Construções epistemológicas feministas decoloniais

pensares e ações que falem mais de nós, por nós!

  • Caroline Ramos do Carmo de Souza Universidade Católica do Salvador

Resumo

Este artigo é resultado de um esforço de maturação ideo-política, teórica e filosófica que contempla as contribuições de mulheres que adotam a perspectiva epistemológica feminista decolonial. Tal ponto de partida, busca compreender os traços de opressão presente na sociabilidade, para, a partir da realidade vivida pelos diversos sujeitos sociais, construir narrativas, que dialoguem com e não apenas sobre essas pessoas. Questionando teorias coloniais e exclusivamente eurocêntricas, propõe-se a introdução da compreensão decolonial, mas especificamente, feminista, para afirmar que existe no território brasileiro e baiano uma reprodução do conhecimento, muitas vezes destoante da nossa realidade (compreensão manifesta principalmente na produção do conhecimento acadêmico) e, cuja reconstrução e produção do saber, apenas será possível, pós tal revisão epistemológica.


Palavras-chave: Epistemologias decoloniais. Feminismo. Revisão Epistemológica.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Caroline Ramos do Carmo de Souza, Universidade Católica do Salvador

Doutoranda do Programa de Pós-graduação em Estudos de Gênero, Mulher e Feminismos - PPGNEIM/UFBA, Mestre em Políticas Sociais e Cidadania, Professora da Escola de Serviço Social - UCSal. E-mail: caroline.carmo@ucsal.br. Lattes http://lattes.cnpq.br/3764901343563790 / ORCID https://orcid.org/0000-0002-6909-3730

 

Referências

AKOTIRENE, Carla. O que é Interseccionalidade. Belo Horizonte: Letramento, 2019.

ALVAREZ, Sonia. “Construindo uma política feminista translocal da tradução”. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, 17(3): 743-753, setembro-dezembro/2009. Disponível em: <http://www.ieg.ufsc.br/admin/downloads/artigos/10022010¬01565 0p-743753-alvarez.pdf> . Acesso 08 dez 2020

BRASIL. Ipea – Instituto de Pesquisa Econômicas Aplicadas e FBSP - Fórum Brasileiro de Segurança Pública. Atlas da Violência. Rio de Janeiro: IPEA, jun 2020. Disponível em <https://www.ipea.gov.br/atlasviolencia/download/24/atlas-da-violencia-2020>. Acesso em 08 dez 2020.

CALDERÓN, Patricia Asunción Loaiza e GUEDES, Ana Lucia Malheiros. Abordagem metodológica em estudos decoloniais: possível diálogo entre a análise crítica do discurso e as epistemologias do sul. In: XI CONGRESSO

INTERNACIONAL DE ADMINISTRAÇÃO DA ESPM E XI SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE ADMINISTRAÇÃO E

MARKETING, 2016 Disponível em <http://ocs.espm.br/index.php/simposio2016/C2016/paper/down load/168/52>. Acesso em 08 fev 2021.

CARDOSO, Claudia Pons. Amefricanizando o feminismo: o pensamento de Lélia Gonzalez In: Estudos Feministas, Florianópolis, 22(3): 320, setembro-dezembro/2014. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/ref/v22n3/15.pdf> Acesso em 26 nov. 2020.

CARNEIRO, Sueli. Mulheres em Movimento. Estudos Avançados [online], São Paulo: v. 17, n. 49, set./ dez. 2003, p. 117-133. Disponível <http://www.scielo.br/pdf/ea/v17n49 /18400.pdf > Acesso em: 26 nov. 2020

CARNEIRO, Sueli. Escritos de uma vida. São Paulo: Editora Jandaíra, 2020

CARNEIRO, Sueli. Racismo, sexismo e desigualdade no Brasil. Brasil: Selo Negro, 2011

CLARIVATE ANALYTICS. Research in Brazil: A report for CAPES by Clarivate Analytics. 2019. Disponível em: <https://www.aguia.usp.br/wp-content/uploads/2018/01/ Relat%C3%B3rio-Clarivate-Capes-InCites-Brasil-2018.pdf>. Acesso em 28 mar 2021.

COSTA, Claudia de Lima. O sujeito no feminismo: revisitando os debates. In: Cadernos Pagu, n 19, 2002, p. 59-90

CURIEL, Ochy. Rumo à construção de um feminismo descolonizado. [Ciudad de Guatemala: s.n.], 2011. Disponível em: <https://mujeresixchel.wordpress.com/ 2011/10/12/hacia-la-construccion-de-un-feminismodescolonizado/>. Acesso em 11 dez. 2020

CURIEL, Ochy. Construindo metodologias feministas desde o feminismo decolonial. In: MELO, Paula Balduíno [et al] (orgs). Descolonizar o feminismo: VI Sernegra. Brasília: Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia, 2019, p. 32-51.

FIGUEIREDO, Angela. Epistemologia insubmissa feminista negra decolonial. Revista Tempo e Argumento, [S.l.], v. 12, n. 29, p.01-24, maio 2020. ISSN 2175-1803. Disponível em:<https://www.revistas.udesc.br/index.php/tempo/article/view/%202175180312292020e0102/11455>. Acesso em 20 dez. 2020.

FÓRUM BRASILEIRO DE SEGURANÇA PÚBLICA. Anuário Brasileiro de Segurança Pública, 2018. Disponível em <http://www.forumseguranca.org.br/publicacoes/anuario-brasileiro-de-seguranca-publica-2018/> Acesso em: 08 dez 2020.

GONZALEZ, Lélia. Por um feminismo afro-latino. Caderno de formação política do círculo Palmarino, [S. l.]: Batalha de ideias, n. 1., p. 12-21, 2011.

HARAWAY, Donna, “Saberes localizados: a questão da ciência para o feminismo e o privilégio da perspectiva parcial”. In: Cadernos Pagu, (5), 1995: p. 07-42. Disponível em <http://www.ieg.ufsc.br/ admin/downloads/artigos/31102009¬083336haraway.pdf>. Acesso 20 dez 2020.

HARDING, Sandra. “A instabilidade das categorias analíticas na teoria feminista”. Revista Estudos Feministas, N. 1, 1993, p. 7-32. Disponível em: <http://www.ieg.ufsc.br/admin/ downloads/artigos//REF/v1n1/Harding.pdf>. Acesso 20 dez 2020.

hooks, bell. “Postmodern Blackness”. In: Postmodern Culture, Vol. 1, N. 1, 1990, p. 10-18.

IBGE. INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua Trimestral. Disponível em: <https://sidra.ibge.gov.br/ tabela/6396 >. Acesso em 20 dez. 2020

KILOMBA, Grada. Memórias da plantação: episódios de racismo cotidiano. Tradução de Jess Oliveira. Rio de Janeiro: Editora Cobogó, 2019

LUGONES, Maria. Rumo a um feminismo descolonial. In: Estudos Feministas, Florianópolis, n. 22: setembro-dezembro, 2014, p. 935-952

MBEMBE, Achile. Crítica Da Razão Negra. Lisboa: Ed. Antígona, 2017

MENESES, Maria Paula. “Para ampliar as Epistemologias do Sul: verbalizando sabores e revelando lutas”, Configurações [Online], 12 | 2013, posto online no dia 09 outubro 2014, consultado o 23 dezembro 2020. Disponível em: <https://doi.org/10.4000/ configuracoes.1948>

MUNANGA, Kabengele. Uma abordagem conceitual das noções de raça, racismo, identidade e etnia. Cadernos

PENESB (Programa de Educação sobre o Negro na Sociedade Brasileira). Rio de Janeiro, n. 5, 2004, p. 15-34.

OPAS/OMS. Organização Panamericana de Saúde/Organização Mundial da Saúde. Saúde materna, 2016. Disponível em <https://www.paho.org/pt/node/63100>. Acesso em 21 mar. 2020

QUIJANO, Aníbal. Colonialidad del poder, eurocentrismo y América Latina. La colonialidad del saber: eurocentrismo y ciencias sociales, perspectivas Latinoamericanas. Buenos Aires e Caracas: CLACSO y UNESCO, 2000.

RIBEIRO, Djamila. O que é lugar de fala. Belo Horizonte: Letramento/Justificando, 2017.

RIBEIRO, Djamila. Pequeno Manual antirracista. São Paulo: Companhia das Letras, 2019

SANTOS, Boaventura Sousa & MENESES, Maria Paula (orgs.). Epistemologias do Sul. São Paulo: Cortez, 2010.

SARDENBERG, Cecilia. Revisitando o campo: Autocrítica de uma antropóloga feminista. Mora (B. Aires) vol.20 no.1 Ciudad Autónoma de Buenos Aires, ago. 2014. Disponível em <http://www.scielo.org.ar/scielo.phpscript=sci_arttext&pid=S1853-001X20140001 00004>. Acesso 20 nov 2020

SPIVAK, Gayatri. Pode o subalterno falar? Belo Horizonte: Editora UFMG, 2010. Parte IV.

WALSH, Catherine. Pedagogías Decoloniales. Práticas Insurgentes de resistir, (re)existir e (re)vivir. Serie Pensamiento Decolonial. Editora Abya-Yala. Equador, 2017.

Publicado
2021-05-17
Métricas
  • Visualizações do Artigo 211
  • pdf downloads: 549
Como Citar
DE SOUZA, C. R. DO C. Construções epistemológicas feministas decoloniais: pensares e ações que falem mais de nós, por nós!. Anãnsi: Revista de Filosofia, v. 2, n. 1, p. 19-35, 17 maio 2021.
Seção
Dossiê Filósofas e Filosofias da Mulheridade