A FORMAÇÃO DO PROFESSOR E AS PRÁTICAS DE LEITURA EESCRITA NAS ESCOLAS RURAIS DO RIO GRANDE DO SUL

Autores

  • Helenise Sangoi Antunes Universidade Federal de Santa Maria (UFSM).

DOI:

https://doi.org/10.21879/faeeba2358-0194.2012.v21.n37.p%25p

Resumo

A problemática desta investigação está pautada na relação da formação de professores e as práticas de leitura e escrita que acontecem nas escolas de ensino rural do Rio Grande do Sul. Para tanto, constitui-se no recorte de um projeto de pesquisa com uma envergadura maior, intitulado “Memórias e relatos autobiográficos de alfabetizadoras: um estudo sobre as cartilhas de alfabetização nas escolas municipais rurais do Rio Grande do Sul”, financiado na modalidade Auxílio à Pesquisa (APQ), mediante recursos financeiros do Edital Universal 2008 do CNPq, que recentemente aprovou a prorrogação de suas atividades por mais um ano, esten-dendo-se até novembro de 2011. O estudo fundamentou-se numa metodologia qualitativa, conforme a utilizada nos estudos de Bogdan e Biklen (1994). As informações foram obtidas por meio de entrevistas semiestruturadas, relatos autobiográficos e registros em diário de campo com 13 alfabetizadoras das escolas rurais do interior do Rio Grande do Sul. Das professoras participantes da pesquisa, dez têm curso de pós-graduação, principalmente especialização em alfabetização, e entre 22 e 26 anos de tempo de exercício profissional enquanto alfabetizadoras das escolas do campo (rurais).

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Helenise Sangoi Antunes, Universidade Federal de Santa Maria (UFSM).

Doutora em Educação pela UFSM. Professora Associada I do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM). Diretora do Centro de Educação

Referências

ABRAHÃO, Maria Helena Menna Barreto. Pesquisa (auto) biográfica: tempo, memória e narrativas. In: ______

(Org.). A aventura (auto) biográfica. Teoria e Empiria. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2004. p. 267-291.

ANTUNES, Helenise Sangoi. Ser aluna, ser professora: uma aproximação das significações sociais instituídas e institu-intes construídas ao longo dos ciclos de vida pessoal e profissional. 2001. 257 f. Tese (Doutorado em Educação)–

Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2001.

______. Ser aluna e ser professora: um olhar para os ciclos de vida pessoal e profissional. Santa Maria: Editora da UFSM, 2011.

______; BARCELOS, Valdo. Alfabetização, letramento e leitura: territórios formativos. Santa Cruz do Sul:EDUNISC, 2010.

BOGDAN, Robert C; BIKLEN, Sari Knopp. Investigação qualitativa em educação: uma introdução à teoria e aos métodos. 4. ed. Porto: Porto, 1994.

BOURDIEU, Pierre. O poder simbólico. Lisboa: Difel, 1989.

DESLANDES, S. F. A construção do projeto de pesquisa. In: MINAYO, M. C (Org.). Pesquisa social. 5. ed. Petrópolis: Vozes, 1994. p. 31-50.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia. Saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra,1996.

JOSSO, Marie-Cristine. Experiências de vida e formação. Lisboa: Educa, 2002.

KRAMER, Sonia. SOUZA, Solange Jobim. Experiência humana, história de vida e pesquisa: um estudo da narrativa,leitura e escrita de professores. In: Histórias de professores: leitura, escrita e pesquisa em educação. São Paulo: Ática, 2003. p. 13-40.

LEMOS, Helen Daneres. A produção de textos e o letramento nos anos iniciais: a prática de acadêmicos formandos do Curso de Pedagogia. 2006. 193 f. Dissertação (Mestrado)– Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, 2006.

LIMA, Graziela Escandinel de. Lembramos, brincamos. A auto-formação pela história de vida. 2002.174 f. Dissertação (Mestrado)– Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, 2002.

MEIHY, José Carlos Sebe Bom. Manual de historia oral. São Paulo: Loyola, 2005.

MORTATTI, Maria do Rosário Longo. Os sentidos da alfabeti-zação. São Paulo: Editora da UNESP, 2000.

______. História dos métodos de alfabetização no Brasil. Seminário Alfabetização e Letramento em Debate. Brasília, 2006. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/Ensfund/alf_mortattihisttextalfbbr.pdf>.Acesso em: maio 2006.

ORLANDI, E. P. Discurso e prática. São Paulo: Cortez, 1993.

SILVA, Josenilda M. Prática de ensino e sensibilidade curricular ante múltiplos espaços de ação cultural. In:

ENCONTRO NACIONAL DE DIDÁTICA E PRÁTICAS DE ENSINO, 10., 2000, Rio de Janeiro. Anais... Rio de Janeiro: ENDIPE, 2000.

SOUZA, Elizeu Clementino de. Pesquisa narrativa e escrita (auto) biográfica: interfaces metodológicas e formativas.

In: SOUZA, Elizeu Clementino de; ABRAHÃO, Maria Helena Menna Barreto (Org.). Tempos, narrativas e ficções: a invenção de si. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2006. p. 135-148.

STIVANIN, Neridiana Fábia. Estágio supervisionado: um estudo a partir das significações sociais construídas pelas

estagiárias sobre o Curso de Pedagogia/CE/UFSM. 2007. 122 f. Dissertação (Mestrado em Educação)– Programa

de Pós-Graduação, Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, 2007.

Como Citar

ANTUNES, H. S. A FORMAÇÃO DO PROFESSOR E AS PRÁTICAS DE LEITURA EESCRITA NAS ESCOLAS RURAIS DO RIO GRANDE DO SUL. Revista da FAEEBA - Educação e Contemporaneidade, [S. l.], v. 21, n. 37, 2013. DOI: 10.21879/faeeba2358-0194.2012.v21.n37.p%p. Disponível em: https://revistas.uneb.br/index.php/faeeba/article/view/470. Acesso em: 27 fev. 2024.