DESCOBRINDO A LIBERDADE: DESMANICOMIALIZAÇÃO DE PESSOAS COM TRANSTORNOS MENTAIS SOB AS PERSPECTIVAS DOS PROFISSIONAIS

Palavras-chave: Desinstitucionalização, Serviços de Saúde Mental, Transtornos Mentais

Resumo

Introdução: A Reforma Psiquiátrica trata-se da mudança no paradigma da assistência em saúde mental pautado na segregação social e despersonificação da pessoa em sofrimento psíquico. A partir do século XX são feitas críticas sobre a efetividade terapêutica desse modelo voltado para o aniquilamento da autonomia do sujeito, surge então o movimento de desinstitucionalização psiquiátrica. No entanto, a Reforma Psiquiátrica visa além da desapropriação de leitos psiquiátricos, a ressignificação do pensamento e a quebra de estigmas que reverberam na efetividade da assistência a essas pessoas. Objetivos: descrever as percepções dos profissionais de saúde mental sobre o processo de desinstitucionalização de pessoas com transtornos mentais em um município da Bahia.  Métodos: trata-se uma pesquisa qualitativa, descritiva e exploratória, realizada com os profissionais de um CAPS e um Hospital Especializado em Psiquiatria da Bahia, por meio de uma entrevista semi-estruturada. A análise dos dados foi realizada com base na Análise de Conteúdo segundo Bardin.  Resultados: os profissionais reconhecem os avanços e apontam as melhorias para melhor estruturação da rede de atenção no município. Conclusão: sugere-se que profissionais vislumbram os dispositivos comunitários como principal ferramenta de desinstitucionalização. Os entraves no processo de Reforma psiquiátrica devem fortalecer o movimento.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Letícia Santos de Jesus, Universidade Federal da Bahia - Brasil

Graduada em Enfermagem

Tarcísia Castro Alves, Professora na Universidade Federal da Bahia - Brasil

Doutora em Enfermagem Psiquiátrica pela Universidade de São Paulo. Integrante do Núcleo de estudos sobre distúrbios psiquiátricos: assistência e pesquisa.

Referências

Basaglia F. Escritos selecionados em saúde mental e reforma psiquiátrica. In: Amarante P. Rio de Janeiro: Garamond: 2005. p. 23-33.

Amarante P, Nunes MO. A reforma psiquiátrica no SUS e a luta por uma sociedade sem manicômios. Ciência e saúde coletiva. 2018. 23(6): 2067-2074 DOI: 10.1590/1413-81232018236.07082018.

Brasil. Ministério da Saúde. Reforma Psiquiátrica e política de saúde mental no Brasil. Brasília, DF, 2005.

Silva FS, Simpson CA, Dantas RC. Reforma psiquiátrica em Natal-RN: evolução histórica e os desafios da assistência de enfermagem. Revista eletrônica saúde mental álcool e outras drogas. 2014 mai/ago; 10(2): 101-109. DOI: https://doi.org/10.11606/issn.1806-6976.v10i2p101-109.

Maftum MA, Silva AG, Borba LO, Brusamarello T, Czarnobay J. Mudanças ocorridas na prática profissional na área da saúde mental frente à reforma psiquiátrica brasileira na visão da equipe de enfermagem. Cuidado é fundamental online. 2017 abr/jun: 9(2): 309-314 DOI: http://dx.doi.org/10.9789/2175-5361.2017.v9i2.309-314.

Amarante P. Manicômio e loucura no final do século e do milênio. In: Fernandes MIA. Scarcelli IR. Costa ES. Fim do século: ainda manicômios? São Paulo: IPUSP; 1999. p. 47-57.

Brasil. Resolução nº 32, de 14 de dezembro de 2017. Dispõe sobre as diretrizes para o fortalecimento da Rede de Atenção Psicossocial (RAPS). Diário Oficial da União. (22/12/2017) Disponível em: http://portalarquivos2.saude.gov.br/images/pdf/2018/janeiro/05/Resolu----o-CIT-n---32.pdf.

Bertussi DC, Gomes MPC, Feuerwerker LCM, Merhy EE. Dimensões do apoio matricial: dispositivo na organização do cuidado e na formação em saúde. Prát. Cuid. Rev. Saude Colet. 2022;3:e12854. Disponível em: https://www.revistas.uneb.br/index.php/saudecoletiva/article/view/12854

Almeida AS, Furegato ARF. Papéis e perfil dos profissionais que atuam nos serviços de saúde mental. Rev. de enfermagem e atenção à saúde. 2015 4(1): 79-88. Disponível em: http://seer.uftm.edu.br/revistaeletronica/index.php/enfer/article/view/1265/1136.

Júnior JMP, Santos RCA, Clementino FS, Gurgel E, Nascimento C, Miranda FAN. Formação em saúde mental e atuação profissional no âmbito do hospital psiquiátrico. Texto & Contexto Enfermagem. 25(3): 2016 DOI: http://dx.doi.org/10.1590/0104-07072016003020015.

Fernandes MA, Feitosa LGGC, Macêdo F, Dilson R, Ibipiana ARS, Sousa LEN, Feitosa IMC. Hospital dia:(re) construção, avanços e novas perspectivas. Rev. enfermagem UFPI. 2015 jul/set; 4(3): 4-10. Disponível em: http://bases.bireme.br/cgi-bin/wxislind.exe/iah/online/?IsisScript=iah/iah.xis&src=google&base=BDENF&lang=p&nextAction=lnk&exprSearch=31277&indexSearch=ID.

Ferreira AP. Satisfação, sobrecarga de trabalho e estresse nos profissionais de serviço de saúde mental. Rev. Brasileira de medicina do trabalho. 13(2): 91-99. Disponível em:http://www.anamt.org.br/site/upload_arquivos/rbmt_volume_13_n%C2%BA_2_29320161552567055475.pdf.

Martins AKL, Soares FDS, Oliveira FB, Souza AM. Do ambiente manicomial aos serviços substitutivos: a evolução nas práticas em saúde mental. Sanare Rev. de políticas públicas. 2011 jan/jun; 10(1): 28-34. Disponível em: https://sanare.emnuvens.com.br/sanare/article/view/140.

Vasconcelos EM. Empoderamento de usuários e familiares em saúde mental e em pesquisa avaliativa/interventiva: uma breve comparação entre a tradição anglo-saxônica e a experiência brasileira. Ciência & Saúde Coletiva. 2013 18(10): 2825-2835. Disponível em: https://www.scielosp.org/scielo.php?pid=S1413-81232013001800007&script=sci_abstract.

Nunes JMS, Guimarães JMX, Sampaio JJC. A produção do cuidado em saúde mental: avanços e desafios à implantação do modelo de atenção psicossocial territorial. Physis: Revista de Saúde Coletiva. 2016 out/dez; 26 (4) 1213-1232 DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0103-73312016000400008.

Resolução nº 3088, de 23 de dezembro de 2011. Institui a Rede de Atenção Psicossocial para pessoas com sofrimento ou transtorno mental e com necessidades decorrentes do uso de crack, álcool e outras drogas, no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS).. Diário Oficial da União. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2011/prt3088_23_12_2011_rep.html.

Moreira MIB, Campos RTO. Ações de saúde mental na rede de atenção psicossocial pela perspectiva dos usuários. Saúde e Sociedade. 2017 abr/jun; 26(2): 462-474. DOI https://doi.org/10.1590/S0104-12902017171154.

Scafuto JCB, Saraceno B, Delgado PGG. Formação e educação permanente em saúde mental na perspectiva da desinstitucionalização. Ciências Saúde. 2017 (3/4):350-358 Disponível em:http://bvsms.saude.gov.br/bvs/periodicos/ccs_artigos/v38_3_formacao%20_educacao.pdf.

Chiavagatti FG, Kantorski LP, Willrich JQ, Cortes JM, Jardim VMR, Rodrigues CGSS. Articulação entre centros de atenção psicossocial e serviços de atenção básica de saúde. Acta paul enferm. 2012 abr/jun; 25(1): 11-17. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ape/v25n1/v25n1a03.

Publicado
2022-06-06
Métricas
  • Visualizações do Artigo 231
  • PDF downloads: 121
Como Citar
Jesus, L. S. de, & Alves, T. C. (2022). DESCOBRINDO A LIBERDADE: DESMANICOMIALIZAÇÃO DE PESSOAS COM TRANSTORNOS MENTAIS SOB AS PERSPECTIVAS DOS PROFISSIONAIS. Práticas E Cuidado: Revista De Saúde Coletiva, 3, e13500. Recuperado de https://revistas.uneb.br/index.php/saudecoletiva/article/view/13500
Seção
Artigos (FLUXO CONTíNUO)