O intrincado jogo de rememoração e esquecimento no discurso de Euclides da Cunha sobre a campanha de Canudos

Autores

DOI:

https://doi.org/10.30620/pdi.v12n2.p79

Palavras-chave:

Euclides da Cunha, Os sertões, Campanha de Canudos, Esquecimento, Rememoração

Resumo

Este ensaio pretende investigar como se processa o entrelaçamento entre rememoração e esquecimento no discurso de Euclides da Cunha sobre a Campanha de Canudos. A visibilidade do conflito na atualidade induz os leitores a acreditarem que o interesse pelo tema manteve-se inalterado desde o ano de 1897, quando as notícias sobre a guerra foram amplamente divulgadas no Brasil e em vários países do mundo. Porém, nos anos posteriores ao acontecimento, tornou-se tendência na imprensa o esforço para esquecer Canudos. Os sertões, lançado cinco anos após o término do conflito, também assume a inscrição de esquecimento. Na “Nota preliminar” ao livro, Euclides da Cunha se refere à Campanha de Canudos como um tema datado, sinalizando ao leitor que seria outro o tema norteador da obra. Porém, no próprio forjamento da escrita, à medida que se apresenta em substituição ao tema primeiro (a campanha nos sertões baianos), o tema segundo (uma discussão racial, completamente datada nos dias contemporâneos) protagoniza seu próprio esquecimento, e a intenção de esquecer o conflito de Canudos se converte numa outra forma de trazê-lo à lembrança. As noções de esquecimento e rememoração aparecem neste estudo conforme perspectiva de Paul Ricoeur, em A memória, a história, o esquecimento. Nesse contexto, também são utilizados como fundamentação teórica os ensaios “Luto e melancolia” e “Recordar, repetir e elaborar”, de Sigmund Freud. A concepção de discurso que orienta o ensaio transita entre as noções de “narrativas maiores” e “fundadores de discursividades” ou “instauradores de discursividade”, ambas de Michel Foucault, nos textos A ordem do discurso e O que é um autor?, respectivamente.

[Recebido em: 20 nov. 2022 – Aceito em: 15 dez. 2022]

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Léa Costa Santana Dias, Universidade do Estado da Bahia - UNEB

Doutora em Literatura e Cultura pela Universidade Federal da Bahia (UFBA). Possui Especialização em Estudos Literários e Mestrado em Literatura e Diversidade Cultural, ambos pela Universidade Estadual de Feira de Santana (UEFS). É professora de Literatura Brasileira da Universidade do Estado da Bahia (UNEB), onde desenvolve pesquisa relacionada à vida e à obra do escritor Euclides da Cunha. É autora do livro Euclides da Cunha em terras baianas e amazônicas: impressões de um viajante sobre sertões brasileiros e outros espaços (Edufba, 2021). Atuou na editoração e revisão da Revista Outros sertões (UNEB). Atuou como coordenadora de área PIBID/UNEB. Atualmente é membro do Comitê de Ética da UNEB.

Referências

CARRASCOSA, Denise. Pra viver no país das calças bege. Revista Outros Sertões, Salvador, UNEB, n. 4, p. 140-150, dez. 2010.

CUNHA, Euclides da. Correspondência de Euclides da Cunha (1890-1909). Walnice Nogueira Galvão e Oswaldo Galotti (Org.). São Paulo: EDUSP, 1997. 456p.

CUNHA, Euclides da. Os sertões: Campanha de Canudos. Edição, prefácio, cronologia, notas e índices de Leopoldo M. Bernucci. 2. ed. São Paulo: Ateliê Editorial, Imprensa Oficial do Estado, 2002a. 928p. (Clássicos Comentados, I).

CUNHA, Euclides da. Notas à segunda edição. Os sertões: Campanha de Canudos. Edição, prefácio, cronologia, notas e índices de Leopoldo M. Bernucci. 2. ed. São Paulo: Ateliê Editorial, Imprensa Oficial do Estado, 2002b. p. 783-92. (Clássicos Comentados, I).

CUNHA, Euclides da. Nota preliminar. Os sertões: Campanha de Canudos. Edição, prefácio, cronologia, notas e índices de Leopoldo M. Bernucci. 2. ed. São Paulo: Ateliê Editorial, Imprensa Oficial do Estado, 2002c. p. 65-67. (Clássicos Comentados, I).

DIAS, Léa Costa Santana. Euclides da Cunha em terras baianas e amazônicas: impressões de um viajante sobre sertões brasileiros e outros espaços. 2015. 289f. Tese (Doutorado em Literatura e Cultura) – Instituto de Letras / Programa de Pós-Graduação em Literatura e Cultura, Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2015.

FOUCAULT, Michel. A ordem do discurso. Aula inaugural no Collège de France, pronunciada em 2 de dezembro de 1970. Trad. Laura Fraga de Almeida Sampaio. 19. ed. São Paulo: Loyola, 2009a. 80p.

FOUCAULT, Michel. O que é um autor? Trad. António Fernando Cascais e Eduardo Cordeiro. 7. ed. Lisboa: Vega, 2009b. 164p.

FREUD, Sigmund. Luto e melancolia. Introdução ao narcisismo, ensaios de metapsicologia e outros textos. Trad. Paulo César de Souza. São Paulo: Companhia das Letras, 2010a. p. 170-194. (Obras completas, 12).

FREUD, Sigmund. Recordar, repetir e elaborar. Observações psicanalíticas sobre um caso de paranoia relatado em autobiografia (“O caso Schreber”), artigos sobre técnica e outros textos. Trad. Paulo César de Souza. 2. reimp. São Paulo: Cia das Letras, 2010b. p. 193-209. (Obras completas, 10).

GALVÃO, Walnice Nogueira. De sertões e jagunços. Saco de gatos: ensaios críticos. São Paulo: Duas Cidades, Secretaria da Cultura, Ciência e Tecnologia do Estado de São Paulo, 1976. p. 65-85.

LEVINE, Robert M. O sertão prometido: o massacre de Canudos no Nordeste brasileiro. Trad. Monica Dantas. São Paulo: EDUSP, 1995. 400p.

PINHEIRO, Lidiane Santos de Lima. A construção do acontecimento histórico: o discurso do jornal O Estado de S. Paulo sobre a Guerra de Canudos e sobre as comemorações do seu centenário. 2012. 315f. Tese (Doutorado em Comunicação e Cultura Contemporâneas) – Faculdade de Comunicação, Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2012.

RICOEUR, Paul. A memória, a história, o esquecimento. Trad. Alain François. Campinas, São Paulo: UNICAMP, 2007. 536p.

SILVA, José Calasans Brandão da. Canudos não euclidiano. Cartografia de Canudos. Salvador: Secretaria da Cultura e Turismo, Conselho Estadual de Cultura, EGBA, 1997. p. 11-24. (Coleção Memória da Bahia, 5).

VILLA, Marco Antonio. Calasans, um depoimento para a história. Colaboração de José Carlos da Costa Pinheiro. Salvador: UNEB, 1998. 137p.

ZILLY, Berthold. Uma crítica precoce à “globalização” e uma epopéia da literatura universal: Os sertões de Euclides da Cunha, cem anos depois. In: NASCIMENTO, José Leonardo do (Org.). Os sertões de Euclides da Cunha: releituras e diálogos. São Paulo: UNESP, 2002. p. 63-72.

Publicado

2023-02-07

Como Citar

DIAS, L. C. S. O intrincado jogo de rememoração e esquecimento no discurso de Euclides da Cunha sobre a campanha de Canudos. Pontos de Interrogação – Revista de Crítica Cultural, Alagoinhas-BA: Laboratório de Edição Fábrica de Letras - UNEB, v. 12, n. 2, p. 79–96, 2023. DOI: 10.30620/pdi.v12n2.p79. Disponível em: https://revistas.uneb.br/index.php/pontosdeint/article/view/16404. Acesso em: 27 maio. 2024.