Abrir a significação à alteridade: Multidões de Exu na Academia

Alexandre de Oliveira Fernandes

Resumo


Inscrito e escrito sob a lógica de certo rito de passagem e de “dar nomes”, o gênero textual “Qualificação para Tese de Doutoramento”, sintoniza-se com o dever de escrever para uma banca de avaliação, privilegiando o encontro com o outro, a partilha, o desejo e o dever de partilhar, e dirigir-se a; mas, a quem, seria uma primeira e complexa questão e depois, por que se dirige a alguém quando o “trabalho” poderá não chegar “inteiro” ao destinatário. No artigo aqui apresentado, autor avança reflexões presentes em sua “Qualificação de Tese de Doutoramento” intitulada “Aláfià – Um corpo/corpus para Exu”, discutindo um trajeto teórico/metodológico, a partir do qual Exu, deus nagô, foi pensado e lido por um doutorando, e como a ele(s) se foi dando consistência marcada pela Desconstrução de Jacques Derrida. A Desconstrução – um nada que é tudo – trouxe à cena da escrita, suplementos de Exu, dobras de Exu, simultaneamente veneno e remédio, identidade e diferença a derrotar qualquer ato performativo que pudesse se supor soberano. Exu explodiu em multidões de alteridades.

 

 


Palavras-chave


Exu; Desconstrução; Jacques Derrida; Alteridade; Qualificação para Tese de Doutoramento

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN: 2176-5782

Classificação Qualis CAPES: Linguística e Literatura - B3

Indexadores:

        

 

 Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.