O ENSINO NUMA ESCOLA PLURAL

Autores

  • Miguel Corrêa Monteiro Universidade de Lisboa

DOI:

https://doi.org/10.21879/faeeba2358-0194.2014.v23.n42.p153-162

Palavras-chave:

Formação de professores, Multiculturalismo, Formação plural

Resumo

É inegável que a educação inter/multicultural tem vindo a ganhar uma importância cada vez maior devido, em parte, ao próprio fenômeno do racismo na Europa, que tem sido, no nosso entender, provocado pelas políticas de imigração mal reguladas e não integradoras, em parte derivadas da própria lógica cega de mercado associada ao fenômeno da globalização. A mudança que a escola confronta é correlativa da mudança em curso nas sociedades ocidentais – a passagem de sociedades de figurino predominantemente nacional e relativamente estáveis na sua fisionomia sociocultural da primeira metade do século XX, às sociedades características do pós anos 1960, crescentemente multiculturais e multiétnicas, numa sociedade global onde as fronteiras se esbatem, onde a circulação de informação e de pessoas é uma constante, onde os níveis de bem-estar subiram, mas os fenômenos de exclusão se agravaram.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Miguel Corrêa Monteiro, Universidade de Lisboa

Doutor em História pela Universidade de Lisboa. Professor agregado no Departamento de História da Faculdade de Letras
da Universidade de Lisboa. Diretor do Mestrado em Didática da História. Coordenador da Comissão Científica do Mestrado
em Formação em Ensino de História/Geografia da Universidade de Lisboa

Referências

APPLE, Michael. Os professores e o currículo: abordagens sociológicas. Lisboa: Educa, 1997.

BLOCH, Marc. Introdução à História. Lisboa: Publicações Europa-América, 1977.

COIMBRA, Leonardo. O problema da educação nacional – tese apresentada ao Congresso da Esquerda Democrática realizado em 1926. Porto: Maranus, 1926.

CORTESÃO, Luísa; STOER, Stephen. Projectos, percursos, sinergias no campo da educação inter-multicultural. Porto: Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade de Aveiro, 1995.

CORREIA, José Alberto. Inovação pedagógica e formação de professores. Porto: Edições Asa, 1989.

DEWEY, John. Democracia e educação. 3. ed. São Paulo: Nacional, 1959.

FERRY, Gilles. Inovação pedagógica e formação de professores. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 1975.

FIGUEIREDO, Carla Cibele. Uma Escola multicultural em análise – através de um processo de Investigação/Acção. 1999. Dissertação (Mestrado em Relações Interculturais) - Universidade Aberta, Lisboa, 1999.

GRÁCIO, Rui. Os professores e a reforma do ensino. Lisboa: Livros Horizonte, 1973.

GUTMANN, Amy. Prefácio. In: TAYLOR, Charles. Multiculturalismo. Lisboa: Instituto Piaget, 1994. p. 11-12.

MAISONNEUVE, Jean. O problema das atitudes na função e na formação pedagógica. In: ASSOCIATION POUR LA RECHERCHE ET L’INTERVENTION PSYCHO-SOCIOLOGIQUES (ARIP). Pedagogia e psicologia dos grupos. Lisboa: Livros Horizonte, 1970. p. 70-75. (Biblioteca do Educador Profissional, n. 13).

PEROTTI, Antonio. Apologia do intercultural. 2. ed. Lisboa: Secretariado Entreculturas/Presidência do Conselho de Ministros/Ministério da Educação, 2003.

ROLDÃO, Maria do Céu. A Escola como instância de decisão curricular. In: ALARCÃO, I. (Org.). Escola reflexiva e supervisão – uma escola em desenvolvimento e aprendizagem. Porto: Porto Editora, 2000. p. 67-77. (ColeçãoCIDInE, n. 14).

WYMAN, Sarah LaBrec. Como responder à diversidade cultural dos alunos. Lisboa: Edições ASA, 2000.

Como Citar

MONTEIRO, M. C. O ENSINO NUMA ESCOLA PLURAL. Revista da FAEEBA - Educação e Contemporaneidade, [S. l.], v. 23, n. 42, p. 153–162, 2014. DOI: 10.21879/faeeba2358-0194.2014.v23.n42.p153-162. Disponível em: https://revistas.uneb.br/index.php/faeeba/article/view/1037. Acesso em: 25 jun. 2024.