Contribuições sócio-históricas do movimento negro

rasuras êpistemicas para uma pedagogia antirracista

Autores

DOI:

https://doi.org/10.30620/gz.v10n1.p183

Palavras-chave:

Educação antirracista, Movimento negro, Desobediência epistêmica

Resumo

Neste presente estudo buscamos salientar a importância sócio histórica do movimento negro e suas contribuições para o campo da educação e que contribui para a rasura da linearidade histórica a que somos conduzidos em formato de emancipação colonial ainda impregnada ainda em nosso ser.  Através de uma perspectiva de uma pedagogia antirracista. Ressaltamos aparatos legais para a legitimação do trabalho sobre as relações étnico raciais na construção afirmativa das crianças negras e a relevância do trabalho literário e histórico para a construção identitária na infância de crianças negras.

[Recebido em: 31 mar. 2022 – Aceito em: 22 set. 2022]

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Paulo Gustavo da Costa Santos, Universidade do Estado de Minas Gerais - UEMG

Mestre em educação e formação humana, professor da educação básica e ativista das pautas raciais.

Cirlene Cristina Sousa, Universidade do Estado de Minas Gerais - UEMG

Coordenadora adjunta e professora da Pós-graduação (Mestrado) e do curso de Graduação (Pedagogia) na Universidade do Estado de Minas Gerais (UEMG). Doutora em educação pela Universidade Federal de Minas Gerais.

Referências

ARBOLEYA, V. J. Questões de literatura infantil e afrodescendência: o poder de ação do personagem negro nas áreas de decisão da narrativa. Revista África e Africanidades. Ano I, n. 4, fev. 2009. BRASIL,

BRASIL. Comitê Nacional de Educação em Direitos Humanos. Plano Nacional de Educação em Direitos Humanos. Brasília: Secretaria Especial dos Direitos Humanos, Ministério da Educação, Ministério da Justiça, UNESCO, 2006.

BRASIL. Lei n. 10.639 – 09 de janeiro de 2003. Brasília: Ministério da Educação, 2003.BRASIL, Diretrizes curriculares nacionais para a educação das relações étnico-raciais e para o ensino de História e Cultura Afrobrasileira e Africana. Brasília: MEC, 2004.

CARDOSO, M. O movimento negro. Belo Horizonte: Mazza Edições, 2002.

CARNEIRO, S. Prefácio. In: HENRIQUES, R. Raça e cor nos sistemas de ensino. Brasília, DF: Unesco, 2002. p. 7-10.CAVALLEIRO, Eliane (Org.). Racismo e anti-racismo na educação: Repensando nossa escola. São Paulo: Summus, 2001b, p. 141-160.

CANDAU, V. Diferenças Culturais, Cotidiano Escolar e Práticas Pedagógicas. Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro-PUC-Rio Brasil, 2011. Disponível em: http://www.curriculosemfronteiras.org/vol11iss2articles/candau.pdf. Acesso em: 20 ago. 2019.

CAVALLEIRO, Eliane. Educação anti-racista: compromisso indispensável para um mundo melhor. In: CAVALLEIRO, Eliane (Org.). Racismo e anti-racismo na educação: repensando nossa escola. São Paulo: Summus, 2001.

CRUZ, M.S. Uma abordagem sobre a história da educação dos negros. In: ROMÃO, J. (Org.). História da educação dos negros e outras histórias. Brasília: MEC; Secad, 2005. p. 21-33.

CERRI, Luis Fernando; FERREIRA, Angela Ribeiro. Notas sobre a demanda sociais de representação e os livros Didáticos de História. In: O livro Didático de História: políticas educacionais, pesquisa e ensino. Margarida Maria Dias de Oliveira e Maria Inês Sucupira Stamatto (Org.). Natal: EDUFRN, 2007.

CORACINI, M. J. (Org.). Interpretação, autoria e legitimação do livro didático. Campinas: Pontes, 1999.

CORTEZ, M. Palavra e imagem: diálogo intersemiótico. Dissertação (Mestrado) – Departamento de Linguística da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo, 2001.

DIAS, L.R. Quantos passos já foram dados? A questão de raça nas leis educacionais – da LDB de 1961 à Lei 10.639, de 2003. In: ROMÃO, J. (Org.). História da educação dos negros e outras histórias. Brasília: MEC; Secad, 2005. p. 49-62.

DOMINGUES, Petrônio. Movimento negro brasileiro: alguns apontamentos históricos. Tempo, Niterói, v. 12, n. 23, p. 100-122, 2007.

GOMES, N.L. Limites e possibilidades da implementação da Lei 10.639/03 no contexto das políticas públicas em educação. In: PAULA, M. HERINGER, R. (Org.). Caminhos convergentes: estado e sociedade na superação das desigualdades raciais no Brasil. Rio de Janeiro: H. B. Stiftung, 2009. p. 39-74.

GOMES, N.L. O movimento negro no Brasil: ausências, emergências e a produção dos saberes. Política & Sociedade, Florianópolis, v. 10, n. 18, p. 133-154, abr. 2011.

GONÇALVES, L.A.O. Pensar a educação, pensar o racismo no Brasil. In: FONSECA, M.V.; SILVA, C.M.N.; FERNANDES, A.B. (Org.). Relações étnico-raciais e educação no Brasil. Belo Horizonte: Mazza Edições, 2011. p. 93-144.

GONÇALVES, L.A.O.; SILVA, P. B.G. Movimento negro e educação. Revista Brasileira de Educação, São Paulo, n. 15, p. 134-158, set.-dez. 2000.

HASENBALG, C.A. Comentários “Raça, cultura e classe na integração das sociedades. DADOS: Revista de Ciências Sociais. Rio de Janeiro, v. 27, n. 3, p. 148-149, 1984.

HERINGER, R. (Org.). Caminhos convergentes: Estado e sociedade na superação das desigualdades raciais no Brasil. Rio de Janeiro: Heinrich Böll Sti" ung; Action Aid, 2009. p. 39-74.

OLIVEIRA, L. F. & CANDAU, V. M. F. Pedagogia Decolonial e Educação Antirracista e Intercultural no Brasil. In. Educação em Revista. Belo Horizonte, v. 26, n. 1, p. 15-40, abr. 2010.

FALS BORDA, Orlando; BRANDÃO, Carlos Rodrigues. Investigación Participativa. Montevideo: La Banda Oriental. 1987.

FANON, Frantz. Os Condenados da Terra. Lisboa: Ulmeiro, 2003.

FANON, Frantz. Os Condenados da Terra. Rio de Janeiro: Editora Civilização Brasileira S.A, 1968.

FREIRE, Paulo. Pedagogia dos sonhos possíveis. Rio de janeiro/São Paulo: Terra e Paz, 2020.

MEC/SECAD. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação das Relações Étnico-Raciais e para o Ensino de História e Cultura Afro-Brasileira e Africana. Brasília: MEC/SECAD. Disponível em: http://etnicoracial.mec.gov.br/images/pdf/diretrizes_curric_educ_etnicoraciais.pdf. Acesso em: 10 out. 2021.

OLIVEIRA, L. F. CANDAU, V. M. F. Pedagogia Decolonial e Educação Antirracista e Intercultural no Brasil. Educação em Revista. Belo Horizonte, v. 26, n. 01, p. 15-40, abr. 2010.

SANTOS, Sônia Querino dos Santos; MACHADO, Vera Lúcia de Carvalho. Políticas públicas educacionais: antigas reivindicações, conquistas (Lei 10.639) e novos desafios. Ensaio: Avaliação de Política Públicas Educacionais, Rio de Janeiro/RJ, n. 58, Jan/Mar 2008Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade SECAD/MEC, p. 13.

SILVA, A.C. A discriminação do negro no livro didático. Salvador: Ceao; CED, 1995.

Publicado

2022-11-03

Como Citar

SANTOS, P. G. da C.; SOUSA, C. C. Contribuições sócio-históricas do movimento negro: rasuras êpistemicas para uma pedagogia antirracista. Grau Zero – Revista de Crítica Cultural, Alagoinhas-BA: Fábrica de Letras - UNEB, v. 10, n. 1, p. 183–197, 2022. DOI: 10.30620/gz.v10n1.p183. Disponível em: https://revistas.uneb.br/index.php/grauzero/article/view/13921. Acesso em: 13 jun. 2024.