Amor entre mulheres: afetividades e violência no contexto prisional

Palavras-chave: Encarceramento feminino, Sexualidade, Violência

Resumo

Neste artigo, refletimos sobre as possibilidades da existência de amor e afeto nas relações entre mulheres encarceradas como elemento potente para pensar as representações de poder e violência operadas pelo Estado, a partir de narrativas de mulheres que cumprem pena restritiva de liberdade no Presídio Feminino Talavera Bruce, na cidade do Rio de Janeiro. As narrativas dessas mulheres, feitas por meio de entrevistas, configuram os significados que podem indicar a intervenção violenta do Estado sobre essas relações através de diversos atores que trabalham no presídio. As relações não heterossexuais são comuns nesses espaços institucionais e, ao problematizarmos as representações de corpos e práticas que fogem à norma heterossexual, acendem uma série de suposições quanto às identidades de gênero e orientação sexual, no entanto, rompem fronteiras e convocam seu (re)conhecimento não só naquele espaço, como também em todas as esferas da sociedade. Nas fissuras das narrativas desse universo, foi possível mostrar para além do senso comum que tais relações se constituem por motivos diversos entre os quais o afeto, o amor, a solidariedade e também interesses de ordens diversas, o que é comum nas narrativas de agentes penitenciários e outros trabalhadores do presídio a respeito de tais relações.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Andréa de Freitas Paixão, Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro

Mestre em Ciências Sociais pela Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ).

Referências

BARCINSKI, Mariana. Mulheres no tráfico de drogas: a criminalidade como estratégia de saída da invisibilidade social feminina. Contextos Clínicos, São Leopoldo, v. 5, n. 1 , p. 52-61, 2012a. Disponível em: << http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1983-34822012000100007>>. Acesso em: 13 nov. 2021.

BARCINSKI, Mariana. Expressões da homossexualidade feminina no encarceramento: o significado de se “transformar em homem” na prisão. Psico-USF, Bragança Paulista, v. 17, n. 3, p. 437-446, set./dez. 2012b. Disponível em: << https://www.scielo.br/j/pusf/a/JbQvcF93RbCPpZ7hyzYxb5c/?lang=pt>>. Acesso em: 15 jan. 2022.

BARCINSKI, Mariana. Centralidade de gênero no processo de construção da identidade de mulheres envolvidas na rede do tráfico de drogas. Ciênc. saúde coletiva [on-line]. v. 14, n. 5, p. 1843-1853, 2009a. Disponível em: << http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232009000500026>>. Acesso em: 26 dez. 2021.

BARCINSKI, Mariana. “Presídio de Mulheres”: as origens e os primeiros anos de estabelecimento. São Paulo, 1930-1950. Anais da ANPUH – XXV SIMPÓSIO NACIONAL DE HISTÓRIA – Fortaleza, 2009b. Disponível em: http://anais.anpuh.org/wp-content/uploads/mp/pdf/ANPUH.S25.0925.pdf. Acesso em: 19 jan. 2021.

BECKER, Howard S. Outsiders: estudos de sociologia do desvio. Rio de Janeiro: Zahar, 2009.

BRASIL. Presidência da República. Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres. Grupo de Trabalho Interministerial. Reorganização e Reformulação do Sistema Prisional Feminino. Brasília, 2008. 196 p.

BRASIL. Ministério da Justiça. Lei 7.210 de 11 de julho de 1984. Lei de execuções Penais. Brasília, 1984. Disponível em: << http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L7210.htm>>. Acesso em: 22 nov. 2021.

BRASIL. Secretaria de Assuntos Estratégicos da Presidência da República. Relatório final de atividades da pesquisa sobre reincidência criminal. Rio de Janeiro: Ipea. 2015.

BUTLER, Judith. Quadros de guerra: quando a vida é passível de luto?. Tradução Sérgio Tadeu de Niemeyer Lamarão e Arnaldo Marques da Cunha; revisão de tradução de Marina Vargas; revisão técnica Carla Rodrigues. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2015.

BUTLER, Judith. Vida precária. El poder del duelo y la violencia. Buenos Aires: Paidós, 2009.

BUTLER, Judith. Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. Rio de Janeiro: Civilização brasileira, 2003.

CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA. Antropóloga Débora Diniz conta experiência no Presídio Feminino de Brasília. Disponível em: << http://www.cnj.jus.br/noticias/cnj/79820-antropologa-debora-diniz-conta-experiencia-no-presidio-feminino-de-brasilia>>. Acesso em: 10 ago. 2021.

CUNHA, Manuela I. P. A prisão feminina como 'ilha de Lesbos' e 'escola do crime': discursos, representações, práticas. Repositorium. [s.l., s.n.], 1991. Disponível em: <https://repositorium.sdum.uminho.pt/bitstream/1822/5248/3/A%20pris%C3%A3o%20como%20ilha.pdf>. Acesso em: 17 jul. 2021.

DAS, Veena. Fronteiras, violência e o trabalho do tempo: alguns temas wittgensteinianos. Revista Brasileira de Ciências Sociais. v. 14, n. 40, p. 31-42, 1999. Disponível em: https://www.scielo.br/j/rbcsoc/a/rpmgFRcZXxZtBMjL4rYZtjR/?format=pdf&lang=pt Acesso em: 15 jun. 2016.

DINIZ, Debora. Cadeia: relatos sobre mulheres. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2015.

DURKHEIM, Émile. Émile Durkheim: sociologia. Organizador (da coletânea) José Albertino Rodrigues. Tradução Laura Natal Rodrigues. São Paulo: Ática, 1978.

ERIBON, Didier. Reflexões sobre a questão gay. Tradução Procópio Abreu; editor José Nazar. Rio de Janeiro: Companhia de Freud, 2008.

FONSECA, Cláudia. Amor e família: vacas sagradas da nossa época. In: Ivete Ribeiro, Ana Clara T. Ribeiro (orgs). Família em processos contemporâneos: inovações culturais na sociedade brasileira. São Paulo, Loyola, 1995. p.70-86.

FOUCAULT, Michel. Vigiar e punir: nascimento da prisão. 26. ed. Petrópolis: Vozes, 1987.

FOUCAULT, Michel. Microfísica do poder. Rio de Janeiro: Graal, 1979.

GOFFMAN, Erving. Estigma: notas sobre a manipulação da identidade deteriorada. Rio de Janeiro: Editora LTC, 1988.

GOFFMAN, Erving. Manicômios, prisões e conventos. 4. ed., São Paulo: Perspectiva, 2001.

HEILBORN, Maria Luiza Dois é par: gênero e identidade sexual em contexto igualitário. Rio de Janeiro: Garamond, 2004.

LEMGRUBER, Julita. A mulher e o sistema de justiça criminal: algumas notas. Revista Brasileira de Ciências Criminais, São Paulo, v. 9. n. 36, p. 370-382, 2001. Disponível em: https://www.lexml.gov.br/urn/urn:lex:br:rede.virtual.bibliotecas:artigo.revista:2001;1000615845 Acesso em: 17 dez. 2021.

LIMA, Elça Mendonça. Origens da prisão feminina no Rio de Janeiro: o período das freiras (1942 – 1955). Rio de Janeiro: OAB, 1983.

MORAES, Maria Ligia Q. A nova família e a ordem jurídica. Cadernos Pagu, n. 37, 407-425, 2011. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-83332011000200017> Acesso em: 20 out. 2015

OLIVEIRA, Luiz Roberto C. Existe violência sem agressão moral? Revista Brasileira de Ciências Sociais. São Paulo, v. 23, n. 67, p. 135-193, 2008. Disponível em: <<http://www.scielo.br/pdf/rbcsoc/v23n67/10.pdf>>. Acesso em: 17 dez. 2021.

PADOVANI, Natália Corazza. No olho do furacão: conjugalidades homossexuais e o direito à visita íntima na Penitenciária Feminina da Capital. Cadernos Pagu, n. 37, 2011. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-83332011000200007>. Acesso em: 26 maio 2021.

PADOVANI, Natália Corazza. “Perpétuas espirais”: falas do poder e do prazer sexual em trinta anos (1977-2009) na história da Penitenciária Feminina da Capital. - Campinas, SP. 136 p. Dissertação (Mestrado em Antropologia Social) - Programa de Pós-graduação em Antropologia Social, Universidade Estadual de Campinas, Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Caminas, 2010.

PAIXÃO, Andréa F. Encarceramento e afetividades entre mulheres no Presídio Talavera Bruce. 2017. 85 f. Dissertação (Mestrado em Ciências Sociais) - Pós-Graduação em Ciência Sociais, Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, Seropédica/RJ, 2017.

PAIXÃO, Andréa F. Ser ou estar? isto (não) é da minha conta: a face (des) oculta das relações homoafetivas entre mulheres no presídio feminino de Campos dos Goytacazes. 99 p. Monografia (Graduação em Serviço Social) - Faculdade de Serviço Social, Universidade Federal Fluminense, Campos dos Goytacazes, Rio de Janeiro, 2010.

RIO DE JANEIRO. SEAP – Secretaria de Administração Penitenciária. Visita íntima a internos da SEAP. Disponível em: <<http://www.visitanteseap.rj.gov.br/VisitanteSeap/beneficioseregaliasseap/visitaintima.html>>. Acesso em: 28 out. 2021.

RIO DE JANEIRO. SuperDir | SEASDH – Secretaria de Assistência Social e Direitos Humanos. Programa Rio sem Homofobia. Disponível em: <http://www.riosemhomofobia.rj.gov.br/>. Acesso em: 27 jul. 2021.

RUBIN, Gayle. Pensando o sexo: notas para uma Teoria Radical das Políticas da Sexualidade. Tradução de Felipe Bruno Martins Fernandes. Revisão de Miriam Pillar Grossi. USFCar, São Carlos, 2003. Disponível em: http://repositorio.ufsc.br/xmlui/handle/123456789/1582 Acesso em: 15 dez. 2021.

Publicado
2022-05-14
Métricas
  • Visualizações do Artigo 125
  • pdf downloads: 1095
Como Citar
PAIXÃO, A. DE F. Amor entre mulheres: afetividades e violência no contexto prisional. Revista Brasileira de Pesquisa (Auto)biográfica, v. 7, n. 20, p. 82-95, 14 maio 2022.