DE NINA A JUANA: REPRESENTAÇÕES DA ÁFRICA E DO CANDOMBLÉ, 1896-1976.

  • Roberto Mauro Cortez Motta Universidade Federal de Pernambuco - UFPe

Resumo

Resumo: Este artigo tenta fazer a revisão de alguns dos principais intérpre­tes do Candomblé, durante os cerca de 80 anos que separam Nina Rodri­gues e Juana Elbein dos Santos. Nina Rodrigues e Gilberto Freyre, apesar do pessimismo do primeiro e do otimismo do segundo, estão em fundamental dependência de autores europeus que estudaram a evolução do culto dos santos no Cristianismo europeu. Arthur Ramos reforça a ideia de uma “men­talidade africana”, encontrada acima de tudo nos trabalhos de antropólogos e psicanalistas. Edison Carneiro, por algum tempo discípulo de Ramos, po­rém, sobretudo, militante político, lança o projeto antisincrético que conti­nua a ser posto em prática até o dia de hoje. Roger Bastide, sob a influência de predecessores brasileiros e de teorias europeias, reafirma o paradigma do “rito nagô”, ao mesmo tempo em que consagra o “Candomblé de Salão”, entidade abstrata para ser utilizada em encontros científicos e trabalhos de afro-brasilianistas, dispensando totalmente o trabalho de campo. A esse mo­delo essencialmente livresco, Juana Elbein dos Santos acrescenta elementos em moda na Antropologia de meados do século XX. Graças à enorme di­vulgação dos seus trabalhos, a interpretação e a terminologia desta última autora tornam-se “normativas”, penetrando na doxa dos dicionários, dos manuais, da mídia e das pós-graduações.

 

Palavras-Chave: Candomblé. Mentalidade. Africanismo.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2016-06-05
Seção
Artigos