Iracy Doyle

retrato feminino da ciência

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21879/faeeba2358-0194.2021.v30.n63.p166-180

Palavras-chave:

Psiquiatria; Feminismo; Androcentrismo

Resumo

Através de um olhar sobre sua biografia (vida e obra), buscaremos narrar alguns aspectos considerados importantes para a compreensão dos estudos desenvolvidos pela psiquiatra carioca Iracy Doyle, além dos/as intelectuais que contribuíram e tiveram influência sobre suas pesquisas, de modo a nos aproximarmos do lugar de onde produzia seus estudos e as condições que possibilitaram a emergência de tais investimentos. Vale destacar que Iracy Doyle foi a primeira mulher médica a escrever, no Brasil, uma tese sobre a homossexualidade feminina, distanciando-se significativamente das demais conclusões de seus pares (médicos homens) a respeito das causas que levariam à inversão sexual das mulheres.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marlon Silveira da Silva, Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ)

Doutorando em Educação no Programa de Pós-Graduação em Educação (PROPEd) da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ) na linha de pesquisa Currículo: sujeitos, conhecimento e cultura. Mestre em Educação pela Universidade Federal do Rio Grande (FURG - 2016) e Licenciado em História pela Faculdade Porto Alegrense (FAPA - 2012). É membro do grupo de pesquisa Currículo, cultura e diferença (PROPEd-UERJ). Profissionalmente, tem experiência como professor de Sociologia e Filosofia, além da experiência em espaços e instituições educativas e de preservação do patrimônio público e privado, tendo também atuado como educador popular em oficinas e cursos voltados para os temas: juventudes, vulnerabilidades, protagonismos e Direitos Humanos. Desenvolve pesquisas nas áreas da História, Educação, Gênero e Sexualidade, orientado pelos Estudos Culturais, feministas e de-coloniais. Áreas de interesse: História, História do Brasil, História da Educação, Gênero e Sexualidade.

Vanessa Lima Blaudt, Universidade Federal Fluminense

Mestre e doutoranda em Educação pelo Programa de Pós-graduação da Universidade Federal Fluminense (UFF) na linha de pesquisa Estudos do Cotidiano e Educação popular. Os estudos do cotidiano escolar, os estudos sobre gênero e, em especial, sobre as lesbianidades e os feminismos decoloniais são alguns temas de interesse e pesquisa. É professora da rede estadual de ensino de Nova Friburgo, RJ. 

Marcio Caetano, Universidade Federal de Pelotas

Pós-doutor em Currículo, com apoio do PNPD-CAPES, no Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ). Coordenador do Centro de Memória LGBTI João Antônio Mascarenhas (UFPEL/FURG/UFES/UFOB). Graduado em História pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), com mestrado e doutorado em educação pela Universidade Federal Fluminense (UFF). Docente na Universidade Federal de Pelotas (UFPEL), onde também orienta investigações desenvolvidas no Programa de Pós-graduação em Educação. Os seus temas de interesse e pesquisa são: 1. currículos e culturas; 2. masculinidade(s) e 3. população lésbica, gay, bissexual, travesti e transexual e 4. estudos decoloniais e subalternos.

Publicado

2021-09-29

Como Citar

DA SILVA, M. S.; BLAUDT, V. L.; CAETANO , M. R. V. Iracy Doyle : retrato feminino da ciência. Revista da FAEEBA - Educação e Contemporaneidade, [S. l.], v. 30, n. 63, p. 166–180, 2021. DOI: 10.21879/faeeba2358-0194.2021.v30.n63.p166-180. Disponível em: https://revistas.uneb.br/index.php/faeeba/article/view/10462. Acesso em: 16 jun. 2024.