Site de curadoria em jogos digitais no ensino de História

  • Daiana Aparecida Fontana Cecatto Universidade do Estado de Santa Catarina

Resumo

As tecnologias digitais de informação e comunicação (TDICs) já se fazem tão presente no cotidiano das pessoas, em suas relações sociais, comerciais, financeiras, entre outros, que se nomeou como cultura digital ou cibercultura, as relações mediadas por essas tecnologias. Uma das tecnologias digitais de informação e comunicação compreende os jogos digitais, que conquistaram boa parcela dos jovens. Jogos com temáticas históricas, tanto jogos comerciais quanto educativos, estão presentes no universo juvenil. Tais aspectos levam o professor a pensar como os jogos abordam essas temáticas em suas narrativas, e de que forma os jogos poderiam ser uma ferramenta útil para o professor integrar as TDICs ao currículo escolar objetivando a aprendizagem. O que se nota, entretanto, é que muitos professores têm receio de integrar essa tecnologia em seu planejamento, pois se sentem inseguros por não ter afinidade com o mundo dos games. Diante disso, se pensou como um site de curadoria de jogos digitais poderia ser utilizado para ensinar história. Dialogando com pesquisas de livros, artigos científicos e sites de jogos digitais, abordou-se assuntos como TDICs, webcurrículo, curadoria de conteúdo, jogos digitais e o ensino de história. A idealização e confecção do site de curadoria de jogos digitais para ensinar história também é explanada ao final.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ACKERMANN, Edit. Piaget's Constructivism, Papert's Constructionism: What's the difference? Disponível em <https://www.researchgate.net/publication/238495459_Pi

aget's_Constructivism_Papert's_Constructionism_What's _the_difference> Acesso em 16 jun. 2018.

ALVES, Lynn; COUTINHO, Isa de Jesus (org.). Jogos digitais e aprendizagem: Fundamentos para uma prática baseada em evidências. Campinas, SP:Papirus, 2016.

ANDRADE, Breno Gontijo et. Al. Empatia histórica em sala de aula: relato e análise de uma prática complementar de se ensinar/aprender a história. Revista História & Ensino, Londrina, v. 2, n. 17, p. 257- 282, jul./dez. 2011 Disponível em <http://www.uel.br/revistas/uel/index.php/histensino/artic le/view/11239/10066> Acesso em 30 ago.2018.

BERGMANN, Klaus. A História na reflexão didática. Revista Brasileira de História. V. 09, n.19, set.89 a fev.90. São Paulo.

CAIMI, Flávia Eloisa. Investigando os caminhos recentes da história escolar: tendências e perspectivas de ensino e pesquisa. In: ROCHA, Helenice (org.).O ensino de história em questão: cultura histórica, usos do passado. Rio de janeiro: FGV Editora, 2015.

ALMEIDA, Maria Elizabeth Biaconcini de. CBTecLE. Centro Paula Souza.YOUTUBE.O currículo na cultura digital. Maria Elisabeth de Almeida (PUC-SP). Seminário sobre Cultura Digital e Educação a Distância.Publicado em 24 de ago de 2016. Disponível em < https://www.youtube.com/watch?v=BX4PtIWQ2xE>Ace sso em 30 mai.2018.

CECATTO, Daiana Aparecida Fontana. Jogos digitais para ensinar História, 2018. Disponível em <https://www.jogosdehistoria.net/> jun.2019. Acesso em 18

CECATTO, Daiana A.Fontana. Site de curadoria de jogos digitais para o ensino de história. Dissertação de Mestrado, Profhistoria, UDESC, 2019.

CERRI, Luiz Fernando.Didática da História: uma leitura teórica sobre a História na prática. Revista de História Regional 15(2): 264-278, Inverno, 2010. Disponível em < http://files.gtenshist.webnode.com.br/200000034-941d19518a/%E2%98%A9.PDF>. Acesso em 15 jan.2018.

CECHINEL, Cristian. Avaliação da Qualidade de Objetos de Aprendizagem dentro de Repositórios. In Objetos de aprendizagem, volume 1: introdução e fundamentos / Organizado por Juliana Cristina Braga — Santo André : Editora da UFABC, 2014. Disponível em < http://nte.ufabc.edu.br/cursos-internos/ntme/wp- content/uploads/2015/09/FundamentosEaD_Unidade6.pd f> Acesso em jul.2018.

COMUNIDADES VIRTUAIS. Centro de Pesquisa e Desenvolvimento de Jogos Digitais Comunidades Virtuais- Universidade do Estado da Bahia. Coordenação Lynn Alves e Carmem Lima. 2002-2017 Disponível em < http://comunidadesvirtuais.pro.br/cv/> Acesso em jan. 2017.

COSTA, Adriana Keiko Nishida e PAFUNDA, Rosana Akemi. Jogos Educacionais sob a Perspectiva de Objetos de Aprendizagem. In Objetos de aprendizagem, volume 1: introdução e fundamentos / Organizado por Juliana Cristina Braga — Santo André : Editora da UFABC, 2014. Disponível em < http://nte.ufabc.edu.br/cursos-internos/ntme/wp- content/uploads/2015/09/FundamentosEaD_Unidade6.pd f> Acesso em jul.2018.

DOMINGUES, Joelza. Ensinar História. Disponível em< https://ensinarhistoriajoelza.com.br/jogos-de-historia-do- brasil/> Acesso em 10 ago.2018.

DUTRA, Moises Lima e MACEDO, Douglas Jeronimo.

Curadoria digital: proposta de um Modelo para curadoria digital em Ambientes big data baseado numa Abordagem semiautomática para a Seleção de objetos digitais. Inf. Inf., Londrina, v. 21, n. 2, p. 143 – 169, maio/ago., 2016. Disponível em Acesso em 20 mai.2018.

CAIMI, Flávia Eloisa. História escolar e memória coletiva: como se ensina? Como se aprende? Rio de Janeiro: Editora FGV, 2009.

CAIMI, Flávia Eloisa. Por que os alunos não aprendem História. Reflexões sobre ensino, aprendizagem e formação de professores de História. Tempo [online]. 2006, vol.11, n.21, p.17-32.

CUPANI, Alberto. A realidade complexa da tecnologia. Cadernos IHU ideias / Universidade do Vale do Rio dos Sinos, Instituto Humanitas Unisinos.– Ano 1, n. 1 (2003)- . – São Leopoldo: Universidade do Vale do Rio dos Sinos, 2003- .Disponível em <http://www.ihu.unisinos.br/cadernos-ihu-ideias> Acesso em 01 jun.2018.

ESPÍNDOLA, Marina Bazzo de. Integração de Tecnologias de Informação e Comunicação no Ensino Superior: Análise das experiências de professores das áreas de ciências e da saúde com o uso da Ferramenta Constructore /Tese (doutorado) -- UFRJ, IBqM, Programa de Pós- graduação em Química Biológica, 2010.– Rio de Janeiro: UFRJ / IBqM, 2010.

GROOT, Jerome de. Consuming History: Historians and Heritage in Contemporary Popular Culture. Routledge, 2009.

GUMBRECHT, Hans Ulrich. Produção de presença – o que o sentido não consegue transmitir. Tradução de Ana Isabel Soares. Rio de Janeiro: Contraponto e PUC-Rio, 2010.

GUMBRECHT, Hans Ulrich.. Depois de "Depois de aprender com a história", o que fazer com o passado agora? In: NICOLAZZI, Fernando; MOLLO, Helena Miranda; ARAUJO, Valdei Lopes de (Org.) Aprender com a história?: o passado e o futuro de uma questão. Rio de Janeiro: Ed. FGV, 2011.

HUIZINGA, Johann. Homo Ludens: o jogo como elemento da cultura. 6 ed. São Paulo: Perspectiva, 2010.

JOGOS DA ESCOLA. Disponível em https://www.jogosdaescola.com.br/play/> Acesso em 10 ago. 2018.

LEACOCK, T. L. and NESBIT, J. C. (2007). A framework for evaluating the quality of multimedia learning resources. volume 10.

LÉVY, Pierre. Cibercultura. São Paulo: Editora 34, 2009.

LIMA, Herzom Viera. História em jogo. Site. Disponível em <https://hezromvieira.wixsite.com/historiaemjogo>. Acesso em mar.2019

PETRY, Luis Carlos. O conceito ontológico do Jogo. In:ALVES, Lynn; COUTINHO, Isa de Jesus (org.). Jogos digitais e aprendizagem: Fundamentos para uma prática baseada em evidências. Campinas, SP:Papirus, 2016.

PLAYING HISTORY. Your source for historical games. Disponível em <http://playinghistory.org/> Acesso em 01 jan. 2019.

PRENSKY, M. Nativos Digitais, Imigrantes Digitais. On the Horizon NCB University Press, Vol. 9, No. 5, Outubro 2001.

SCHWARTZ, Gilson. Brinco, logo aprendo: educação, videogames e moralidades pós-modernas. São Paulo: Paulus, 2014.

SICILIANO, Igor. Site Joga na História. Disponível em <https://joganahistoria.com/> Acesso em mar.2019.

SILVA, Cristiani Bereta da. Os jogos e o conhecimento histórico no Ensino Fundamental. XXV SIMPÓSIO NACIONAL DE HISTÓRIA DA ANPUH – Fortaleza, 2009. Disponível em em <http://www.snh2011.anpuh.org/resources/anais/anpuh nacional/S.25/ANPUH.S25.0323.pdf> Acesso em 30 ago. 2018.

SOHISTORIA, Jogos online. Disponível em <https://www.sohistoria.com.br/jogos/#> Acesso em 10 ago.2018.

TELLES, Helyom Viana; ALVES Lynn. Narrativa, história e ficção: os history games como obras fronteiriças.Revista Comunicação e Sociedade, vol. 27, 2015, pp. 303 – 317. Disponível em< http://revistacomsoc.pt/index.php/comsoc/article/viewF ile/2103/2023> Acesso em jan.2017.

Publicado
2019-07-11
Métricas
  • Visualizações do Artigo 288
  • PDF downloads: 173
Seção
GT4 - Jogos Eletrônicos e Educação