A imaginação é mais importante que o saber: as rasuras de uma poética autobiográfica

  • José Rosa dos Santos Júnior Universidade do Estado da Bahia, Pós-Crítica.
  • Lígia Guimarães Telles

Resumo

Resumo: O presente artigo objetiva elucidar como a poética de Manoel de Barros, ora ratifica e, ora retifica a noção de escrita autobiográfica apregoada, principalmente, por Lejeune (2008). Acreditamos que as reminiscências de uma infância vivida no Pantanal, mas ressignificada pelos ditames da imaginação criativa, ocupam um lugar de destaque no processo autoral e criativo de Manoel de Barros e isso, de certa forma, permite­nos classificar sua produção como autobiográfica. Por outro lado, ao deflagrar suas “memórias inventadas”, — fragmentárias e desbotadas pelo trabalho do tempo — no bojo de sua escrita criativa, Manoel de Barros rompe, rasura e problematiza o postulado do “pacto autobiográfico”. Tal problemática se converte na tônica dos escritos que se seguem.

Palavras-Chaves: Autobiografia. Manoel de Barros. Memória. Poesia.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2017-02-13
Métricas
  • Visualizações do Artigo 128
  • PDF downloads: 198