Um mapeamento Riot Grrrl

práticas feministas em canções de protesto

Autores

DOI:

https://doi.org/10.30620/gz.v10n1.p231

Palavras-chave:

Riot Grrrl, Feminismo, Modos de produção

Resumo

Este artigo apresenta uma discussão em torno da presença da mulher na música. Dessa forma, observa-se a atuação de mulheres feministas no cenário rock bransileiro, mas especificamente no movimento Riot Grrrl. A fim de contribuir com a temática, fez-se um levantamento acerca do n´´umero de bandas Riot Grrrl existentes no Brasil, classe social e lugar de origem bem como outros aspectos relevantes, para se pensar as práticas feministas inseridas em canções de protesto. A metodologia utilizada é a qualitativa e, teoricamente, as discussões passam pelas teorias críticas feministas e estudos culturais. O artigo é um recorte da dissertação defendida do ano de 2018, pela mesma autora, intitulada: O movimento Riot Grrrl: histórias, letras e resistências contra as violências às mulheres.

[Recebido em: 30 mar. 2022 – Aceito em: 6 out. 2022]

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Juliana Aparecida dos Santos Miranda, Universidade do Estado da Bahia - UNEB

Graduada em Letras Vernáculas com habilitação em Língua Portuguesa, pela Universidade do Estado da Bahia (UNEB), Campus II, e mestra em Letras com habilitação em Crítica Cultural, pela mesma instituição. Interessa-se por estudos da literatura, música, questões socioculturais e estudos de gênero, raça e feminismos. É professora de Língua Portuguesa e literatura.

Referências

ARRUDA, Renata. A música Feminista das Riot Grrrl. Disponível em: http://blogueirasfeministas.com/2011/07/musica-feminista-riot-girls. Acesso em: 24 set. 2022.

BITTENCOURT- SAMPAIO, Sérgio. A mulher compositora: Uma expressão silenciada? In: Música. Velhos temas, novas leituras. Rio de Janeiro: Mauad X, 2012.

BOTINADA. A origem do punk no Brasil. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=4wCpGfa4J7Y. Acesso em: 24 set. 2022.

CAIAFA, Janice. “A Mina Punk”. In: Movimento Punk na Cidade: a invasão dos bandos sub. Rio de Janeiro: J. Zahar Ed.,1985.

CASADEI, Eliza Bachega. O Punk não é só para o seu namorado: esfera pública alternativa, processos de identificação e testemunho na cena musical Riot Grrrl. In: Música Popular em Revista, Campinas, ano 1, v. 2, p. 197-214, jan./jun. 2013.

GIANI, Luiz Antônio Afonso. A música de protesto d’O subdesenvolvido à canção do bicho e proezas de Satanás. Campinas (SP): Universidade Estadual de Campinas, 1985.

MARQUES, G. M.; PEDRO, Joana Maria. O feminismo Riot: geração e violência. Labrys (Edição em Português. Online), v. 22, p. 32-48, 2012.

DE MELO, Érica I. O FEMINISMO NÃO MORREU – AS RIOT GRRRLS EM SÃO PAULO. Revista Ártemis, [S. l.], v. 15, n. 1, 2013. Disponível em: https://periodicos.ufpb.br/index.php/artemis/article/view/16646. Acesso em: 24 set. 2022.

SEGNINIR, Liliana Rolfsen Petrilli. Relações de gênero no campo da música – Rumos Itaú Cultural Música – Edição 2007/2009. Disponível em: http://d3nv1jy4u7zmsc.cloudfront.net/wp-ontent/uploads/2016/08/Rumos-Brasil-da-M%C3%BAsica.pdf. Acesso em: 24 set. 2022.

Publicado

2022-11-03

Como Citar

MIRANDA, J. A. dos S. Um mapeamento Riot Grrrl: práticas feministas em canções de protesto. Grau Zero – Revista de Crítica Cultural, Alagoinhas-BA: Fábrica de Letras - UNEB, v. 10, n. 1, p. 231–251, 2022. DOI: 10.30620/gz.v10n1.p231. Disponível em: https://revistas.uneb.br/index.php/grauzero/article/view/13906. Acesso em: 23 jul. 2024.