O uniforme escolar e seus “lugares” de significação

ambivalências e “ideais de mulher”

Autores

DOI:

https://doi.org/10.30620/pdi.v12n1.p47

Palavras-chave:

Uniforme escolar, Educação da mulher, Corpo

Resumo

Este trabalho versa sobre o uniforme escolar feminino – essa composição indumentária padronizada e definida pela instituição escolar para uso de seus membros-estudantes em caráter obrigatório – com o objetivo de discutir as transformações nos seus significados. Para tal empreendimento, foram considerados relatos de duas mulheres, de diferentes gerações, que estudaram em escolas formais do estado da Bahia nos anos 1950-1960 e 1980-1990. Sobre os relatos, um deles é fruto de entrevista, do tipo narrativo, e o outro diz respeito às experiências particulares da autora deste artigo, o que constituiu o mote primeiro para o desenvolvimento desta investigação. Apesar de se tratar de uma narrativa pessoal, de cunho autobiográfico, as interpretações a respeito são fruto do diálogo constante entre os dois autores deste artigo – assim, trata-se de uma experiência pessoal analisada conjuntamente por aquela que viveu a experiência e por um observador externo, ambos pesquisadores. A conclusão é de que pode-se afirmar um relativo esquecimento do uniforme enquanto instrumento pedagógico para construção da mulher ideal na perspectiva burguesa em direção ao debate sobre liberdade e igualdade, a partir dos avanços na individualização, informalização dos costumes e diminuição das distâncias entre homens e mulheres.

[Recebido em: 21 mai. 2022 – Aceito em: 18 jun. 2022]

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria Salete de Souza Nery, Universidade Federal do Recôncavo da Bahia - UFRB

Possui doutorado em Ciências Sociais pela Universidade Federal da Bahia (2009), mestrado em Sociologia pela Universidade Federal da Bahia (2000) e graduação em Letras Vernáculas pela Universidade Católica do Salvador (1996). Possui pós-doutorado em Memória: Linguagem e Sociedade pela Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (2017). É professora associada da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB).

Wilson Rogério Penteado Júnior, Universidade Federal do Recôncavo da Bahia - UFRB

Doutor em Antropologia Social (2010) pela Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP), instituição onde também obteve seu título de Mestre em Antropologia Social (2004) e se graduou em Ciências Socais (2001). Desenvolve estágio pós-doutoral em Antropologia Social (2022) na Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). É Professor Associado, Nível 3, de Antropologia, no Centro de Artes, Humanidades e Letras, da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB), onde leciona em diversos cursos de graduação.

Referências

ARAÚJO, E. A arte da sedução: sexualidade feminina na colônia. In: PRIORE, M. Del (Org.). História das mulheres no Brasil. 5. ed. São Paulo: Contexto. 2001. p. 45-77.

BASSANEZI, C. Mulheres nos anos dourados. In: PRIORE, M. Del (Org.). História das mulheres no Brasil. 5. ed. São Paulo: Contexto. 2001. p. 606-639.

BOURDIEU, P. O senso prático. Petrópolis, RJ: Vozes, 2009.

CRAIK, J. A política cultural do uniforme. Fashion Theory: a revista da moda, corpo e cultura. v. 2, n. 2. Berg e Editora Anhembi Morumbi, 2003. p. 5-25.

D'INCAO, M. Mulher e família burguesa. In: Priore, M. Del (Org.). História das mulheres no Brasil. 5. ed. São Paulo: Contexto, 2001. p. 223-240.

ELLIS, C., ADAMS, Tony E., BOCHNER, A. P. Autoethnography: an overview. Qualitative Social Research, v. 12, n.1, Art. 1, 2010. Disponível em: http://nbnresol.ving.de/urn:nbn:de:0114-fqs1101108. Acesso em: 20 mar. 2018.

FEATHERSTONE, M. Cultura de consumo e pós-modernismo. São Paulo: Studio Nobel, 1995. (Coleção cidade aberta. Série megalópolis).

FONSECA, A. “Poder e corpo em Foucault: qual corpo¿”. Revista de Pós-Graduação em Direito da UFC. v. 35, n. 1, 2015.

FOUCAULT, M. Vigiar e punir: nascimento da prisão. Trad. Ligia M. Ponde Vassallo. Petrópolis: Vozes, 1987.

FREEMAN, J. Trying not to lie… and failing: autoethnography, memory, malleability. The Qualitative Report. vol. 20, n. 6, Article 3, 2015. p. 918-929. Disponível em: http://www.nova.edu/ssss/QR/QR20/6/freeman3.pdf. Acesso em: 17 mar. 2018.

JORNAL O Globo. Meninos do colégio Pedro II vão à escola de saia em apoio a colega transexual. 10 set. 2014. Disponível: http://oglobo.globo.com/sociedade/educacao/meninos-do-colegio-pedro-iivao-escola-de-saia-em-apoio-colega-transexual-13893794. Acesso em: 15 set. 14.

LOURO, G. Mulheres na sala de aula. In: Priore, Mary Del (Org.). História das mulheres no Brasil. 5. ed. São Paulo: Contexto, 2001. p. 443-481.

MAUSS, M. As técnicas do corpo. Sociologia & antropologia. São Paulo: Cosac & Naify, 2003. p. 401-422.

MCLUHAN, M. Os meios de comunicação como extensões do homem. São Paulo: Cultrix, 1999.

MELO, M. L. Colégio Pedro 2 libera o uso de bermuda no verão do Rio de Janeiro. UOL Educação. 10 fev. 2014. Disponível em: http://educacao.uol.com.br/noticias/2014/02/07/colegio-pedro-2-libera-ouso-de-bermuda-no-verao-do-rio-de-janeiro.htm. Acesso em: 15 set. 2014.

ORTNER, S. Subjetividade e crítica cultural. Horizontes Antropológicos. Porto Alegre, ano 13, n. 28, 2007. p. 375-405.

PASSIANI, E. Não existe pecado abaixo do Equador? Algumas considerações sobre o processo de formação da sociedade de corte no Brasil (1808-1889). Sociedade e Estado. v. 27, n. 3, 2012. p. 571-593.

PECK, E. These girls are suing their school for the right to wear pants. HuffPost US, 01/11/2018. Disponível em: https://m.huffpostbrasil.com/entry/school-dress-code-skirtspants_us_5bdb12f9e4b0da7bfc17b66d. Acesso em: 19 nov. 2018.

REIS, A. D. Cora: lições de comportamento feminino na Bahia do século XIX. Salvador: FCJA; Centro de Estudos Baianos da UFBA, 2000.

ROCHE, D. A disciplina das aparências: o prestígio do uniforme. In: ROCHE, D. A cultura das aparências: uma história da indumentária (séculos XVII-XVIII). São Paulo: Editora Senac, 2007. p. 227-262.

SAHLINS, M. Cultura e razão prática. Trad. Sérgio Tadeu de Niemayer Lamarão. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2003.

STALLYBRASS, P. O casaco de Marx: roupas, memória, dor. 2. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2000.

VOGUE Kids Brasil. Polêmica fashion: liberdade fashion na escola; uniformes, práticos e democráticos. Sessão estilo. São Paulo, 2008, p. 36-37.

WOUTERS, C. (). Como continuaram os processos civilizadores: rumo a uma informalização dos comportamentos e a uma personalidade de terceira natureza. Sociedade e Estado. v. 27, n. 3, 2012. p. 546-570.

Nascido para matar (Full metal jacket). Produção e direção: Stanley Kubrick. Roteiro: Stanley Kubrick, Michael Herr, Gustav Hasford. Baseado no livro The short timers de Gustav Hasford. Co-produtor: Philip Hobbs. 2005 [1987]. Warner Bros. Entertainmente Inc. Fullscreen. color. 116 min.

Publicado

2022-08-29

Como Citar

NERY, M. S. de S.; PENTEADO JÚNIOR, W. R. O uniforme escolar e seus “lugares” de significação: ambivalências e “ideais de mulher”. Pontos de Interrogação – Revista de Crítica Cultural, Alagoinhas-BA: Laboratório de Edição Fábrica de Letras - UNEB, v. 12, n. 1, p. 47–70, 2022. DOI: 10.30620/pdi.v12n1.p47. Disponível em: https://revistas.uneb.br/index.php/pontosdeint/article/view/14998. Acesso em: 13 abr. 2024.