Arte e Experiência Interior

Uma Visão da Experiência Estética a partir do Erotismo em Georges Bataille

Autores

  • João Lucas Alves dos Santos Universidade do Estado da Bahia - UNEB

DOI:

https://doi.org/10.30620/gz.v6n1.p111

Palavras-chave:

Erotismo, Georges Bataille, Experiência estética, C. S. Lewis

Resumo

Este artigo propõe pôr em diálogo erotismo, experiência estética e religiosidade na perspectiva da experiência interior, presente no pensamento de Georges Bataille. O objetivo é contribuir para a fundamentação da possibilidade de uma estética da existência a partir da doutrina cristã, sob a hipótese de leitura do livro Surpreendido pela Alegria de C. S. Lewis. Ao falar do erotismo como da esfera do religioso, Bataille não pôde deixar de esbarrar na questão da experiência artística, assim como não pôde deixar de problematizar também a religiosidade cristã e sua complexidade ao operar esses assuntos. Em Surpreendido pela Alegria, Lewis relata seu caminho teórico que o levou do ateísmo materialista para o cristianismo através de sua experiência com a arte, principalmente a música e a literatura. A partir da interposição entre o pensamento batailliano sobre o erotismo e a abordagem da experiência estética em Surpreendido pela Alegria abrem-se perspectivas que minimizam a oposição que Nietzsche e Foucault identificam entre o cristianismo e a subjetividade ligada ao fazer artístico.

[Recebido: 01 dez. 2017 – Aceito: 26 fev. 2018]

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

João Lucas Alves dos Santos, Universidade do Estado da Bahia - UNEB

Professor de arte na Rede Municipal de Educação de Salvador, possui graduação em Licenciatura em Desenho e Plástica pela Universidade Federal da Bahia e especialização em Filosofia Contemporânea pela Faculdade São Bento da Bahia. É mestrando no programa de pós graduação em Crítica Cultural na Universidade do Estado da Bahia – UNEB, desenvolvendo pesquisas relacionadas a experiência estética no cristianismo.

Referências

BATAILLE, Georges. O erotismo. Porto Alegre: L&PM, Porto Alegre, 1987.

DIAS, Rosa Maria. Nietzsche. Vida como obra de arte. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2011.

DRUMMOND, Washington. Heterologia e sujeito em George Bataille. Salvador: UNEB/UFMG, 2016. 18 f. Artigo (Pós-Doutoramento) – Programa Nacional de Cooperação Acadêmica (PROCAD), Universidade Estadual do Estado da Bahia (UNEB)/Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Salvador, 2016.

DURIEZ, Colin. O dom da amizade. Tolkien e C. S. Lewis. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2006.

LEWIS, C. S. Cristianismo puro e simples. São Paulo: Martins Fontes, 2009.

LEWIS, C. S. Surpreendido pela Alegria. São Paulo: Mundo Cristão, 1998.

LOPONTE, Luciana Gruppelli. Do Nietzsche trágico ao Foucault ético: sobre estética da existência e uma ética para docência. Revista Educação & realidade, Porto Alegre, v. 28, n. 2, p. 69-82, jul/dez. 2003.

Publicado

2018-04-09

Como Citar

SANTOS, J. L. A. dos. Arte e Experiência Interior: Uma Visão da Experiência Estética a partir do Erotismo em Georges Bataille. Grau Zero – Revista de Crítica Cultural, Alagoinhas-BA: Fábrica de Letras - UNEB, v. 6, n. 1, p. 111–125, 2018. DOI: 10.30620/gz.v6n1.p111. Disponível em: https://revistas.uneb.br/index.php/grauzero/article/view/4806. Acesso em: 24 jul. 2024.