Como identificar Fake News: Ensino do Gênero Notícia através do Twitter

  • Isadora Oliveira do Nascimento Universidade Federal Rural do Semi-Árido (UFERSA)
  • Valdenizia da Conceição Bezerra Universidade Federal Rural do Semi-Árido (UFERSA)
  • Vicente Lima-Neto Universidade Federal Rural do Semi-Árido (UFERSA)

Resumo

Os variados gêneros discursivos são propagados nas redes sociais, como o Twitter,  e, muitas vezes, emprestam sua estrutura composicional para outros gêneros que se enquadram no que tem se chamado como fake news. Esta pesquisa objetiva identificar características constitutivas de fake news, à luz do remix, no perfil Falha de São Paulo, do Twitter, em comparação com o gênero notícia. Para atender a este objetivo, selecionamos um corpus de 30 tweets, no qual elencamos as características composicionais, estilísticas e conteudísticas dos gêneros que ali se manifestam. Fundamentamo-nos em Knobel e Lankshear (2008), Navas (2010), Buzato (2013), para o conceito de remix; e em Bakhtin ([1979] 2011), para o conceito de gênero discursivo. Os resultados obtidos demonstram que o ensino através das redes sociais, como o Twitter, pode proporcionar um ensino mais dinâmico e mais próximo da realidade dos alunos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Isadora Oliveira do Nascimento, Universidade Federal Rural do Semi-Árido (UFERSA)

Mestranda do Programa de Pós-Graduação em Ensino – POSENSINO, em associação entre a Universidade do
Estado do Rio Grande do Norte – (UERN), Universidade Federal Rural do Semiárido (UFERSA) e Instituto
Federal de Educação, Ciência e Tecnologia (IFRN).

Valdenizia da Conceição Bezerra, Universidade Federal Rural do Semi-Árido (UFERSA)
Mestranda do Programa de Pós-Graduação em Ensino – POSENSINO, em associação entre a Universidade do
Estado do Rio Grande do Norte – (UERN), Universidade Federal Rural do Semiárido (UFERSA) e Instituto
Federal de Educação, Ciência e Tecnologia (IFRN).
Vicente Lima-Neto, Universidade Federal Rural do Semi-Árido (UFERSA)

Doutor em Linguística. Docente dos cursos de Letras da Universidade Federal Rural do Semiárido (UFERSA)
e do Programa de Pós-graduação em Ensino – POSENSINO - em associação entre a Universidade do Estado do
Rio Grande do Norte (UERN), Universidade Federal Rural do Semiárido (UFERSA) e Instituto Federal de
Educação, Ciência e Tecnologia (IFRN).

Referências

BAKHTIN, M. Os gêneros do discurso. In: Estética da criação verbal. São Paulo: Martins Fontes, [1979] 2011.

BUZATO, M. E. K. et al. Remix, mashup, paródia e companhia: por uma taxonomia multidimensional da transtextualidade na cultura digital. RBLA, Belo Horizonte, v. 13, n. 4, p.1191-1221, 2013.

COSTA, Sayonara Melo. Tweet: reelaboração de gêneros em 140 caracteres. 119 f. Dissertação (Mestrado em Linguística) – Programa de Pós-Graduação em Linguística da Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, 2012.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2010.

HARARI

KNOBEL, M.; LANKSHEAR. Remix: the art and craft of endless hybridization. Journal of Adolescent & Adult Literacy, 52 (1), September 2008, p. 22-33.

LÉVY, Pierre. Cibercultura. São Paulo: Editora 34, 1999.

LIMA-NETO, V. Um Estudo da emergência de gêneros no Facebook. 2014.313 f. Tese (Doutorado em Linguística) - Programa de Pós-Graduação em Linguística da Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, 2014.

MALIK, Kenan. Fake news has a long history. Beware the state being keeper of ‘the truth’. Disponível em: https://www.theguardian.com/commentisfree/2018/feb/11/fake-news-long-history-beware-state- involvement. 2018. Acesso em 15 mar. 2020.

MANOVICH, L. The language of new media. Cambridge, Mass: MIT Press, 2002.

MILLER, V. Understanding digital culture. Los Angeles: SAGE, 2011.

MORGAN, Deane. Real Answers to Fake News from Greek Historians. Disponível em:https://www.opslens.com/2018/07/15/real-answers-to-fake-news-from-greek-historians/.Acesso em 25 maio 2020.

NAVAS, E. (2009). Regressive and reflexive mashups in sampling culture. In: SONVILLA-WEISS, Stefan (Ed.) Mashup Cultures. Nova York: SpringerWien, 2010, p.157-177.

SANTAELLA, Lúcia. A pós-verdade é verdadeira ou falsa? São Paulo: Estacao das Letras e Cores Editora Ltda,1ª edição. ANO?

SOROUSH Vosoughi; ROY, Dab; ARAL, Sinan. The spread of true and false news online. Science 09,Mar 2018, vol. 359, Issue 6380, pp. 1146-1151, 2018.

THE NEW LONDON GROUP. Multiliteracies: Literacy learning and the design of social futures. London: Routledge, 2000.

VICTOR, Fabio. Notícias falsas existem desde o século 6, afirma historiador Robert Darnton. Disponível em: http://www1.folha.uol.com.br/ilustrissima/2017/02/1859726-noticias-falsas-existem-desde-o-seculo- 6-afirma-historiador-robert-darnton.shtml. 2017. Acesso em15 maio 2020.

WARDLE, Claire; DERAKSHAN, Hossein. Information Disorder: Toward an Interdisciplinary Framework for Research and Policy Making. Conselho da Europa, 2017.

Publicado
2020-07-08
Métricas
  • Visualizações do Artigo 95
  • PDF downloads: 80