Cultura e Gramática: Uma abordagem funcionalista no ensino de Língua Portuguesa

Resumo

A língua portuguesa é perpassada por inúmeras mudanças em cada contingente regional. Visto que, cada região irá alterar a língua para se aproximar da realidade em que seus falantes estão inseridos. Ademais, o fato da colonização brasileira não ter tido uma unificação étnica contribui para que a língua «brasileira» não seja homogênea. Assim, não seria equivocado entender que há uma variedade linguística no que se refere à língua portuguesa que emerge no Brasil. Afinal, mesmo com diferenças na formulação oral, é necessário que qualquer falante brasileiro seja capaz de ler um texto produzido em língua portuguesa. Desse modo, torna-se perceptível a importância da Gramática Tradicional ou Normativa para um melhor desenvolvimento comunicativo, seja na esfera oral ou escrita, entre os falantes da língua portuguesa de diferentes regiões brasileiras. Para tanto, acorar-nos-emos nas noções de Perini (1997) e Possenti (1996) acerca do funcionamento da gramática normativa em diálogo com as noções de Neves (2003) a respeito do funcionalismo e de seu uso em sala de aula.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

COELHO, F. N. Memórias cronológicas da capitania de Mato Grosso. UFMT, 1976.

COSTA, M. A. O estruturalismo. In Martelota, M. E. (Org.). Manual de linguística. p.113-126.

CUNHA, A. F. Funcionalismo. In Martelota, M. E. (Org.). Manual de linguística. p.157-176.

MARTINET, A. A linguística funcional. In Martinet, A. Função e dinâmica das línguas. p.11-106.

NETO, J. B. Reflexões preliminares sobre o estruturalismo em linguística. In Neto, J. B. Ensaios de filosofia da linguística. p.95-115.

NEVES, M. H. M. A gramática funcional. p.5-98.

_______________. Que gramática estudar na escola? Norma e uso na Língua Portuguesa. São Paulo: Contexto, 2003.

NORMAND, C. Proposições e notas para uma leitura de F. de Saussure. In Normand, C. Convite à linguística. p.23-46. 2014.

__________. O curso de linguística geral, metáforas e metalinguagem. In Normand, C. Convite à linguística. p.81-96. 2014.

POSSENTI, Sírio. Porque (Não) ensinar gramática na escola? Campinas, São Paulo: ALD: Mercado de Letras, 1996.

PERINI, Mario. A. Sofrendo a gramática; ensaios sobre a linguagem. São Paulo. Ed ática, 1997.

Publicado
2020-07-08
Métricas
  • Visualizações do Artigo 8
  • PDF downloads: 6