Dimensões da propriedade no contexto das guerras pela colônia do Sacramento (1762 – 1777)

  • Hevelly Ferreira Acruche Secretaria de Estado e Educação do Rio de Janeiro (SEEDUC)
Palavras-chave: escravidão, fronteira, liberdade, Rio da Prata colonial

Resumo

 

Das campanhas militares empreendidas pelo General D. Pedro de Cevallosnos territórios do extremo sul da América ibérica entre os anos de 1762 e 1776, podemos mostrar o quanto este conflito foi oneroso aos portugueses; sobretudo no que diz respeito a propriedade escrava. Dito isto, pretendemos com este texto pensar o conflito a partir de reclamações de súditos portugueses posteriores a assinatura do Tratado de Santo Ildefonso (1777), o qual garantia a posse definitiva da praça de Colônia aos espanhóis. Paralelamente a discussão de limites na América meridional, temos uma discussão acerca dos bens perdidos nestes conflitos, dentre os quais apareciam alguns escravos. Nosso intento, portanto, se divide em ressaltar dois aspectos: primeiro, a importância das campanhas de 1762 e 1776 para o estabelecimento do Rio da Prata como uma fronteira importante ao estado espanhol. Por fim, pretendemos mostrar o impacto das reclamações sobre os escravos que surgiram após o tratado de 1777, que previa, dentre outras coisas, a mútua restituição dos escravos fugitivos.

 

 

Biografia do Autor

Hevelly Ferreira Acruche, Secretaria de Estado e Educação do Rio de Janeiro (SEEDUC)
Formada em História pela Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (2010). É Mestre pelo Programa de Pós Graduação em História Social da Universidade Federal Fluminense (2013). Doutora em História pela mesma instituição, com bolsa de pesquisa pela Capes. Trabalhou em regime de contrato no Colégio Pedro II (2012 - 2014). Hoje, é professora de História na Secretaria de Estado e Educação do Rio de Janeiro (SEEDUC) e em escolas particulares. Seus temas de interesse se concentram nas áreas de História do Brasil Colônia, História do Brasil Império e História da América colonial e independente, com ênfase nos estudos sobre escravidão e história indígena, liberdade e relações internacionais em áreas de fronteira.
Publicado
2017-10-08
Seção
Artigos