Reescrevendo a identidade nacional: “o último voo do flamingo” e suas faces pós-coloniais

  • Dionísio da Silva Pimenta

Resumo

Neste artigo nós analisaremos o romanceO último voo do flamingo, escrito por MiaCouto, atravé de uma leitura póscolonial, demonstrando como a narrativa constrói uma crítica política à administração de Tizangara, metonímia de Moçambique. Neste sentido, observaremos alguns recursos estéticos que o romance utiliza, tais como a sátira, o insólito, a tradição e a partilha discursiva, que funcionam como mecanismos de expurgação de um governo político corrupto.


PalavrasChave: Leitura póscolonial. Literatura moçambicana. Crítica política.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2016-04-11
Métricas
  • Visualizações do Artigo 121
  • PDF downloads: 147