estabelecimento de relações entre, de um lado, seus percursos vividos e os saberes a partir deles adquiridos e, de outro, as culturas – familiares, linguísticas, nacionais etc. – com as quais se deparam nos lares que constituem seu ambiente de trabalho. Nesse espaço intersticial, a abordagem biográfica se configura como pesquisa-formação, na medida em que convida essas mulheres a assumir o papel de “pesquisadoras de si”, a construir sentidos ao vivido, tomar consciência de suas reservas de saberes biográficos, lidar com as proximidades e distanciamentos presentes no encontro intercultural com as crianças e famílias empregadoras, agenciar temporalidades e projetar-se em direção a um porvir. Reconhecida em sua dimensão transcriativa, a operação de colocar em palavras aquilo que é da ordem do não dito, do experienciado, revela-se como potente ferramenta de formação de babás-educadoras-da-infância e inscreve-se numa perspectiva de valorização de saberes invisibilizados.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Carolina Kondratiuk , Université Paris 8 e GIS Le sujet dans la Cité, Sorbonne Paris Nord - Campus Condorcet

Doutora em Educação com dupla titulação pela Universidade de São Paulo (USP) e pela Université Paris 8, possui licenciatura em Pedagogia pela Faculdade de Educação da USP e mestrado em Educação pela mesma instituição. É pesquisadora associada ao Gis Le sujet dans la Cité, Sorbonne Paris Nord – Campus Condorcet, e ao Laboratório Centre interdisciplinaire de recherche “Culture, Éducation, Formation, Travail” (CIRCEFT) (EA4384), Universidade Paris 8.

Referências

ALHEIT, Peter; DAUSIEN, Bettina. Processus de formation et apprentissage tout au long de la vie. L’Orientation scolaire et professionnelle, n. 34/1, p. 57–83, 2005. Disponível em: https://journals.openedition.org/osp/563 Acesso em: 12 dez. 2021
ALHEIT, Peter; DAUSIEN, Bettina. Apprentissage biographique. In: DELORY-MOMBERGER, Christine. (org.) Vocabulaire des histoires de vie et de la recherche biographique. Paris: Érès, 2019. p. 19-22.
BAUMAN, Zygmunt. Liquid modernity. Cambridge, UK: Malden, MA: Polity Press; Blackwell, 2000.
BHABHA, Homi. O local da cultura. Belo Horizonte: UFMG, 1998.
BOURGUIGNON, Jean-Claude; DELORY-MOMBERGER, Christine. Médialités biographiques, pratiques de soi et du monde. Le sujet dans la cité, v. Actuels 9, n. 1, p. 17-26, 2020. Disponível em: https://www.cairn.info/revue-le-sujet-dans-la-cite-2020-1-page-17.htm Acesso em: 12 dez. 2021
BENJAMIN, Walter. A tarefa-renúncia do tradutor. In: HEIDERMANN W. (dir.). Clássicos da teoria da tradução Florianópolis: USFC Núcleo de Tradução, 2001. p. 189-215.
CAFFARI, Raymonde. (Dir.) Du soin et du relationnel entre professionel et enfant: Reccueil d’articles de l’Institut Pikler - 1. Toulouse: Érès, 2017.
CALDAS, Alberto Lins. Transcriação em História Oral. Neho-História, n. 1, p.71-79, 1999. Disponível em: http://www.albertolinscaldas.unir.br/transcriacao.html. Acesso em: 12 dez. 2021
CAMPOS, Haroldo de; PAZ, Octavio. Transblanco: en torno a Blanco de Octavio Paz. São Paulo : Siciliano, 1994.
DELORY-MOMBERGER, Christine. Histoire de vie et recherche biographique en éducation. Paris: Economica, 2005.
DELORY-MOMBERGER, Christine. Formation et apprentissage biographique. Penser l’éducation, n.19, p. 39-49, jun. 2006. Disponível em: http://cirnef.normandie-univ.fr/wp-content/uploads/2020/02/UFR_Penser_Education19.pdf. Acesso em: 12 dez. 2021
DELORY-MOMBERGER, Christine. De la recherche biographique em éducation : fondements, méthodes, pratiques. Paris: Téraèdre, 2014.
FABRE, Michel. Bildung. In: DELORY-MOMBERGER, Christine. (org.) Vocabulaire des histoires de vie et de la recherche biographique. Paris: Érès, 2019. p. 197-200.
HALL, Stuart. A identidade cultural na pós-modernidade. Rio de Janeiro: DP&A, 2005.
KONDRATIUK, Carolina. “Só” cuidar? Corpo sensível e aprendizagem no cuidado doméstico de crianças. 2021. 477 f. Tese (Doutorado em Educação). São Paulo, Paris: Programa de Pós-Graduação da Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo e Laboratoire CIRCEFT, Université Paris 8.
KONDRATIUK, Carolina; NEIRA, Marcos Garcia. O corpo a corpo na relação educativa entre babá e criança: uma revisão da literatura / The meeting of bodies in the educational relation between nanny and child: a literature review. Pro-Posições, Campinas, v. 31, p. e20170161, 2020. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/proposic/article/view/8660722. Acesso em: 12 dez. 2021
MACÉ, Marielle. Styles: critique de nos formes de vie. Paris: Gallimard, 2016.
MEIHY, José Carlos Sebe Bom. Manual de História Oral. 5 ed. São Paulo: Loyola, 1996.
MEIHY, José Carlos Sebe Bom; HOLANDA, Fabíola. História Oral como fazer como pensar. 2. ed. São Paulo: Contexto, 2007.
MEIHY, José Carlos Sebe Bom; RIBEIRO, Suzana L. Salgado. Guia prático de história oral: para empresas, universidades, comunidades, famílias. São Paulo: Contexto: 2011.
PASSEGGI, Maria da Conceição. A experiência em formação. Educação, Porto Alegre, v. 34, n. 2, p. 147-156, maio/ago. 2011. Disponível em: https://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/faced/article/view/8697. Acesso em: 12 dez. 2021
PASSEGGI, Maria da Conceição. Narrativas da experiência na pesquisa-formação: do sujeito epistêmico ao sujeito biográfico. Roteiro, Joaçaba, v. 41, n. 1, p. 67-86, jan./abr. 2016. Disponível em: https://portalperiodicos.unoesc.edu.br/roteiro/article/view/9267 Acesso em: 12 dez. 2021
PINEAU, Gaston. Les histoires de vie comme art formateur de l’existence. Pratiques de formation/Analyses, 31, p. 65-80, 1996.
SAYÃO, Déborah Thomé. Não basta ser mulher... não basta gostar de crianças... “Cuidado/educação” como princípio indissociável na Educação Infantil. Educação, Santa Maria, v. 35, n. 1, p. 69-84, jan./abr. 2010. Disponível em: https://periodicos.ufsm.br/reveducacao/article/view/1604 Acesso em: 12 dez. 2021
SOUZA, Elizeu Clementino de. A arte de contar e trocar experiências: reflexões teórico-metodológicas sobre história de vida em formação. Revista Educação em Questão, Natal, v. 25, n. 11, p. 22-39, jan. / abr. 2006. Disponível em: https://periodicos.ufrn.br/educacaoemquestao/article/view/8285 Acesso em: 12 dez. 2021
SCHULZE, Theodor. Strukturen und Modalitäten biographischen Lernens: eine Untersuchung am Beispiel der Autobiographie von Marc Chagall. Zeitschrift für qualitative Bildungs-, Beratungs- und Sozialforschung, 6(1) , p. 43-64, 2005. Disponível em: https://www.ssoar.info/ssoar/handle/document/27917 Acesso em: 12 dez. 2021
SPITZ, René Arpad; COBLINER, W. Godfrey. De la naissance à la parole: la première année de la vie. Paris : PUF, 2002.
WULF, C. Interculturalité. In : Delory-Momberger, C. (dir.) Vocabulaire des histoires de vie et de la recherche biographique. Paris : Érès, 2019. p. 426-432.
Publicado
2022-05-14
Métricas
  • Visualizações do Artigo 122
  • pdf downloads: 577
Como Citar
KONDRATIUK , C. Transcriação e construção de um papel educativo: a abordagem biográfica na formação de babás. Revista Brasileira de Pesquisa (Auto)biográfica, v. 7, n. 20, p. 130-144, 14 maio 2022.