Aprendizagem expansiva e ecossocioeconomias na prática artesanal da Feira de Arte e Artesanato do Largo da Ordem em Curitiba-Pr

Autores

  • Fabiola Bevervanço Zdepski Universidade Católica do Paraná (PUCPR).
  • Isabel Jurema Grimm Universidade Federal do Paraná (UFPR).
  • Mario Procopiuck Universidade Católica do Paraná (PUCPR).

DOI:

https://doi.org/10.21879/faeeba2358-0194.2018.v27.n52.p26-43

Palavras-chave:

Aprendizagem expansiva, Teoria da atividade, Ecossocioeconomia, Arranjos socioprodutivos, Ecodesenvolvimento

Resumo

O avanço em perspectivas teóricas e metodológicas para inovar as bases de desenvolvimento sustentável lança desafios ao associar estratégias de aprendizagem, capacidade de agência para incorporar valor em processos criativos e princípios de ecodesenvolvimento. O objetivo do presente artigo é avaliar mudanças em práticas na tomada de consciência individual associada a questões socioambientais em experiências ecossocioeconômicas em atividades de artesanato em um arranjo socioprodutivo representado por uma feira urbana curitibana. A investigação tem natureza qualitativa e utiliza narrativas para levantamento de dados e informações empíricas. Os resultados indicam que é possível ampliar a base teórico-conceitual da ecossocioeconomia ao associá-la com aprendizagem expansiva; o artesanato contribui para o comprometimento do sujeito-artesão com o contexto socioambiental em que está implexo; e que as feiras urbanas são lócus privilegiado para a emergência de ciclos de aprendizagem expansiva e para elevar o potencial artístico e o valor do artesanato.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BRASIL. Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC). Base conceitual do artesanato brasileiro. Brasília, DF, 2012.

CANCLINI, Néstor García. As culturas populares no capitalismo. São Paulo: Brasiliense, 1983.

COLE, Michael. Cultural psychology: a once and future discipline. Cambridge: The Belknap Press, 1998.

CROCCO, Marco. Et al. Metodologia de identificação de arranjos produtivos locais potenciais: uma nota técnica. Belo Horizonte: Cedeplar/UFMG, 2003.

DAVYDOV, Vasily. Análisis de los principios didácticos de la escuela tradicional y posibles principios de enseñanza en el futuro próximo. In: DAVYDOV, Vasily; SHUARE, Marta (Org.). La psicología evolutiva y pedagógica em la URSS: antología. Moscú: Editorial Progreso, 1987. p. 143-154.

ENGESTRÖM, Yrjö. Learning by expanding: an activity-theoretical approach to developmental research. Helsinki: Orienta-Konsultit, 1987.

______. Expansive learning at work: toward an activity theoretical reconceptualization. Journal of Education and Work, v. 14, n. 1, p. 133-156, 2001.

______. Como superar a encapsulação da aprendizagem escolar. In: DANIELS, Harry (Org.). Uma introdução a Vigotski. São Paulo: Loyola, 2002. p. 175-198.

______. Activity theory and learning at work. In: MALLOCH, Margaret. Et al (Org.). The SAGE handbook of workplace learning. London: Sage, 2011. p. 86-104.

______. Learning by expanding. 2nd ed. New York: Cambridge University Press, 2014.

ENGESTRÖM, Yrjö; BLACKLER, Frank. On the life of the object. Organization, v. 12, n. 3, p. 307-330, 2005.

ENGESTRÖM, Yrjö; MWANZA, Daisy. Pedagogical adepness in the design of e-learning enviroments: experiences from the Lab@Future Project. In: WORLD CONFERENCE ON E-LEARNING IN CORPORATE, GOVERNMENT, HEALTHCARE, AND HIGHER EDUCATION, 2003, Phoenix. Proceedings… Phoenix, 2003. p. 1344-1347.

ENGESTRÖM, Yrjö. Et al. Spatial and temporal expansion of the object as a challenge for reorganizing work. In: NICOLINI, Davide; GHERARDI, Silvia; YANOV, Dvora (Org.). Knowing in organizations: a practice-based approach. New York: Taylor & Francis, 2016. p. 151-186.

ENGESTRÖM, Yrjö; SANNINO, Annalisa. Studies of expansive learning: foundations, findings and future challenges. Educational Research Review, v. 5, n. 1, p. 1-24, 2010.

FELDMAN, Martha S. Et al. Making sense of stories: a rhetorical approach to narrative analysis. Journal of Public Administration Research and Theory, v. 14, n. 2, p. 147-170, 2004.

FERNANDES, Valdir; SAMPAIO, Carlos Alberto Cioce. Formulação de estratégias de desenvolvimento baseado no conhecimento local. RAE-Eletrônica, v. 5, n. 2, jul./dez. 2006. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/raeel/v5n2/v5n2a02.pdf>. Acesso em: 08 jul. 2017.

FRANZOSI, Roberto. Narrative analysis: why (and how) sociologists should be interested in narrative. Annual Review of Sociology, v. 24, n. 1, p. 517-554, 1998.

FREITAS, Maria Teresa de Assunção. A abordagem sócio-histórica como orientadora da pesquisa qualitativa. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, n. 116, p. 21-39, 2002.

GARCIA, Manon. Et al. Ecosocioeconomics and logistics of urban delivery: sustainability indicators. Espacios, v. 36, n. 16, p. 18, 2015.

GRIMM, Isabel Jurema. Et al. Arranjos socioprodutivos de base territorial: uma análise das feiras livres comunitárias na cidade de Curitiba. In: ENCONTRO DE TURISMO DE BASE COMUNITÁRIA E ECONOMIA SOLIDÁRIA (ETBCES), 6., 2016. Anais... Salvador: UNEB, 2016.

GRIMM, Isabel Jurema. Et al. Encadeamento ecossocieconômicos e gestão urbana: um estudo das feiras livres na cidade de Curitiba. Novos Cadernos NAEA, v. 21, p. 35-56, 2018.

ILYENKOV, Evald. The dialectics of the abstract and the concrete in Marx´s Capital. Moscow: Progress Publishers, 1982.

KAPP, Karl William. Planwirtschaft und aussenhandel. Genève: Georg & Cie, S. A. Lihraires-Editeurs, 1936.

______. The social costs of business enterprise. Nottingham: Spokesman Books, 1963.

LEONTIEV, Aleksei Nikolaevich. Actividad, conciencia y personalidad. Mexico, DF: Editorial Cartago, 1984.

LIMA, Ricardo Gomes. Artesanato solidário. Artesanato: cinco pontos para discussão. 2005. Disponível em: <http://www.cnfcp.gov.br/interna.php?ID_Secao=96>. Acesso em: 08 jul. 2017.

MANNING, Peter K.; CULLUM-SWAN, Betsey. Narrative, content and semiotic analysis. In: DENZIN, Norman K.; LINCOLN, Yvonna S. (Org.). Handbook of qualitative research. Thousand Oaks, CA: Sage, 1994. p. 463-478.

MAX-NEEF, Manfred. Et al. Desenvolvimento e necessidades humanas. In: MAX-NEEF, Manfred (Org.). Desenvolvimento à escala humana: concepção, aplicação e reflexos posteriores. Blumenau, SC: Edifurb, 2012. p. 26-57.

MONTIBELLER FILHO, Gilberto. Ecodesenvolvimento e desenvolvimento sustentável: conceitos e princípios. Textos de Economia, v. 4, n. 1, p. 131-142, 1993.

PROCOPIUCK, Mario. Et al. Feiras urbanas livres em Curitiba: análise sob a perspectiva da ecossocioeconomia. In: SIMPOSIO INTERNACIONAL: ESPACIOS EN MOVIMIENTO EL PASADO Y EL FUTURO DE LAS ESTRUCTURAS URBANAS Y RURALES, 2017, Varsóvia. Anais… Varsovia: Departamento de Geografía del Desarrollo y Planeación Espacial de la Facultad de Geografía y Estudios Regionales de la Universidad de Varsovia, 2017.

SACHS, Ignacy. Rumo à ecossocioeconomia: teoria e prática do desenvolvimento. São Paulo: Cortez, 2007.

______. Desenvolvimento includente, sustentável e sustentado. Rio de Janeiro: Geramond, 2008.

SAMPAIO, Carlos Alberto Cioce. Gestão que privilegia uma outra economia: ecossocioeconomia das organizações. Blumenau, SC: EDIFURB, 2010.

SAMPAIO, Carlos Alberto Cioce; DALLABRIDA, Ivan Sidney. Ecossocioeconomia das organizações: gestão que privilegia uma outra economia. Revista da FAE, Curitiba, v. 12, n. 2, p. 17-33, jul./dez. 2009.

SAMPAIO, Carlos Alberto Cioce. Et al. Racionalidade de tomada de decisão para o planejamento e a gestão territorial sustentável. Revista do Desenvolvimento Regional - REDES, v. 16, n. 2, p. 131-155, 2011.

SERVIÇO BRASILEIRO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS (SEBRAE). Termo de referência: atuação do Sistema SEBRAE no artesanato. Brasília, DF, 2010.

VIGOTSKY, Lev S. A formação social da mente: o desenvolvimento dos processos psicológicos superiores. 3. ed. São Paulo: Martins Fontes, 1998.

VIRKKUNEN, Jaakko; SCHAUPP, Marika. From change to development: expanding the concept of intervention. Theory & Psychology, v. 21, n. 5, p. 629-655, 2011.

ZDEPSKI, Fabiola Bevervanço. Et al. Teoria da Atividade para compreender como o artesanato de referência cultural pode ter fortalecida a criatividade em arranjos de Ecossocioeconomia. In: ENCONTRO NACIONAL DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA EM AMBIENTE E SOCIEDADE (ANPPAS), 8., 2017, Natal. Anais... Natal: ANPPAS, 2017.

Como Citar

ZDEPSKI, F. B.; GRIMM, I. J.; PROCOPIUCK, M. Aprendizagem expansiva e ecossocioeconomias na prática artesanal da Feira de Arte e Artesanato do Largo da Ordem em Curitiba-Pr. Revista da FAEEBA - Educação e Contemporaneidade, [S. l.], v. 27, n. 52, p. 26–43, 2018. DOI: 10.21879/faeeba2358-0194.2018.v27.n52.p26-43. Disponível em: https://revistas.uneb.br/index.php/faeeba/article/view/5311. Acesso em: 29 maio. 2024.