A TEORIA DAS REPRESENTAÇÕES SOCIAIS E O ESTUDO DOS PROCESSOS DE ANCORAGEM DA MEMÓRIA COLETIVA

  • Thiago Souza Silva
  • Elton Moreira Quadros

Resumo

Este artigo apresenta um compilado teórico alusivo à Teoria das Representações Sociais (TRS), formulada por Serge Moscovici, e, proficuamente desenvolvida por Denise Jodelet, cientista de extremada importância para a propagação da Teoria proposta. Introdutoriamente, esboçou-se o contexto histórico, político, científico (mormente da psicologia social) e econômico, no qual estava imerso tal autor no período das grandes revoluções que efervesciam na França. Para a derivação das TRS Moscovici inspirou-se nos pressupostos Durkhieminianos. Observou-se que o conhecimento produzido pela dimensão científica apresentava um status de supremacia quando comparado ao originado pelo senso comum, o qual se encontra vinculado a uma gama de percepções, credos, hábitos e valores que estão incorporados à prática cotidiana dos sujeitos, e que conferem semântica à realidade social das coletividades. Ademais, pontuou-se que existe uma entranhável conexão entre a Memória e a Representação Social, haja vista que estas se relacionam dialeticamente, de modo que os comportamentos dos indivíduos no tempo presente são fundamentados pela representação social que estes possuem a respeito de algo, assinalando-se nela a característica de conservação amparado na ancoragem desta representação, atributo este formado, sobretudo, pela memória coletiva do grupo de aderência. Por fim, discerniu-se que a memória é extremamente relevante para a formação das representações sociais, porque é por intermédio dela que os sujeitos executam o processo de identificação, reconhecimento e adesão aos grupos.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2022-08-29
Métricas
  • Visualizações do Artigo 158
  • PDF downloads: 88