A teoria das representações sociais e o estudo dos processos de ancoragem da memória coletiva

Autores

DOI:

https://doi.org/10.30620/pdi.v12n1.p97

Palavras-chave:

Memória coletiva, Representações Sociais, Ancoragem, Senso comum

Resumo

Este artigo apresenta um compilado teórico alusivo à Teoria das Representações Sociais (TRS), formulada por Serge Moscovici, e, proficuamente desenvolvida por Denise Jodelet, cientista de extremada importância para a propagação da Teoria proposta. Introdutoriamente, esboçou-se o contexto histórico, político, científico (mormente da psicologia social) e econômico, no qual estava imerso tal autor no período das grandes revoluções que efervesciam na França. Para a derivação das TRS Moscovici inspirou-se nos pressupostos Durkhieminianos. Observou-se que o conhecimento produzido pela dimensão científica apresentava um status de supremacia quando comparado ao originado pelo senso comum, o qual se encontra vinculado a uma gama de percepções, credos, hábitos e valores que estão incorporados à prática cotidiana dos sujeitos, e que conferem semântica à realidade social das coletividades. Ademais, pontuou-se que existe uma entranhável conexão entre a Memória e a Representação Social, haja vista que estas se relacionam dialeticamente, de modo que os comportamentos dos indivíduos no tempo presente são fundamentados pela representação social que estes possuem a respeito de algo, assinalando-se nela a característica de conservação amparado na ancoragem desta representação, atributo este formado, sobretudo, pela memória coletiva do grupo de aderência. Por fim, discerniu-se que a memória é extremamente relevante para a formação das representações sociais, porque é por intermédio dela que os sujeitos executam o processo de identificação, reconhecimento e adesão aos grupos.

[Recebido em: 21 mai. 2022 – Aceito em: 18 jun. 2022]

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Thiago Souza Silva, Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia - UESB

Doutorando do Programa de Pós-Graduação em Memória: Linguagem e Sociedade da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (UESB). Mestre em Ciências ambientais pelo Programa de Pós-graduação em ciências ambientais da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (UESB), Campus de Itapetinga.

Elton Moreira Quadros, Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia - UESB

Doutor em Memória: Linguagem e Sociedade pela Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (UESB, 2016), mestre em Memória: Linguagem e Sociedade (2012) e Especialista em Educação, Cultura e Memória (2010) pela mesma instituição. Possui graduação em Filosofia pela Universidade Federal de Ouro Preto (UFOP, 2000). Atualmente é professor do Departamento de Filosofia e Ciências Humanas (DFCH) na área de Filosofia da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (UESB).

Referências

ABRIC, J. C. O estudo experimental das representações sociais. In: JODELET, D. As representações sociais. Rio de Janeiro: UERJ, 2001. p. 155-172.

ARIÉS, P. A história das mentalidades. In: LE GOFF, Jacques. A nova história. 4. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2001. p. 154-172.

FAUCHEUX, C.; MOSCOVICI, S. Remarques critiques sur la “question microsociale”. Arguments, n. 6, p. 19-27, 1962.

JODELET, D. As representações Sociais. Rio de Janeiro: UERJ, 2001.

LIMA, T. C. S; MIOTO, R. C. T. Procedimentos metodológicos na construção do conhecimento científico: a pesquisa bibliográfica. Revista Katál, v. 10, n. esp, p. 37-45, 2007.

MADEIRA, M. C. Representações sociais de professores sobre a própria profissão: à busca de sentidos. In: Reunião Anual da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Educação, 23, 2.000, Caxambu.

MARKOVÁ, I. The dialogical mind: common sense and ethics. Cambridge: Cambridge University Press, 2016.

MOSCOVICI, S. A representação social da Psicanálise. Rio de Janeiro: Zahar, 1978.

MOSCOVICI, S. Das representações coletivas às representações sociais: Elementos para uma história. In: JODELET, D. As representações sociais. Rio de Janeiro: UERJ, 2001, p. 45-66.

MOSCOVICI, S.; MARKOVÁ, I. The making of modern social psychology: the hidden story of how an international social science was created. Cambridge: Polity, 2006.

PATLAGEAN, E. A história do imaginário. In: LE GOFF, J. A nova história. 4.ed. São Paulo: Martins Fontes, 2001. p. 292-309.

RANGEL, M. Representação e leitura crítica do mundo nos livros didáticos. Em Aberto, s.v, n. 61, p. 177-186, jan/març. 1994.

SEVCENKO, N. A corrida para o século XXI: no loop da montanha-russa. São Paulo: Cia das Letras; 2001.

Publicado

2022-08-29

Como Citar

SILVA, T. S.; QUADROS, E. M. A teoria das representações sociais e o estudo dos processos de ancoragem da memória coletiva. Pontos de Interrogação – Revista de Crítica Cultural, Alagoinhas-BA: Laboratório de Edição Fábrica de Letras - UNEB, v. 12, n. 1, p. 97–110, 2022. DOI: 10.30620/pdi.v12n1.p97. Disponível em: https://revistas.uneb.br/index.php/pontosdeint/article/view/15000. Acesso em: 15 abr. 2024.