MORTALIDADE POR LEUCEMIA NO ESTADO DA BAHIA DE 2008 A 2018

Palavras-chave: Mortalidade, Leucemia, Linfoide, Mieloide

Resumo

Objetivo: Analisar a mortalidade por leucemia na Bahia entre 2008 e 2018. Método: Estudo com dados agregados, misto (série temporal e ecológico), que utilizou dados do Sistema de Informação e Mortalidade do Departamento de Informática do SUS. As diferenças de proporções dos casos de leucemia por variáveis sociodemográficas e macrorregiões de saúde do estado foram avaliadas pelos testes de qui-quadrado ou de Fisher. Os dados foram compilados no Excel® (2007) e analisados no Stata (v.14). Resultados: No período estudado houve um aumento de registro de óbitos, ocorrendo 2.527 óbitos por leucemia, a maioria na macrorregião Leste (68,2%, p< 0,001). As mortes predominaram significativamente na população idosa (43,4%, p< 0,001), no sexo masculino (57%, p< 0,003) e em indivíduos sem companheiros (49,2%, p< 0,002). Houve predomínio de óbitos na população parda (58,8%, p= 0,763) e de baixa escolaridade (21,8%, p= 0,074). Maiores taxas de mortalidade gerais (por 100 mil habitantes) predominaram no ano de 2018 (1,91), no sexo masculino (1,02) e nos idosos (0,95). Com relação aos tipos de leucemias, a mieloide obteve taxas de mortalidade superiores, sendo a maior delas registrada em 2018 (1,05), bem como no sexo masculino (0,59) e em idosos (0,59). Conclusão: Houve aumento dos óbitos por leucemias na Bahia (números absolutos e taxas de mortalidade) e tais óbitos se concentraram na macrorregião Leste do estado, o que pode estar associado à concentração de hematologistas nesta região quando comparada ao resto da Bahia, em idosos do sexo masculino, de cor parda (não estatisticamente significante) e sem companheiros.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Mariana Almeida Carneiro da Silva, Universidade Salvador

Graduanda em Medicina pela Universidade Salvador

Lorena Oliveira Lessa, Universidade Salvador

Graduanda em Medicina pela Universidade Salvador

Luzia Estela Menezes Luz Marques, Doutoranda em Medicina e Saúde pela Universidade Federal da Bahia

Mestra em Medicina e Saúde. Enfermeira atuante no Hospital Universitário Professor Edgard Santos e na Fundação Bahiana de Infectologia.

Helena Maria Silveira Fraga Maia, Docente no Programa de Pós-Graduação em Saúde Coletiva da Universidade do Estado da Bahia

Doutora em Saúde Pública pela Universidade Federal da Bahia. 

Marinho Marques da Silva Neto, Docente no Programa de Pós-Graduação em Saúde Coletiva da Universidade do estado da Bahia/ Professor

Doutor em Patologia Humana pela Universidade Federal da Bahia. Docente na Universidade Salvador. Médico na Fundação de Hematologia e Hemoterapia da Bahia. Líder do Grupo de Estudos em Doenças Hematológicas, Oncológicas e Infecciosas.

Referências

Goldman L, Schafer AI. Cecil: Medicina. 24a ed. Rio de Janeiro: Saunders-Elsevier; 2012.

Juliusson, G, Hough, R. Leukemia. Progress in Tumor Research. 2016; 43: 87–100. https://doi.org/10.1159/000447076

Rêgo MAV, Fonseca AA. Tendência da Mortalidade por Leucemia em Salvador - Brasil, 1980 a 2012. Revista Brasileira de Cancerologia. 2015; 61(4): 325–34.

Rosa TJ. Paciente acometido por leucemia mieloide aguda com T (6;9): relato de caso. Revista Brasileira de Análises Clínicas. 2018; 50(2): 190–3.

Hamerschlak N. Leukemia: Genetics and prognostic factors. Jornal de Pediatria. 2008; 84(4 SUPPL.): 52–57.

Chiattone, CS. Indicações para início de tratamento na leucemia linfóide crônica. Revista brasileira de hematologia e hemoterapia. 2005;27(4):272-275.

Leal CHS, Wünsch Filho V. Mortalidade por leucemias relacionada à industrialização. Revista de Saúde Pública. 2002; 36(4): 400–408.

Silva-Junior AL, Alves FS, Kerr MWA, Xabregas LA, Gama FM, Rodrigues MGA, et al. Acute lymphoid and myeloid leukemia in a Brazilian Amazon population: Epidemiology and predictors of comorbidity and deaths. PLOS ONE [Internet]. 2019 [acesso em 22 ago 2019]; Disponível em: https://journals.plos.org/plosone/article?id=10.1371/journal.pone.0221518

Kipps TJ, Stevenson FK, Wu CJ, Croce CM, Packham G, Wierda WG, et al. Chronic lymphocytic leukaemia. Nature Reviews Disease Primers. 2017; 3, 17008. https://doi.org/10.1038/nrdp.2017.8

Redaelli A, Lee JM, Stephens JM, Pashos CL. Epidemiology and clinical burden of acute myeloid leucemia. Expert Review of Anticancer Therapy. 2003; 3(5): 95–710. https://doi.org/10.1586/14737140.3.5.695

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística [homepage na internet]. Desigualdades Sociais por Cor ou Raça no Brasil. [acesso em 28 nov 2020]. Disponível em: https://www.ibge.gov.br/estatisticas/sociais/populacao/25844-desigualdades-sociais-por-cor-ou-raca.html?=&t=resultados

Oliveira KF, Jannuzzi PM. Motivos para migração no Brasil e retorno ao nordeste: padrões etários, por sexo e origem/destino. São Paulo Em Perspectiva. 2005; 19(4): 134–143. https://doi.org/10.1590/s0102-88392005000400009

Instituto Nacional de Câncer (INCA) [base de dados online]. Onde tratar pelo SUS – Bahia. [acesso em 20 out 2020]. Disponível em: https://www.inca.gov.br/onde-tratar-pelo-sus/bahia

Silva DS, Mattos IE, Teixeira LR. Tendência de Mortalidade por Leucemias e Linfomas em Menores de 20 Anos, Brasil. Revista Brasileira de Cancerologia. 2013; 59(2): 165–173.

Curado MP, Pontes T, Guerra-Yi ME, Cancela MDC. Leukemia mortality trends among children, adolescents, and young adults in Latin America. Revista Panamericana de Salud Publica. Pan American Journal of Public Health. 2011; 29(2): 96–102. https://doi.org/10.1590/S1020-49892011000200004

Bertuccio P, Bosetti C, Malvezzi M, Levi F, Chatenoud L, Negri E, et al. Trends in mortality from leukemia in Europe: An update to 2009 and a projection to 2012. International Journal of Cancer. 2013; 132(2): 427-436. https://doi.org/10.1002/ijc.27624

Santana LR, Almeida MF, Portugal TS, Amaral ALS, Mata-Virgem SF, Vianna MB, et al. Perfil Epidemiológico das Leucemias em Crianças e Adolescentes no Estado da Bahia. Gazeta Médica da Bahia. 2007; 77(Suplemento 1): 51–54.

Deschler B, Lübbert M. Acute myeloid leukemia: Epidemiology and etiology. Wiley InterScience. 2006; 107(9): 2099–2107. https://doi.org/10.1002/cncr.22233

Onciu M. Acute Lymphoblastic Leukemia. Hematology/Oncology Clinics of North America. 2009; 23(4): 655–674. https://doi.org/10.1016/j.hoc.2009.04.009

Ferrara F, Schiffer CA. Acute myeloid leukaemia in adults. The Lancet. 2013; 381(9865): 484–495. https://doi.org/10.1016/S0140-6736(12)61727-9

De Kouchkovsky I, Abdul-Hay M. Acute myeloid leukemia: A comprehensive review and 2016 update. Blood Cancer Journal. 2016; 6(7): e441. https://doi.org/10.1038/bcj.2016.50

Hahn A, Giri S, Yaghmour G, Martin MG. Early mortality in acute myeloid leucemia. Leukemia Research. 2015; 39(5): 505-509. https://doi.org/10.1016/j.leukres.2015.02.003

Saraiva DCA, Santos SS, Monteiro GTR. Tendência de mortalidade por leucemias em crianças e adolescentes nas capitais dos estados brasileiros: 1980-2015. Epidemiologia e Servicos de Saude: Revista Do Sistema Unico de Saude Do Brasil. 2018; 27(3): e2017310. https://doi.org/10.5123/S1679-49742018000300004

Laurenti R, Jorge MHPM, Gotlieb SLD. Perfil epidemiológico da morbi-mortalidade masculina. Ciência & Saúde Coletiva. 2005; 10(1): 35–46.

Oliveira RS, Barbosa AGC, Dias JP, Oliveira EMS, Oliveira JS, Ottoni MAM, et al. Baixa procura dos homens ao serviço de saúde: uma revisão de literatura. EFDeportes.com, Revista Digital [Internet]. 2014 [acesso em 28 nov 2019]; Disponível em: https://www.efdeportes.com/efd188/baixa-procura-dos-homens-ao-servico-de-saude.htm

Terwilliger T, Abdul-Hay M. Acute lymphoblastic leukemia: a comprehensive review and 2017 update. Blood Cancer Journal. 2017; 7(6): e577. https://doi.org/10.1038/bcj.2017.53

Juliusson G, Antunovic P, Derolf A, Lehmann S, Möllgård L, Stockelberg D, et al. Age and acute myeloid leukemia: Real world data on decision to treat and outcomes from the Swedish Acute Leukemia Registry. Blood. 2009; 113(18): 4179–4187. https://doi.org/10.1182/blood-2008-07-172007

Ministério da Saúde (BR). Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde (CNES) [Internet]. Brasília: Ministério da Saúde; [acesso em 22 nov 2020]. Disponível em: http://www2.datasus.gov.br/DATASUS/index.php?area=0204.

Publicado
2020-12-31
Métricas
  • Visualizações do Artigo 319
  • PDF downloads: 315
Como Citar
Silva, M. A. C. da, Lessa, L. O., Marques, L. E. M. L., Maia, H. M. S. F., & Silva Neto, M. M. da. (2020). MORTALIDADE POR LEUCEMIA NO ESTADO DA BAHIA DE 2008 A 2018. Práticas E Cuidado: Revista De Saúde Coletiva, 1, e10223. Recuperado de https://revistas.uneb.br/index.php/saudecoletiva/article/view/10222
Seção
Artigos (FLUXO CONTíNUO)