Memória soterrada, diálogos ausentes

as palavras impossíveis de Rosana Paulino

Autores

DOI:

https://doi.org/10.30620/gz.v10n1.p267

Palavras-chave:

Rosana Paulino, Apagamento, Memória

Resumo

Se o campo das artes visuais também tem sido afetado por uma cultura dita globalizada, que supõe uma dissolução das fronteiras geopolíticas e simbólicas que separavam a produção artística hegemônica do resto do mundo, este artigo propõe uma leitura da obra da artista brasileira Rosana Paulino que procura, ao contrário, localizar sua produção em um ponto específico da história cultural afro-brasileira. Analisamos como sua obra situa poeticamente o lugar da mulher negra na formação histórica do Brasil, evocando uma história de apagamentos, opressões, silenciamentos e resistências.

[Recebido em: 8 fev. 2022 – Aceito em: 11 set. 2022]

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Thiago Grisolia Fernandes, Universidade Federal do Rio de Janeiro - UFRJ

Doutorando do Programa de Pós-Graduação em Ciência da Literatura da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Mestre em Estudos Contemporâneos das Artes pela Universidade Federal Fluminense.

Referências

ANTONACCI, Célia Maria. “’Magiciens de la terre’ vinte e cinco anos depois ‘Intense proximité”. Anais do XXV Encontro da Associação Nacional de Pesquisadores em Artes Plásticas [recurso eletrônico]; Compartilhamentos na arte: redes e conexões. Porto Alegre: ANPAP, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2016. Disponível em: http://anpap.org.br/anais/2016/simposios/s2/celia_maria_antonacci_ramos.pdf. Acesso em: 17 jul. 2019.

ANTONACCI, Célia Maria. Rosana Paulino: enunciações poéticas de arte africana contemporânea. Rebento, São Paulo, n. 6, p. 272-291, maio 2017. Disponível em: http://www.periodicos.ia.unesp.br/index.php/rebento/article/view/142. Acesso em: 8 fev. 2021.

COELHO, Teixeira. A cultura e seu contrário: cultura, arte e política pós-2001. São Paulo: Iluminuras: Itaú Cultural, 2008.

DELEUZE, Gilles. Crítica e clínica. Trad. Peter Pál Pelbart. São Paulo: Ed. 34, 1997.

DERRIDA, Jacques. A escritura e a diferença. Trad. Maria Beatriz Marques Nizza da Silva. São Paulo: Perspectiva, 2002.

GELL, Alfred. “A rede de Vogel: armadilhas como obras de arte e obras de arte como armadilhas”. Arte e Ensaios: Revista do Programa de Pós-Graduação em Artes Visuais, Rio de Janeiro: Escola de Belas Artes da UFRJ, ano 8 (8): p. 174-191, 2001.

HALL, Stuart. Da diáspora: Identidades e mediações culturais. (Org.) Liv Sovik. Trad. Adelaine La Guardia Resende et al. Belo Horizonte: Editora UFMG; Brasília: Representação da UNESCO no Brasil, 2003.

HOBSBAWM, Eric. Era dos Extremos: o breve século XX: 1914-1991. Trad. Marcos Santarrita. São Paulo: Cia das Letras, 1995.

JAMESON, Fredric. Pós-modernismo: a lógica cultural do capitalismo tardio. São Paulo: Ed. Ática, 1996.

LIPOVETSKY, Gilles; SERROY, Jean. A cultura-mundo: resposta a uma sociedade desorientada. Trad. Maria Lúcia Machado. São Paulo: Cia das Letras, 2011.

PAZ, Octavio. O arco e a lira. Trad. Olga Savary. Rio de Janeiro: Ed. Nova Fronteira, 1982.

PEREIRA, Júlio César Medeiros da Silva. “As duas evidências: as implicações acerca da redescoberta do cemitério dos Pretos Novos”. Revista do Arquivo Geral da Cidade do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, n.8, p. 331-343, 2014. Disponível em: http://wpro.rio.rj.gov.br/revistaagcrj/as-duas-evidencias-as-implicacoes-acerca-da-redescoberta-do-cemiterio-dos-pretos-novos. Acesso em: 8 fev. 2021.

Publicado

2022-11-03

Como Citar

FERNANDES, T. G. Memória soterrada, diálogos ausentes: as palavras impossíveis de Rosana Paulino. Grau Zero – Revista de Crítica Cultural, Alagoinhas-BA: Fábrica de Letras - UNEB, v. 10, n. 1, p. 267–283, 2022. DOI: 10.30620/gz.v10n1.p267. Disponível em: https://revistas.uneb.br/index.php/grauzero/article/view/13607. Acesso em: 15 jul. 2024.