Escritas de si “entre” mulheres: da intimidade no presente à distância histórica em Teko haxy – ser imperfeita

Palavras-chave: Escritas de si, Cinema Mbya Guarani, Teko Haxy – ser imperfeita

Resumo

Em 2018, a cineasta Mbya Guarani Patrícia Ferreira Pará Yxapy e a artista visual Sophia Pinheiro realizaram juntas o filme Teko Haxy – ser imperfeita. Trata-se de um trabalho que elabora, a partir de uma escrita epistolar, a relação de intimidade entre as duas mulheres reunidas na aldeia Ko’enju, onde vive Patrícia, no extremo sul do Brasil. Pretendemos abordar a experiência do filme enquanto uma escrita de si entre as duas que envolve implicações em diferentes níveis: da metodologia, da escritura, do processo, das formas fílmicas e da mise-en-scène. Com isso, acreditamos ser possível encontrar um feminismo produzido nas tentativas de aproximação e, também, nos distanciamentos, que atravessam historicamente as relações entre as mulheres indígenas e não indígenas. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Clarisse Alvarenga, Universidade Federal de Minas Gerais

Professora adjunta na Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Coordena o Laboratório de Práticas Audiovisuais (LAPA) e o Laboratório e Arquivo de Imagem e Som (LAIS) da Faculdade de Educação da UFMG.

Roberta Veiga, Universidade Federal de Minas Gerais

Professora adjunta na Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Membro do grupo de pesquisa Poéticas Femininas, Políticas Feministas da UFMG, inscrito do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq). 

Referências

ALVARENGA, Clarisse. Da cena do contato ao inacabamento da história. Salvador: Edufba, 2017.
ALVARENGA, Clarisse. O caminho do retorno – o cinema das mulheres ameríndias. In: HOLANDA, Karla (org.). Mulheres de cinema. Rio de Janeiro: Numa, 2020, p. 175-190.
BENITES, Sandra. Piração. In: Corpos que falam – um lugar para as vozes de estudantes de pós-graduação em quarentena. Rio de Janeiro, Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social (PPGAS/Museu Nacional, UFRJ) e Programa de Pós-Graduação e História da Ciência e da Saúde da Fiocruz (PGHCS/Fiocruz). Disponível em: . Acesso em: 26 ago. 2021.
BENITES, Sandra. Viver na língua Guarani Nhandewa (mulher falando). 2018. 94p. Dissertação de Mestrado. Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social (PPGAS), Museu Nacional/UFRJ, Rio de Janeiro, 2018.
BENJAMIN, W. Passagens. Belo Horizonte: UFMG; São Paulo: Imprensa Oficial do
Estado de São Paulo, 2006.
BUTLER, Judith. Relatar a si mesmo. Crítica da violência ética. Belo Horizonte: Autêntica, 2015.
CRENSHAW, Kimberle Williams. Documento para o encontro de especialistas em aspectos da discriminação racial relativos ao gênero. Revista Estudos Feministas. Florianópolis, UFSC, n. 10, p. 171-188, jan., 2002. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/ref/article/view/1806-9584-2020v28n260721. Acesso em: 26 ago. 2021.
DIDI-HUBERMAN, Georges. Sobrevivência dos vaga-lumes. Trad. Vera Casa Nova
& Márcia Arbex. Belo Horizonte: UFMG, 2011.
GUARANI, Graciela et ali. Um cinema que é flecha certeira: olhares sobre o visível e o invisível no cinema pluridiverso das mulheres indígenas. In: TAVARES, Joana Brandão (org.). Catálogo da Mostra Amotara – Olhares das Mulheres Indígenas (2ª Edição). Pau Brasil: Porto Seguro, 2021, p. 19-30.
LAURETIS, Teresa de. A tecnologia do gênero. In: LAURETIS, Teresa de (org.). Tendências e impasses: o feminismo como crítica da cultura. Rio de Janeiro: Rocco, 1994, p. 206-242.
LIMA, Tânia Stolze de. Um peixe olhou para mim. O povo Yudjá e a perspectiva. São Paulo: UNESP, 2005.
MARGULIES, Ivone. Nada acontece: o cotidiano hiper-realista de Chantal Akerman. Trad. Roberta Veiga e Marco Aurélio Sousa Alves. São Paulo: Edusp, 2016.
MONDZAIN. Marie José. Nada tudo qualquer coisa ou a arte das imagens como poder de transformação. In: SILVA, Rodrigo; NAZARÉ, Leonor (org). A república por vir. Arte, Política e Pensamento para o século XXI. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2011, p. 103-115.
PARA YXAPY, Patrícia Ferreira e ALVARENGA, Clarisse. Virar cineasta Mbya Guarani (mulher filmando). Revista Devires - Cinema e Humanidades. Dossiê Pedagogias do Cinema. Belo Horizonte, Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas (Fafich/UFMG), v. 2, n. 15, 2018 (no prelo).
PINHEIRO, Sophia F. e PARÁ YXAPY Patrícia Ferreira. A imagem como arma: videografia dos encontros, metodologias de uma etnografia visual. In: Processos e efeitos da produção de conhecimentos com populações indígenas: algumas contribuições. MAINARDI, Camila; DAL’BÓ Talita Lazarin; LOTIERZO, Tatiana (org). Goiânia: Editora da Imprensa Universitária, 2020, p. 239-276.
VEIGA, Roberta. Imagens que sei delas: ensaio e feminismo no cinema de Varda, Akerman e Kawase. In: HOLANDA, Karla (org). Mulheres de cinema. Rio de Janeiro: Numa, 2019. p. 337-355.
VEIGA, Roberta, ITALIANO, Carla, FELDMAN, Ilana. Dossiê Escritas de Si. Revista Devires – Cinema e Humanidades. Belo Horizonte: Universidade Federal de Minas Gerais. Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas (Fafich) – v.14 n.2, 2017.
VIVEIROS DE CASTRO, Eduardo. Perspectival anthropology and the method of controlled equivocation. Tipití: Journal of the Society for the Anthropology of Lowland South America, Berkeley, v. 2, n. 1, p. 3-22, 2004. Disponível em: https://digitalcommons.trinity.edu/tipiti/vol2/iss1/1/. Acesso em: 26 ago. 2021.
Publicado
2021-09-06
Métricas
  • Visualizações do Artigo 135
  • pdf downloads: 32
Como Citar
ALVARENGA, C.; VEIGA, R. Escritas de si “entre” mulheres: da intimidade no presente à distância histórica em Teko haxy – ser imperfeita. Revista Brasileira de Pesquisa (Auto)biográfica, v. 6, n. 18, p. 556-570, 6 set. 2021.