Morrendo de rir: a (falta de) graça da existência visibilizada em Coringa, de Todd Phillips

  • Carlos Allencar Sérvulo Rezende Pereira Universidade Federal do Rio de Janeiro
  • João Víctor Moreira Gonçalves Universidade Federal do Rio de Janeiro

Resumo

O entendimento sobre a loucura como condição psíquica, também sustentada e produzida socialmente, ganha novas referências no cinema a partir do lançamento do filme Coringa, dirigido por Todd Phillips. Nele, Joaquim Phoenix incorpora o icônico personagem da DC Comics de forma tal a acender o debate sobre como que, através de uma rede de relações e conexões entre diversos atores sociais, os transtornos mentais são relegados a um lugar de exclusão e estigma, operação que mantém dinâmicas instituídas e acirra processos de vulnerabilização. Acionando um referencial teórico existencial-sartreano, busca-se visibilizar como a trajetória do personagem, nesta produção, é marcada por práticas sociais que são efeito de racionalidades que concebem a loucura de forma marginal e a associa à periculosidade. Como isso, trazemos à cena direções encaminhadas a partir da luta antimanicomial e da reforma psiquiátrica, com vistas a afirmar a potência de vidas não-normativas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BERG, Van de. O paciente psiquiátrico. São Paulo: Editorial Psy II, 1999.

BIRMAN, Joel. Mal-estar na atualidade: A psicanálise e as novas formas de subjetivação. 6. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2007.

BUTLER, Judith. Quadros de Guerra: quando a vida é passível de luto? 1. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2015.

CARNEIRO, Aparecida Sueli. A Construção do Outro como Não-Ser como fundamento do Ser.2005. Tese (Doutorado em Educação). Universidadede São Paulo, São Paulo, 2005.

CASTRO, Fernando Gastal de; EHRLICH, Irene Fabrícia. Introdução à Psicanálise Existencial: Existencialismo, Fenomenologia e Projeto de Ser. 1. ed. Curitiba: Juruá Editora, 2016.

DELEUZE, Gilles. Nietzsche e a filosofia. Rio de Janeiro: Editora Rio, 1976.

FOUCAULT, Michel. História da Loucura. 11. ed. São Paulo: Perspectiva, 2019.

MASCARO, Alysson Leandro. Crise e golpe. São Paulo: Boitempo, 2018.

MINAYO, Maria Cecília de Souza. Conceitos, teorias e tipologias de violência: a violência faz mal à saúde individual e coletiva. In: NJAINE, Kathie.; ASSIS, Njaine; Simone Gonçalves de; CONSTANTINO, Patricia. Impactos da Violência na Saúde. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz, 2007.

NIETZSCHE, Friedrich. Sobre verdade e mentira: no sentido extramoral. São Paulo: Hedra, 2008.

NUNES, Benedito. Filosofia Contemporânea. 4. ed. Rio de Janeiro: Travessa, 2019.

SARTRE, Jean-Paul. O existencialismo é um humanismo. Rio de Janeiro: Vozes, 2014.

SARTRE, Jean-Paul. O ser e o nada. Petrópolis: Vozes, 1999.

SCHWARCZ, Lilia. Sobre o autoritarismo brasileiro. São Paulo: Companhia das Letras, 2019.

YASUI, Silvio; LUZIO, Cristina Amélia; AMARANTE, Paulo. Atenção psicossocial e atenção básica: a vida como ela é no território. Revista Polis e Psique, Porto Alegre, v. 8, n. 1, p. 173-190, fev. 2018. Disponível em: <https://seer.ufrgs.br/PolisePsique/article/view/ 80426>. Acesso em 15 de novembro de 2020.

Publicado
2020-12-30
Métricas
  • Visualizações do Artigo 410
  • pdf downloads: 313
Como Citar
REZENDE PEREIRA, C. A. S.; GONÇALVES, J. V. M. Morrendo de rir: a (falta de) graça da existência visibilizada em Coringa, de Todd Phillips. Anãnsi: Revista de Filosofia, v. 1, n. 2, p. 113-130, 30 dez. 2020.