Educação para o ecodesenvolvimento no ensino básico sob a perspectiva da Ecossocioeconomia

Autores

  • Diego Santos Universidade Regional de Blumenau (FURB).
  • Cristiane Mansur de Moraes Souza Universidade Regional de Blumenau (FURB).

DOI:

https://doi.org/10.21879/faeeba2358-0194.2018.v27.n52.p72-88

Palavras-chave:

Educação básica, Escala local e regional, Educação para o ecodesenvolvimento, Ecossocioeconomia

Resumo

O século XXI trouxe consigo inúmeras revoluções científicas. Entretanto, ainda se depende essencialmente dos recursos naturais para o bem-estar humano. A educação exerce importante papel no desenvolvimento da humanidade e no modo como as populações alteram a dinâmica da natureza. Neste sentido, o ecodesenvolvimento está envolto na ecossocioeconomia, por ser um enfoque que enfatiza que os sistemas sociais estão imbricados nos sistemas naturais. O artigo retrata uma experiência ecossocioeconomica de metodologia pesquisa-ação em três eixos temáticos: i) história da ocupação de Blumenau e região; ii) meio ambiente e bairro; iii) interfaces entre saúde ambiental e humana. Resultados envolveram a expansão nas percepções e maneiras de pensar e agir, bem como a promoção da inovação pedagógica, à luz do enfoque do ecodesenvolvimento. Conclui-se que estudar a percepção da realidade físico-geográfica e socioambiental local pode levar a um aumento da percepção da vulnerabilidade socioambiental.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALCÂNTARA, L. C. S. Projetos de desenvolvimento: processos de ensino-aprendizagem ou processos de instrumentalização? 2015. 313f. Tese (Doutorado em Desenvolvimento Regional) – Fundação Universidade Regional de Blumenau (FURB), Blumenau, SC, 2015.

BOFF, L. Crise: Oportunidade de crescimento. Campinas, SP: Verus, 2002.

BRASIL. Presidência da República. Casa Civil. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília, DF, 1996. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L9394.htm>. Acesso em: 30 jan. 2017.

______. Ministério da Educação. Parâmetros Curriculares Nacionais: Meio Ambiente, Saúde. Brasília, DF, 1997.

______. Presidência da República. Casa Civil. Lei nº 9.795, de 27 de abril de 1999. Dispõe sobre a educação ambiental, institui a Política Nacional de Educação Ambiental e dá outras providências. Brasília, DF, 1999. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L9795.htm>. Acesso em: 13 jul. 2018.

______. Presidência da República. Casa Civil. Lei nº 11.502, de 11 de julho de 2007. Modifica as competências e a estrutura organizacional da fundação Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior - CAPES, de que trata a Lei no 8.405, de 9 de janeiro de 1992; e altera as Leis nos 8.405, de 9 de janeiro de 1992, e 11.273, de 6 de fevereiro de 2006, que autoriza a concessão de bolsas de estudo e de pesquisa a participantes de programas de formação inicial e continuada de professores para a educação básica. Brasília, DF, 2007. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2007/lei/l11502.htm>. Acesso em: 13 jul. 2018.

BRÜSEKE, F. J. O problema do desenvolvimento sustentável. In: CAVALCANTI, Clóvis (Org.). Desenvolvimento e natureza: estudos para uma sociedade sustentável. Recife, PE: INPSO-FUNDAJ, 1994. p. 29-40.

CAPES. Diretoria de Formação de Professores da Educação Básica. Relatório de Gestão Novos Talentos. Brasília, DF, 2013. Disponível em: <http://www.capes.gov.br/images/stories/download/bolsas/1892014-relatorio-NOVOS-TALENTOS.pdf>. Acesso em: 25 jul. 2016.

CAPRA, F. A teia da vida: uma nova compreensão científica dos sistemas vivos. São Paulo: Cultrix, 1996.

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO (CNUMAD). Agenda 21 Global. 1992. Disponível em: <http://www.mma.gov.br/responsabilidade-socioambiental/agenda-21/agenda-21-global>. Acesso em: 15 nov. 2017.

DELORS, J. Et al. Educação: um tesouro a descobrir. Relatório para a UNESCO da Comissão Internacional sobre Educação para o século XXI. 2010. Disponível em: <http://unesdoc.unesco.org/images/0010/001095/109590por.pdf>. Acesso em: 14 nov. 2017.

GOMES, A. M.; MANSUR, M. S. C.; TABOSA, A. P. Ecodesenvolvimento como resposta a uma crise multidimensional. In: SIMPÓSIO BRASILEIRO DE DESENVOLVIMENTO TERRITORIAL SUSTENTÁVEL, 1., 2015, Matinhos, PR. Anais... Matinhos: UFPR Litoral, 2015. Disponível em: <http://www.ppgdts.ufpr.br/wp-content/uploads/2016/02/EBOOK-Simposio.pdf>. Acesso em: 08 jul. 2017.

JACOMEL, F.Et al. Programa Novos Talentos UFSC: dilemas na formação de educadores para o ecodesenvolvimento – um balanço das experiências do núcleo transdisciplinar de meio ambiente e desenvolvimento (NMD) do litoral catarinense. In: SOUZA, C. M. M. Et al. (Org.). Novos talentos: processos de educação para o ecodesenvolvimento. Blumenau, SC: Nova Letra, 2016. p. 83-104.

LAYRARGUES, P. P. Do ecodesenvolvimento ao desenvolvimento sustentável: evolução de um conceito? Revista Proposta, v. 25, n. 71, p. 5-10, 1997.

LIMA, G. F. C. Consciência ecológica: emergência, obstáculos e desafios. Ciência & Trópico, Recife, v. 26, n. 1, p. 103-122, jan./jun. 1998. Disponível em: <https://periodicos.fundaj.gov.br/CIC/article/view/672/443>. Acesso em: 24 abr. 2018.

MANTOVANELI JÚNIOR, O.; SAMPAIO, C. A. C. Princípios para a governança no ecodesenvolvimento: sustentabilidade política e administrativa, enquanto argumentos qualificadores do processo político decisório. In: ENCONTRO DA ANPAD, 30., 2006. Anais… Salvador: Anpad, 2006.

MAX-NEEF. M. In: El proceso descentralizador y las reformas regionales a la luz de la creación de la Nueva Región de Los Ríos. Uach, 2007.

MEADOWS, D. H. Et al. Os limites do crescimento: um relatório para o projeto do Clube de Roma sobre o dilema da humanidade. São Paulo: Perspectiva, 1973.

MONTIBELLER FILHO, G. Ecodesenvolvimento e desenvolvimento sustentável; conceitos e princípios. Textos de Economia, Florianópolis, v. 4, n. 1, p. 131-142, 1993.

MORIN, E. Cultura de massas no século XX: o espírito do tempo II: necrose. Rio de Janeiro: Forense-Universitária, 1975.

______. Pour sortir du XXe siècle. Paris: Fernand Nathan, 1981.

MOTA, J. A. Et al. Trajetória da governança ambiental. Boletim Regional e Urbano – IPEA, Brasília, DF, n. 1, p. 11-20, jul./dez. 2008.

NASCIMENTO, C. C.; PEREIRA, M. L. Educação para o ecodesenvolvimento: narrativa preliminar de um processo em construção. 2003. Disponível em: <http://www.nmd.ufsc.br>. Acesso em: 15 nov. 2017.

SACHS, I. Estratégias de transição para o século XXI: desenvolvimento e meio ambiente. São Paulo: Studio Nobel, 1993.

______. Desenvolvimento numa economia mundial liberalizada e globalizante: um desafio impossível. Estudos Avançados, v. 11, n. 30, p. 213-242, 1997.

______. Rumo à ecossocioeconomia: teoria e prática do desenvolvimento. São Paulo: Cortez, 2007.

______. A terceira margem: em busca do ecodesenvolvimento. São Paulo: Companhia das Letras, 2009.

SAMAGAIA, J. Globalização e cidade: reconfigurações dos espaços de pobreza em Blumenau/SC. 2010. 263f. Tese (Doutorado em Geografia) – Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Florianópolis, 2010.

SAMPAIO, C. A. C. Gestão que privilegia uma outra economia: ecossocioeconomia das organizações. Blumenau, SC: Edifurb, 2010.

SANTOS, D. Na cidade jardim nem tudo são flores: vulnerabilidade socioambiental e educação para o ecodesenvolvimento. 2018. 169f. Dissertação (Mestrado em Desenvolvimento Regional) – Fundação Universidade Regional de Blumenau (FURB), Blumenau, SC, 2018.

SAUVÉ, L. Éducation relative à l’environnement: pour un savoir critique et un agir responsable. In: TESSIER, R.; VAILLANCOURT, J. G. (Ed.). La recherche sociale en environnement: nouveaux paradigmes. Montréal: Les Presses de l’Université de Montréal, 1996. p. 89-106.

______. Recherche et formation en éducation relative à l’environnement: une dynamique réflexive. Education Permanente, v. 148, p. 31-44, 2001.

SINGER, P. Ética prática. São Paulo: Martins Fontes, 2002.

STRONG, M. Prefácio. In: SACHS, I. Estratégias de transição para o século XXI: desenvolvimento e meio ambiente. São Paulo: Studio Nobel, 1993. p. 7-9.

TOLEDO, V. M. M.; BARRERA-BASSOLS, N. A etnoecologia: uma ciência pós-normal que estuda as sabedorias tradicionais. Revista Desenvolvimento e Meio Ambiente, Curitiba, n. 20, p. 31- 45, jul./dez. 2009.

TUAN, Y.F. Topofilia: um estudo da percepção, atitudes e valores do meio ambiente. São Paulo: DIFEL, 1980.

VIEIRA, P. F. Meio ambiente, desenvolvimento e planejamento. In: VIOLA, E. J. Et al. Meio ambiente, desenvolvimento e cidadania: desafios para as ciências sociais. São Paulo: Cortez, 1995. p. 45-98.

______. Repensando a educação para o ecodesenvolvimento no Brasil. In: ENCONTRO NACIONAL DE ENSINO AGRÍCOLA, 8., 2002, Camboriú, SC. Anais... Camburiú, SC: UFSC, 2002.

VON DENTZ, C. Epistemologia e educação ambiental: algumas perspectivas. 2008. 75f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Fundação Universidade Regional de Blumenau (FURB), Blumenau, SC, 2008.

Publicado

2018-08-31

Como Citar

SANTOS, D.; SOUZA, C. M. de M. Educação para o ecodesenvolvimento no ensino básico sob a perspectiva da Ecossocioeconomia. Revista da FAEEBA - Educação e Contemporaneidade, [S. l.], v. 27, n. 52, p. 72–88, 2018. DOI: 10.21879/faeeba2358-0194.2018.v27.n52.p72-88. Disponível em: https://revistas.uneb.br/index.php/faeeba/article/view/5297. Acesso em: 14 jul. 2024.