Leitura e escrita na EJA, ressignificando o trabalho através de sequências didáticas

Autores

  • Alane Batista dos Santos Universidade Estadual de Santa Cruz - UESC

DOI:

https://doi.org/10.30620/gz.v3n2.p125

Palavras-chave:

EJA, Gêneros Textuais, Sequência Didática

Resumo

O trabalho com a leitura e a escrita é na verdade, o centro das práticas educativas em nossas escolas. No entanto, temos visto muitas vezes, o trabalho docente acabar por legitimar o fracasso do aluno à medida que não consegue “alcançar” o objetivo maior que é letrar, promovendo a integração social do aprendiz ao meio em que vive. Este artigo objetiva promover ações educativas que favoreçam o desenvolvimento da competência leitora e escrita nas turmas de EJA, pautada em sequência didática, nas experiências adquiridas ao longo de anos de exercício docente nesta modalidade de ensino e nos pressupostos teóricos observados em Bazerman (2007); Kleiman (1989). Para desenvolvermos este estudo partimos do trabalho com sequência didática proposto por Dolz e Schneuwly (2004) onde os autores realizam uma releitura do interacionismo sociodiscursivo proposto por Bronckart (1999) e que servirá para determinar a metodologia aqui utilizada. É importante lembrar que o domínio da leitura e da escrita torna-se requisito essencial para a aquisição de novas aprendizagens e é imprescindível para a inserção social desses sujeitos aprendizes no mundo letrado, pois se o aluno for capaz de reconhecer e produzir diferentes gêneros, ele aumentará seu nível de letramento e, consequentemente, irá dominar outros em diferentes situações comunicativas.

[Recebido: 01 out. 2015 – Aceito: 19 out. 2015]

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Alane Batista dos Santos, Universidade Estadual de Santa Cruz - UESC

Possui graduação em Letras pela Universidade do Estado da Bahia (1999). Mestranda em Letras pela Universidade Estadual de Santa Cruz. Atua como professora de Língua Portuguesa na Secretaria de Educação do Estado da Bahia e do Centro de Ensino Ana Viana - CEAV/Camacã-BA. Tem experiência na área de Letras, com ênfase em Língua Portuguesa. Atuando principalmente nos seguintes temas: Leitura, EJA e Análise do Discurso.

Referências

ALARCÃO, Isabel e TAVARES, José. Supervisão da prática pedagógica: uma perspectiva de desenvolvimento e aprendizagem. 2. ed. Coimbra: Almedina, 2003.

BAZERMAN, Charles. Escrita, Gênero e Interação Social. São Paulo: Cortez, 2007.

BRASIL. MEC. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: Língua Portuguesa. Brasília: MEC/SEF, 1997.

BRONCKART, J.P. Atividade de Linguagem, textos e discursos. Por um interacionismo sócio-discursivo. Trad. A. R. Machado e P. Cunha. São Paulo: EDUC, 1999.

CARVALHO, Marlene. Guia Prático do Alfabetizador. São Paulo: Ática, 2005.

DOLZ. J & SCHNEUWLY, B. Gêneros escritos e orais na escola. Campinas: Mercado de Letras, 2004.

KLEIMAN, Ângela. Os Significados do Letramento. Campinas, São Paulo: Mercado de Letras, 1995.

KÖCHE, Vanilda Salton. Leitura e Produção Textual: gêneros textuais do argumentar e expor. 4. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2013.

PEREIRA, Rose Mary Ferreira; ROCHA, Thais Ferreira da. Discurso midiático: análise retórico-jornalístico do gênero editorial. 2006. 93 f. Monografia (graduação em Comunicação Social) – Universidade Federal de Alagoas Maceió, 2006.

ROJO, Roxane; CORDEIRO, Glaís S. Gêneros orais e escritos como objetos de ensino: modo de pensar, modo de fazer. In: SCHNEUWLY, Bernard. Et ali. Gêneros orais e escritos na escola. Campinas, SP: Mercado de Letras, 2004 (Trad. ROJO, Roxane, CORDEIRO, Glaís S.).

SOARES, Magda. Novas práticas de leitura e escrita: letramento na cibercultura. Revista Educação e Sociedade. Campinas, v. 23, n. 81, p. 143-160, 2002.

Publicado

2016-04-11

Como Citar

SANTOS, A. B. dos. Leitura e escrita na EJA, ressignificando o trabalho através de sequências didáticas. Grau Zero – Revista de Crítica Cultural, Alagoinhas-BA: Fábrica de Letras - UNEB, v. 3, n. 2, p. 125–139, 2016. DOI: 10.30620/gz.v3n2.p125. Disponível em: https://revistas.uneb.br/index.php/grauzero/article/view/3311. Acesso em: 13 abr. 2024.