DIMENSÕES DO APOIO MATRICIAL: DISPOSITIVO NA ORGANIZAÇÃO DO CUIDADO E NA FORMAÇÃO EM SAÚDE

Palavras-chave: Apoio Matricial, Formação em Saúde, Micropolítica, Cuidado em Saúde, Sistema Único de Saúde

Resumo

Este artigo pretende explorar duas dimensões do apoio matricial como um dispositivo: na  organização do cuidado e na formação em saúde. Trata-se de um relato de experiência produzido a partir das narrativas dos autores com base no recolhimento e problematização de suas vivências nas diferentes redes de atenção à saúde no SUS. O apoio matricial é uma potente estratégia para enfrentar a fragmentação do cuidado e para agenciar a relação entre equipes nos processos de transição do cuidado em saúde. Aproxima os especialistas das equipes da rede básica, criando a possibilidade de discussão conjunta de casos e manejo articulado de situações complexas, aumentando a resolubilidade. Outros efeitos encontrados foram a criação de espaços de produção de educação permanente em saúde entre as equipes e também a potencialização destes espaços de reflexão e troca como cenários de práticas para formação de estudantes de graduação em saúde. A experiência demonstrou que a imersão dos estudantes na dinâmica do apoio matricial foi capaz de problematizar o chamado "currículo colcha de retalhos”, experimentando a produção de linhas de cuidado transversais, ampliando o espaço de conversa entre diferentes redes. Produziu conexões vivas entre as equipes em que os usuários ganharam visibilidade, desenhando espaços compartilhados de aprendizagem e de processamento do que se vive. Igualmente, foi possível perceber, a abertura de espaços no cotidiano para reflexão sobre o mundo do trabalho, suas tensões, impasses e as produções do cuidado, possibilitando o reconhecimento mútuo dos profissionais e estudantes em um processo cooperativo e muito significativo de aprendizagem.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Debora Cristina Bertussi, Professora na Universidade São Caetano do Sul - Brasil

Doutora em Ciências, com Pós-doutorado em Psicossociologia de Comunidades e Ecologia Social pela Universidade Federal do Rio de Janeiro. Pesquisadora da Linha de Pesquisa Micropolítica do Trabalho e o Cuidado em Saúde e do Observatório de Políticas de Saúde e de Educação.

Maria Paula Cerqueira Gomes, Professora no Programa de Pós-graduação em Atenção Psicossocial e no Programa de Pós-graduação em Psicologia da Universidade Federal do Rio de Janeiro - Brasil

Doutora em Psiquiatria, Psicanálise e Saúde Mental pela Universidade Federal do Rio de Janeiro. integrante do Grupo de Pesquisa Micropolítica, Cuidado e Saúde Coletiva e da Rede de Observatórios de Políticas Públicas, Educação e Cuidado em Saúde. 

Laura Camargo Macruz Feuerwerker, Professora na Universidade de São Paulo - Brasil

Doutora em Saúde Pública pela Universidade de São Paulo. Integrante do Observatório de Análise de Políticas de Saúde e de Educação na saúde.

Emerson Elias Merhy, Docente na Universidade Federal do Rio de Janeiro - Brasil

Doutor em Saúde Coletiva pela Universidade Estadual de Campinas. Membro do Observatório de Políticas Públicas, Cuidado e Educação em Saúde.

Referências

Merhy EE. Em busca da qualidade dos serviços de saúde: os serviços de porta aberta para a saúde e o modelo tecno-assitencial em defesa da vida (ou como aproveitar os ruídos do cotidiano dos serviços de saúde e colegiadamente reorganizar o processo de trabalho na busca da qualidade das ações de saúde). In: Cecílio LCO. (Org). Inventando a mudança na Saúde. São Paulo: HUCITEC; 1994. p.117-161.

Merhy EE. Em busca do tempo perdido: a micropolítica do trabalho vivo em saúde. In: Merhy EE, Onocko R (Orgs). Agir em saúde: um desafio para o público. São Paulo: HUCITEC; Buenos Aires: Lugar Editorial; 1997. p.71-112

Merhy EE. A perda da dimensão cuidadora na produção da saúde. In: Merhy EE. (org.). O SUS em Belo Horizonte. São Paulo: Xamã; 1998.

Merhy EE. Saúde: a cartografia do trabalho vivo. São Paulo: Hucitec; 2002.

Feuerwerker LCM. Modelos tecnoassistenciais, gestão e organização do trabalho em saúde: nada é indiferente no processo de luta para a consolidação do SUS. Comunic Saúde Educ. 2005;9(18):489-506.

Feuerwerker LCM. A cadeia do cuidado em saúde. In: Marins JJN, Rego S. (org). Educação, Saúde e Gestão. Rio de Janeiro/São Paulo: ABEM/Hucitec; 2011. p.99-113.

Araujo JD. Polarização epidemiológica no Brasil. Epidemiol. Serv. Saúde. 2012;21(4): 533-538

Vasconcelos AMN, Gomes MMF. Transição demográfica: a experiência brasileira. Epidemiol. Serv. Saúde. 2012;21(4):539-548.

Merhy EE, Magalhães Juniro HM, Franco TB, Silva Bueno W. O trabalho em saúde: olhando e experienciando o SUS no cotidiano. São Paulo: Hucitec; 2003.

Martins Junior, F. Análise do processo de implantação do SUS no Brasil. In: Brasil. Conselho Nacional de Secretários de Saúde. Convergências e Divergências sobre Gestão e Regionalização do SUS. Brasília: CONASS, 2004. p.62-86.

Campos GWS, Domitti AC. Apoio matricial e equipe de referência: uma metodologia para gestão do trabalho interdisciplinar em saúde Cad. Saúde Pública. 2007;23(2):399-407.

Royal College of Physicians. Teams without Walls: The value of medical innovation and leadership. Report of a Working Party of the Royal College of Physicians, the Royal College of General Practitioners and the Royal College of Paediatrics and Child Health. Endorsed by the NHS Alliance. London: Royal College of Physicians; 2008.

Institut for Innovation and Improvement. Literature review concerning effective commissioning to achieve 18 week pathways. London; 2007. Disponível em: http://www.dh.gov.uk/en/Aboutus/HowDHworks/Servicestandardsandcommitments/DHPublicServiceAgreement

Deleuze, G. Diferença e repetição. Rio de Janeiro: Graal, 1988.

Bertussi DC. O apoio matricial rizomático e a produção de coletivos na gestão municipal em saúde [Tese]. Rio de Janeiro: Faculdade de medicina, Universidade Federal do Rio de Janeiro; 2010. 234p.

Hubner LCME, Franco TB. O Programa Médico de Família de Niterói como Estratégia de Implementação de um Modelo de Atenção que Contemple os Princípios e Diretrizes do SUS. Physis Revista de Saúde Coletiva. 2007;17(1):173-191.

Prefeitura Municipal de Campinas. Câmara Técnica de Especialidades. Documento base para discussão sobre matriciamento. Campinas, mimeo, 2004.

Franco TB, Magalhães Junior HM. Integralidade na assistência à saúde: a organização das linhas do cuidado. In: Merhy EE, Magalhães Júnior HM, Rímoli J, Franco TB, Bueno WS. (orgs). O Trabalho em Saúde: olhando e experienciando o SUS no cotidiano. São Paulo: Unicamp/Hucitec; 2003. p.125-134.

Baduy RS. A caixa de ferramentas da equipe gestora municipal de uma secretaria municipal de saúde. Projeto de Qualificação para Tese de Doutorado apresentado ao Programa de Pós-Graduação em Clínica Médica da Universidade Federal do Rio de Janeiro em março de 2008.

Bertussi DC, Sundfeld AC, Feuerwerker LCM. Apoio como Dispositivo Visto de Dentro-fora: Potências, Invenções e Desafios. In: Feuerwerker LCM, Bertussi DC, Merhy EE. (Org.). Avaliação compartilhada do cuidado em saúde: surpreendendo o instituído nas redes. 1ed. Rio de Janeiro: Hexis Editora, 2016. v.2. p. 380-390.

NHS Institute for Innovation and Improvement Beyond projects Case studies from the Care Closer to Home: Making the Shift programme. University of Birmingham, Health Services Management Centre, 2008.

Kotter JP. Leading change. Boston: Harvard Business School Press, 1996.

Walston S, Kimberley J. Reengineering hospitals: experience and analysis from the field. Hospital and Health Services Administration. 1997;42(2): 143-63.

Feuerwerker LCM. Micropolítica e saúde: produção do cuidado, gestão e formação. Porto Alegre: Rede UNIDA, 2014. (Coleção Micropolítica do Trabalho e o Cuidado em Saúde)

Merhy EE, Feuerwerker LCM. Novo olhar sobre as tecnologias de saúde: uma necessidade contemporânea. In: Mandarino ACS, Gomberg E. (org). Novas tecnologias e saúde. Salvador: EdUFB; 2009. p.29-56.

Brasil. Ministério da Saúde. Departamento de Atenção Básica. Portaria Nº 1107, de 04 de junho de 2008. Credencia Municípios conforme quantitativo e modalidade definidos, para receber o incentivo financeiro aos Núcleos de Apoio à Saúde da Família - NASF.

Brasil/2014. DCN. Resolução Nº 3, de 20 de junho de 2014.

Cunha GT. A construção da clínica ampliada na Atenção Básica [Dissertação]. Campinas: Faculdade de Ciências Médicas, Universidade Estadual de campinas; 2004.

Feuerwerker LCM. Além do discurso de mudança na educação médica: processos e resultados. São Paulo: Hucitec- ABEM - Rede UNIDA, 2002.

Feuerwerker LCM, Cecílio LCO. O hospital e a formação em saúde: desafios atuais. Ciência. Saúde Coletiva. 2007;12(4):965-971.

Pinheiro R, Ceccim RB, Mattos RA. (org.). Ensinar saúde: a integralidade e o SUS nos cursos de graduação na área da saúde. 2. ed. Rio de Janeiro: IMS/UERJ: CEPESC: ABRASCO, 2006.

Merhy EE. O ato de cuidar: a alma dos serviços de saúde. In: BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Gestão do Trabalho e Educação na Saúde. Departamento de Gestão da Educação na Saúde. Ver-SUS Brasil: caderno de textos. Brasília: Ministério da Saúde; 2004. p.108-137

Guattari, F. A Transversalidade. In: Rolnik S. Revolução Molecular. Pulsações Políticas do desejo. São Paulo: Editora brasiliense.1981.

Publicado
2022-03-26
Métricas
  • Visualizações do Artigo 354
  • PDF downloads: 198
Como Citar
Bertussi, D. C., Gomes, M. P. C., Feuerwerker, L. C. M., & Merhy, E. E. (2022). DIMENSÕES DO APOIO MATRICIAL: DISPOSITIVO NA ORGANIZAÇÃO DO CUIDADO E NA FORMAÇÃO EM SAÚDE. Práticas E Cuidado: Revista De Saúde Coletiva, 3, e12854. Recuperado de https://revistas.uneb.br/index.php/saudecoletiva/article/view/12854
Seção
Relato de Experiência

##plugins.generic.recommendByAuthor.heading##