As correspondências enviadas pelos presos da cadeia da cidade de Goiás na década de 1930

Palavras-chave: Correspondências., Prisioneiros., Cadeia., Cidade de Goiás.

Resumo

O objetivo deste artigo é analisar as correspondências enviadas pelos presos da cadeia da Cidade de Goiás durante a década de 1930, ressaltando o seu potencial para pesquisa. Esse conjunto de documentos está localizado no importante arquivo do Museu das Bandeiras, mais precisamente no Fundo Delegacia Especial de Polícia de Goyaz e encontra-se disponível para consulta e pesquisa. Esperamos que este ensaio possa contribuir para dar publicidade a essa documentação, visando servir de fonte a trabalhos posteriores. O artigo encontra-se dividido em quatro partes: na primeira, apresentamos o Museu das Bandeiras e o seu arquivo; na segunda, aprofundamos no conjunto de documentos relativos às correspondências; na terceira, analisamos as correspondências dos presos enviadas ao delegado; e, por fim, na quarta parte, analisamos as correspondências dos presos enviadas aos amigos e familiares.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rildo Bento de Souza

Doutor em História. Professor Adjunto da Universidade Federal de Goiás, com atuação no curso de bacharelado em Museologia e no Programa de Pós-Graduação em História. 

Milena Bastos Tavares, Museu das Bandeiras

Especialista em Gestão de Arquivos, e em História do Brasil e Região. Graduada em História pela Universidade Estadual de Goiás. Técnica em  Conservação e Restauro. É funcionária do Museu das Bandeiras, responsável pelo arquivo da instituição.

Referências

BARRETO, Paulo Tedim. Casas de Câmara e Cadeia. Revista do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, Brasília, Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, nº 26, p. 362-445, 1997. Disponível em: http://portal.iphan.gov.br/uploads/publicacao/RevPat26_m.pdf Acesso em: 4 fev. 2022.

BASTOS, Maria Helena Camara; CUNHA, Maria Teresa Santos; MIGNOT, Ana Chrystina Venancio (Orgs.). Destino das Letras: história, educação e escrita epistolar. Passo Fundo: Editora UPF, 2002.

BOURDIEU, Pierre. A ilusão biográfica. In: AMADO, Janaína; FERREIRA, Marieta de Moraes (coord.). Usos e abusos da história oral. 8ª edição. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2006. p.183-191.

BRETAS, Genesco Ferreira. História da Instrução Pública em Goiás. Goiânia: Ed. CEGRAF-UFG, 1997.

BULHÕES, Girlene Chagas. Museus para o esquecimento: seletividade e memórias silenciadas nas performances museais. 2017. 193f. Dissertação (Mestrado em Performances Culturais). Programa de Pós-Graduação Interdisciplinar em Performances Culturais, Universidade Federal de Goiás, Goiânia, 2017.

CLAUDINO, Lara Pelhus Gomes. Museologia Social em Museus Convencionais: um estudo de caso na cidade de Goiás. 2017. 127f. Monografia (Bacharelado em Museologia). Faculdade de Ciências Sociais, Universidade Federal de Goiás, Goiânia, 2017.

COELHO, Gustavo Neiva. Iconografia Vila-Boense. Goiânia: Editora UFG, 2013.

FERRARO, Alceu Ravanello; KREIDLOW, Daniel. Analfabetismo no Brasil: configurações e gênese das desigualdades regionais. Revista Educação & Realidade, Porto Alegre, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, nº 29, vol. 2, p. 179-200, dez. 2004. Disponível em: https://seer.ufrgs.br/educacaoerealidade/article/view/25401/14733. Acesso em: 8 fev. 2022.

FOUCAULT, Michel. Ética, sexualidade, política. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2004.

GALVÃO, Walnice Nogueira; GOTLIB, Nádia Battella (Orgs.). Prezado Senhor, prezada senhora: estudos sobre cartas. São Paulo, Companhia das Letras, 2000.

LIMA, Elder Rocha. Guia afetivo da Cidade de Goiás. Goiânia: Iphan-GO, 2017.

MONTIEL, Rosane. Arquivos: memórias vivas de Goiás: a criação de uma instituição de arquivo na cidade de Goiás. Revista de Biblioteconomia de Brasília, Brasília, Universidade de Brasília, v. 21, n. 1, p. 51-77, jan./jun. 1977. Disponível em: http://hdl.handle.net/20.500.11959/brapci/76725. Acesso em: 5 jan. 2022.

MOURA, Nádia Mendes de. Sertões de mar a mar: Goyazes em suas filigranas (c. 1726-1830). 2018. 556f. Tese (Doutorado em Arquitetura e Urbanismo). Programa de Pós-Graduação em Arquitetura e Urbanismo, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2018.

MUSEU DAS BANDEIRAS. Fundo Delegacia Especial de Polícia de Goyaz.

NEPOMUCENO, Tatielle; BOITA, Tony. Apresentação. In: NEPOMUCENO, Tatielle; MORAES, Cristina de Cássia Pereira; BOITA, Tony. Revista Arquivo do Museu das Bandeiras. Jundiaí: Paco Editorial, 2020. P. 5-8. Disponível em: https://drive.google.com/file/d/1Xz_Jdht8kZ3gxeRBwwVQh7Hnd5i-3h4S/view. Acesso em: 7 fev. 2022.

ROSA, Mana Marques. Sistema Museológico: por uma etnografia dos Museus na Cidade de Goiás (GO). 2016. 194f. Dissertação (Mestrado em Antropologia Social). Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social, Universidade Federal de Goiás, Goiânia, 2016.

SCHMITT, Jean-Claude. A História dos Marginais. In: LE GOFF, Jacques. A História Nova. 4ª ed. São Paulo: Martins Fontes, 2001.SILVA, Nancy Helena Ribeiro de Araújo. Tradição e renovação educacional em Goiás. Goiânia: Ed. Oriente, 1981.

SOUZA, Rildo Bento de Souza. Pobreza, doenças e caridade em Goiás: uma análise do Asilo São Vicente de Paulo (1909-1935). Jundiaí-SP: Paco Editorial. 2014.

SOUZA, Rildo Bento de Souza. As raízes profundas do jequitibá: o processo de construção mítica de Pedro Ludovico Teixeira. Goiânia: Editora Trilhas Urbanas, 2021.

Publicado
2022-05-14
Métricas
  • Visualizações do Artigo 124
  • pdf downloads: 306
Como Citar
SOUZA, R. B. DE; TAVARES, M. B. As correspondências enviadas pelos presos da cadeia da cidade de Goiás na década de 1930. Revista Brasileira de Pesquisa (Auto)biográfica, v. 7, n. 20, p. 96-109, 14 maio 2022.