MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO: A CONSTITUIÇÃO DO PROFESSOR/PESQUISADOR E O RETORNO PARA A ESCOLA

Autores

  • Eliane Davanço Nogueira Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul
  • Celi Corrêa Neres Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul
  • Vilma Miranda Brito Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS).

DOI:

https://doi.org/10.21879/faeeba2358-0194.2016.v25.n47.p63-75

Palavras-chave:

Mestrado profissional, Educação básica, Qualificação profissional

Resumo

O mestrado profissional em educação tem se apresentado como um importante espaço de formação de docentes da educação básica, já que se pretende nessa modalidade, por meio da imersão na pesquisa, formar um professor/pesquisador. Vislumbra-se, no âmbito de um mestrado dessa natureza, que o professor/pós-graduando/pesquisador possa desenvolver pesquisa focalizada nas situações reais, na sala de aula, nos diversos espaços educativos e, portanto, tem condições de ser protagonista de sua formação e transformação profissional. Nesse sentido, este artigo tem o objetivo de tecer reflexões sobre o percurso formativo dos docentes da educação básica na modalidade mestrado profissional e os possíveis impactos dessa formação para os profissionais e para a escola. Para tanto, buscou-se, por meio de abordagem qualitativa, apreender, por meio de narrativas dos egressos, os percursos, os sentidos e as possíveis contribuições dessa formação, no nível pessoal e profissional e, consequentemente, para a educação básica. As narrativas mostraram que a prática profissional foi transformada pela pesquisa realizada, os egressos destacaram a importância da relação direta entre a pesquisa e a realidade profissional, no entanto, o impacto pretendido pela aplicação dos projetos de intervenção ainda é algo a ser conquistado, o que revela necessidade de criar políticas para esse fim.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Eliane Davanço Nogueira, Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul

Doutora em Educação pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). Professora do curso de Pedagogia da Universidade
Estadual de Mato Grosso do Sul e do Programa de Pós-Graduação - Mestrado Profissional em Educação (Profeduc), Unidade Universitária de Campo Grande.

Celi Corrêa Neres, Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul

Doutora em Educação pela Universidade de São Paulo (USP). Pós-doutorado na Universidade Federal de Mato Grosso do
Sul, Campus Pantanal (UFMS). Mestre em Educação pela Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS). Professora do curso de Pedagogia da Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul (UEMS) e do Programa de Pós-Graduação em Educação – Mestrado Profissional em Educação da UEMS

Vilma Miranda Brito, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS).

Doutora em Educação pela Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS). Mestre em Educação pela Universidade Federal
de Mato Grosso do Sul (UFMS). Professora do curso de Pedagogia da Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul (UEMS) e
do Programa de Pós-Graduação em Educação – Mestrado Profissional em Educação (UEMS).

Referências

ANDRÉ, M. Desafios da pós-graduação e da pesquisa sobre formação de professores. Educação & Linguagem, ano 10, n. 15, p. 43-59, jan./jun. 2007.

ARROYO, M. G. Reinventar e formar o profissional da educação básica. In: BICUDO, M. A. V.; SILVA JUNIOR, C. A. da. (Org.). Formação do educador: dever do Estado, tarefa da universidade. São Paulo: Universidade Estadual Paulista, 1996. p. 47-67.

______. Ciclos de desenvolvimento humano e formação de educadores. Educação e Sociedade, Campinas, SP, n. 68, p. 143-162, dez. 1999.

BARROS, M de. Poemas. Disponível em: <http://www.poesiaspoemaseversos.com.br/manoel-de-barros-poemas/>. Acesso em: 10 jul. 2016.

BRASIL. Portaria Normativa nº 17, de 28 de dezembro de 2009. Dispõe sobre o mestrado profissional no âmbito da Fundação Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior – CAPES. Diário Oficial da União, Brasília, DF, n. 248, 29 dez. 2009. Seção 1, p. 20. Disponível em: <https://www.capes.gov.br/images/stories/download/legislacao/PortariaNormativa_17MP.pdf>. Acesso em: 15 jul. 2016.

CLANDININ, D. J.; CONNELLY, F. M. Pesquisa narrativa: experiência e história em pesquisa qualitativa. 2. ed. Uberlândia, MG: EDUFU, 2015.

DAY, C. Desenvolvimento profissional de professores. Os desafios da aprendizagem permanente. Porto: Porto Editora, 2001.

GATTI, B. A. Análise das políticas públicas para formação no Brasil, na última década. Revista Brasileira de Educação, v. 13, n. 37, p. 57-70, 2008.

LARROSA, J. Tecnologias do eu e educação. In: SILVA, T. T. (Org.). O sujeito da educação. Petrópolis, RJ: Vozes, 1994. p. 35-86.

RIBEIRO, R. J. O Mestrado Profissional na atual política da CAPES. Debates R B P G, v. 2, n. 4, p. 8-15, jul. 2005.

SAVIANI, D. Pedagogia histórico-crítica: primeiras aproximações. 10. ed. Campinas, SP: Autores Associados, 2008. (Coleção Educação Contemporânea).

______. Formação de professores: aspectos históricos e teóricos do problema no contexto brasileiro. Revista Brasileira de Educação, v. 14, n. 40, jan./abr. 2009.

ZEICHNER, K. Repensando as conexões entre a formação na universidade e as experiências de campo na formação de professores em faculdades e universidades. Educação, Santa Maria, RS, v. 35, n. 3, p. 479-504, set./dez. 2010.

Publicado

2018-04-02

Como Citar

NOGUEIRA, E. D.; NERES, C. C.; BRITO, V. M. MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO: A CONSTITUIÇÃO DO PROFESSOR/PESQUISADOR E O RETORNO PARA A ESCOLA. Revista da FAEEBA - Educação e Contemporaneidade, [S. l.], v. 25, n. 47, p. 63–75, 2018. DOI: 10.21879/faeeba2358-0194.2016.v25.n47.p63-75. Disponível em: https://revistas.uneb.br/index.php/faeeba/article/view/4571. Acesso em: 15 jun. 2024.