CONHECIMENTO SOBRE CONSERVAÇÃO EX SITU EM VITÓRIA DA CONQUISTA – BA

Mauricio de Oliveira Silva, Ananda Santos Oliveira

Resumo


O município de Vitória da Conquista conta com dois setores de conservação ex situ, o Centro de Triagem de Animais Silvestres (CETAS) e Horto Florestal Vilma Dias. Com isso, o objetivo desta pesquisa foi conhecer as unidades de conservação ex situ em Vitória da Conquista e divulgar por meio de redes sociais informações sobre estas unidades. Para obtenção dos dados utilizou-se a plataforma Google Forms para formular um questionário online semiestruturado, para a divulgação, e compartilhamento de informações sobre a temática foi utilizado à rede social Facebook, além da enciclopédia livre Wikipédia. Foi realizado o cálculo de Disposição a Pagar (DAP) e posteriormente analisou-se quali-quantitativamente os dados levantados. A população analisada ainda tem pouco conhecimento sobre as conservações ex situ do município, até mesmo os indivíduos com vivência acadêmica. Além disso, existe uma necessidade de investimento não só estrutural, mas também em divulgação destes órgãos e aplicações de aulas com o tema transversal “Educação para Sustentabilidade”, é fundamental para a conservação, principalmente nos anos iniciais, pelo fato das nossas crianças e adolescentes serem multiplicadores destes conhecimentos. Pesquisas referentes a estudos sobre as conservações ex situ apresentam possibilidades e ideias que podem ser utilizadas como subsídio na elaboração das políticas públicas no município de Vitória da Conquista.


Palavras-chave


Arborização; Biodiversidade; Handroanthus albus.

Texto completo:

PDF

Referências


Aragão, G. M. O.; Kazama, R. Relações humano-animal: uma abordagem a partir da percepção de visitantes do zoológico de Brasília. Revista Educação Ambiental em Ação, n. 46, ano XII, 2014. Disponível em: . Acesso em: 19 fev. 2019.

Bahia. Superintendência de Estudos Econômicos e Sociais da Bahia, SEI. Sistema de Informações Municipais. Vitória da Conquista. 2016. Disponível em: Acesso em: 24 maio 2018.

Batista, C. C. N.; Santos, G. D.; Silva, I. A.; Eiras, R. C. F.; Furtado, G. D. A Importância Dos Zoológicos No Desenvolvimento Da Educação Ambiental: Uma Avaliação Comportamental Do Tamanduá Mirim (Tamandua tetradactyla). Revista Educação Ambiental em Ação. 2018. Disponível em: . Acesso em: 16 nov. 2018.

Brasil. Ministério do Meio Ambiente. Conservação in situ, ex situ e on farm. 2012. Disponível em:. Acesso em: 22 out. 2018.

Brizola-Bonacina, A. K.; Arruda, V. M.; Alves-Junior, V. V.; Chaud-Neto, J.; Polatto, L. P. Bee Visitors of Quaresmeira Flowers (Tibouchina granulosa Cogn.) in the Region of Dourados (MS-Brasil). Sociobiology, v. 59, n. 4, 2012, p. 1253-1267. Disponível em: . Acesso em: 16 nov. 2018.

Convenção Sobre a Biodiversidade Biológica. Estratégia Nacional de Diversidade Biológica. Artigo "9" conservação ex situ. Brasília. 1998.

D´Agostini, S. D.; Bacilieri, S.; Hojo, H.; Vitiello, N.; Bilynskyj, M. C. V.; Batista-Filho, A.; Rebouças, M. M. Ciclo econômico do pau-brasil - Caesalpinia echinata Lam., 1785. Páginas do Instituto Biológico, São Paulo, v.9, n. 1, p. 15-30. 2013. Disponível em: . Acesso em: 16 fev. 2019.

Embu Das Artes. Governo Municipal da Cidade de Embu das Artes. Secretaria de Meio Ambiente. Instituto Embu de Sustentabilidade. Manual de Arborização. 2011. 24 p. Disponível em: . Acesso em: 16 fev. 2019.

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Censo Demográfico, 2010. Disponível em: . Acessado em: 12 de agosto de 2018.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Monografias Municipais. Nordeste/Bahia/Vitória da Conquista. 2016. Disponível em: . Acesso em: 19 nov. 2018.

Lima, E. M.; Oliveira, Q. B.; Silva, M. O.; Oliveira, A. S. Gestão Ambiental Municipal em Vitória Da Conquista - Bahia. In. SEABRA, G. (Org.) Educação ambiental: natureza, biodiversidade e sociedade. Ituiutaba: Barlavento, 2017. p. 1250-1260.

Lima, V.; Amorim, M. C. C. T. A Importância das Áreas Verdes para a Qualidade Ambiental Das Cidades∗. Revista Formação. São Paulo. nº13, 2006. p. 139 - 165. Disponível em: . Acesso em: 16 nov. 2018.

Lima-Filho, J. M. P. Ecofisiologia do Umbuzeiro (Spondias tuberosa Arr. Cam.). Embrapa semiárido Petrolina. 2011. 24 p.

Martini, A.; Biondi, D.; Zamproni, K. A percepção do conforto térmico em uma rua arborizada com Ipê-amarelo. In: V Congresso Brasileiro de Gestão Ambiental. IBEAS - Instituto Brasileiro de Estudos Ambientais. Belo Horizonte - MG. 2014. Disponível em: . Acesso em: 12 nov. 2018.

Mertens, J.; Germer, J.; Siqueira-Filho, J. A.; Sauerborn, J. Spondias tuberosa Arruda (Anacardiaceae), a threatened tree of the Brazilian Caatinga? Brazilian Journal of Biology, 77(3), 542-552, 2017.

Morigi, J.B.; Bovo, M. C. A qualidade do ambiente urbano: uma breve reflexão sobre a ocorrência de espécies frutíferas na arborização das vias públicas do centro urbano de Mamborê (PR). In: Simpósio De Estudos Urbanos: A Dinâmica Das Cidades E A Produção Do Espaço. Campo Mourão, 2013. p. 12 - 15.

Oliveira, S. C.; Girardi, E. A.; Ferreira-Junior, A. J.; Balardin, D. F.R.; Freire, J. B. R.; Ribeiro, N. V. S.; Franco, R. J. Efeito de propágulos e fitorregulador na estaquia de amoreira (Morus nigra L.). EMBRAPA. 2010. Disponível em: . Acesso em: 14 nov. 2018.

Prado, D. E.; Gibbs, P. E. Patterns of species distribution in the dry seasonal forests of South America. Annals of Missouri Botanical Garden, St. Louis, n. 80, p. 902-927, 1993.

Prefeitura Municipal de Vitória da Conquista. Centro de Triagem de Animais Silvestres - CETAS. 2012. Disponível em: Acesso em: 22 nov. 2018.

Prefeitura Municipal de Vitória da Conquista. Centro de Triagem de Animais Silvestres - CETAS. 2019. Disponível em: Acesso em: 18 jan. 2019.

Rocha, A. A.; Ferraz, A. E. Q. Atlas geográfico de Vitória da Conquista. In: X encontro de Geógrafos da América Latina. Universidade de São Paulo, São Paulo, 2005. Disponível em: . Acesso em: 19 fev. 2019.

Santos, E. L.; Oliveira, E. S.; Pereira, G. P.; Silva, L. P.; Moreira, M. S. Gestão ambiental em Vitória da Conquista-BA: uma análise da política municipal de meio ambiente à luz da administração política. In: 8º Congresso luso-brasileiro para o planejamento urbano, regional, integrado e sustentável (PLURIS 2018). Coimbra - Portugal. 2018. Disponível em: . Acesso em: 17 nov. 2018.

São Paulo. Quaresmeira-roxa (Tibouchina granulosa). 2008. Disponível em: . Acesso em: 16 nov. 2018.

Silva, C. B. M. C.; Santos, D. L. Fenologia Reprodutiva de Melocactus conoideus Buin. Bred.: Espécie Endêmica do Município de Vitória da Conquista, Bahia – Brasil. Nota Científica. Revista Brasileira de Biociências, Porto Alegre, v. 5, supl. 2, p. 1095-1097, 2007.

Silva, D. A. Avaliação quali-quantitativa da mangueira (Mangifera indica L.) na arborização viária e percepção dos moradores da cidade de Belém - PA. 92 f. Dissertação (Mestrado em Engenharia Florestal) – Universidade Federal do Paraná, Curitiba – PR. 2015.

Silva, G. C. Distribuição espacial do flamboyant, espécie exótica da Mata Atlântica, no Campus I da Universidade Federal da Paraíba. Universidade Federal da Paraíba - Centro de Ciências Exatas e da Natureza Curso de Graduação em Geografia, 2009.

Silva, M. O.; Oliveira, Q. B.; Carvalho, C. O. Direito e educação ambiental: (re) conhecendo as reservas naturais de Vitória da Conquista - BA. In: IV Congresso Nacional de Educação (CONEDU). Editora Realize. João Pessoa - PB. 2017. Disponível em: . Acesso em: 17 nov. 2018.

Sousa, J. A.; Mota, R.S. Valoração econômica de áreas de recreação: o caso do Parque

Metropolitano de Pituaçu, Salvador, BA. Revista de Economia, v. 32, n. 1, p. 37-55, 2006. Disponível em: . Acesso em: 19 fev. 2019.

Souza, C. F.; Jesus, E. Q.; Brito, O. S.; Figueiredo-Filho, U. C. Horto municipal de Vitória da Conquista: um exemplo em revitalização de áreas urbanas, com o paisagismo sustentável. In: VI Congresso Brasileiro de Gestão Ambiental Porto Alegre/RS. 2015. Disponível em: Acesso em: 22 nov. 2017.

Vasconcelos, E. M. Manual operativo para pesquisas interdisciplinares e interparadigmáticas: Parte II. 3. ed. – Petrópolis, RJ: vozes, 2007. 292 p.




DOI: http://dx.doi.org/10.29327/10.29327/ouricuri.v9.i1.a4

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


 Base de Indexadores: