UMA MODERNIDADE ALTERNATIVA?

ARQUITETURA, RAÇA E COLONIALISMO EM LOURENÇO MARQUES NO PERÍODO TARDO-COLONIAL

  • Inácio de Carvalho Dias de Andrade

Resumo

O artigo analisa a (re)produção da ideia de raça na urbanização de Lourenço Marques durante o período tardo-colonial. Na atual Maputo, seguidos projetos de urbanização buscaram dar materialidade a uma moderna nação ultramarina portuguesa ao mesmo tempo em que tentaram solucionar o problema da mão de obra autóctone. Assim, a capital moçambicana foi edificada a partir de diferentes percepções acerca de modernidade, de trabalho e de raça, que buscavam imprimir, ao cenário urbano laurentino, os grandes motes da colonização lusitana.  Assim, o celebrado movimento de arquitetura moderna de Moçambique nasceu em meio a um dilema: como projetar uma cidade moderna, humanista e igualitária no bojo do violento governo colonial português? Embora esse impasse não tenha sido necessariamente resolvido (e tenha sido muitas vezes ignorado), o legado da geração modernista em Lourenço Marques ainda é bastante perceptível nos edifícios e avenidas da capital e nos dão pista para compreender a produção da ideia de raça no império colonial português.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2020-10-22
Métricas
  • Visualizações do Artigo 33
  • PDF downloads: 62