DO APRISIONAMENTO DO CORPO AO APRISIONAMENTO DA MENTE: UM OLHAR NEGRO PARA O SOFRIMENTO PSÍQUICO DA MULHER NEGRA NO CARCERE

Palavras-chave: Mulheres Negras e Encarceramento, Sofrimento Psíquico, Escritas no Cárcere

Resumo

Introdução: O universo carcerário consiste num campo pouco explorado e invisibilizado pela sociedade, pouco se conhece sobre sua   multidimensionalidade e complexidade, sobretudo, a condição das mulheres negras no cárcere e os atravessamentos que as cometem. Objetivo: Evidenciar a saúde mental das mulheres negras aprisionadas, e as implicações do racismo para a constituição da subjetividade, relativizar com a racialização das leis, das políticas públicas de saúde e a política de segurança pública. Método: A metodologia foi realizada e fundamentada pelas lentes conceituais fornecidas pela abordagem interseccional como ferramenta de análise. Utilizei oficinas de escritas, com leituras prévias dos livros Carolina Maria de Jesus e o uso de dados de documentos do projeto Cartas do Cárcere.  Resultados: As narrativas expressas nas oficinas evidenciaram apelos, confissões, angústias, desesperanças, e que o cárcere desempenha, em nosso tempo, o sequestro da palavra, assim as cartas configuraram resistência a esse processo de violento silenciamento. Considerando que as taxas de transtornos mentais são mais elevadas em pessoas privadas de liberdade associado ao confinamento e a determinantes sociais como o preconceito racial, a desigualdade social e de gênero. Conclusão: Este estudo revelou a complexidade de trabalhar com um quadro que reflete um contexto estrutural de discriminação, subalternização e precarização da mulher encarcerada, com isso a urgência na inversão da lógica do pensamento hegemônico. Todavia destaco a relevância das oficinas que mitigaram alivio aos sofrimentos psíquicos que passam cotidianamente as aprisionadas, contribuindo para que acionassem mecanismos inconscientes para elaborar e ressignificar suas existências dentro e fora do cárcere.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Lúcia Mariaci Ribeiro Martins, Doutoranda em Saúde Coletiva pela Universidade Federal da Bahia - Brasil
Mestra em Políticas Públicas e Desenvolvimento pela Universidade Federal da Integração Latino-Americana

Referências

Alexander, M. (2017). A nova segregação: racismo e encarceramento em massa. São Paulo: Boitempo.

Artiéres, P. (1988). Arquivar a própria vida. Revista estudos históricos, 11(21), 9-34.

Baságlia, F. (1985). A instituição negada: relato de um hospital psiquiátrico (Heloísa Jahn Trad.). Rio de Janeiro, RJ: Edições Graal.

Bento,M,A,S (org.); CARONE, I (org.).(2002) Psicologia Social do Racismo: estudos sobre branquitude e branqueamento. 2. ed. São Paulo: Vozes. v. 1. 189p.

Borges, J. (2018). O que é Encarcerramento em Massa. Belo Horizonte, MG: Letramento.

Brasil. (2017). Levantamento Nacional de Informações Penitenciárias – INFOPEN Mulheres. 2ª. Edição. Brasília: Ministério da Justiça e Segurança Pública/Departamento Penitenciário Nacional, 2017. Disponível em:http://depen.gov.br/DEPEN/depen/sisdepen/infopenmulheres/infopenmulheres_arte_07-03-18.pdf. Acesso em: 05 jul. 2018.

Cappi, R. (2017). A" teorizacao fundamentada nos dados": um metodo possivel na pesquisa empirica em direito. In: Machado, M.(Org.). Pequisar empiricamente o Direito (pp. 391-422). São Paulo, SP: REED.

Costa, J. F. (1986). Violência e psicanálise ( 2a ed.). Rio de Janeiro, RJ: Edições Graal.

Evaristo, C. (2007). Da grafia desenho de minha mãe, um dos lugares de nascimento da minha escrita. In: Alexandre, M. A. (org.). Representações performáticas brasileiras. Belo Horizonte, MG: Mazza.

Fanon, F. (1968). Os Condenados da Terra (Trad. José Laurênio de Melo). Rio de Janeiro, RJ: Editora Civilização Brasileira S.A.

Foucault, M. (1967) As palavras e as coisas (Trad. António Ramos Rosa). Lisboa: Portugália Editora.

Foucault, M. (2010),1926-1984, C II' 'de France (1975) Em defesa da sociedade: Curso College de France (1975/1976) (Trad. Maria Ermantina Galvão). São Paulo, SP: Martins Fontes.

Jesus, C. Maria de. (2004). Quarto de despejo: diário de uma favelada. São Paulo: Francisco Alves.

Ministério da Justiça, portaria interministerial nº 210. (2014). Política Nacional de Atenção às Mulheres em Situação de Privação de Liberdade e Egressas do

Sistema Prisional. Brasília: MJ.

Ministério da Saúde (2007). Saúde Brasil 2007: uma análise da situação de saúde / Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde, Departamento de Análise de Situação em Saúde. Brasília: Ministério da Saúde, 2007.

Ministério Público. (2013). A visão do Ministério Público Brasileiro Sobre o Sistema Prisional Brasileiro. Brasília: MPF.

Sawaia, B. (2010) As artimanhas da exclusão: análise psicossocial e ética da desigualdade social (10a ed.). Petrópolis, RJ: Vozes.

Strauss, A & Corbin, J (2008). Pesquisa Qualitativa: Técnica e procedimentos para o desenvolvimento da teoria fundamentada (2a ed.). Porto Alegre, RS: Artmed.

Vieira, E. M. (2002). A medicalização do corpo feminino. Rio de Janeiro: FIOCRUZ.

Willians, D. R., & Priest, N. (2015). Racismo e Saúde: um corpus crescente de evidência internacional. Sociologias, 17, 124-174. Recuperado de

https://www.scielo.br/j/soc/a/TdR6VjTkrwxhqWcHf9VM9Fp/?lang=pt

Publicado
2023-01-06
Métricas
  • Visualizações do Artigo 97
  • PDF downloads: 46
Como Citar
Ribeiro Martins, L. M. (2023). DO APRISIONAMENTO DO CORPO AO APRISIONAMENTO DA MENTE: UM OLHAR NEGRO PARA O SOFRIMENTO PSÍQUICO DA MULHER NEGRA NO CARCERE . Práticas E Cuidado: Revista De Saúde Coletiva, 4, e14494. Recuperado de https://revistas.uneb.br/index.php/saudecoletiva/article/view/14494
Seção
Artigos (FLUXO CONTíNUO)