Análise comparada entre os romances Robinson Crusoé de Daniel Defoe e Foe de J. M. Coetzee

o lugar de fala, as relações de poder sob as perspectivas de Susan e Friday

Autores

  • Juliana Barbosa da Costa Universidade do Estado da Bahia - UNEB

DOI:

https://doi.org/10.30620/gz.v6n1.p43

Palavras-chave:

Releitura, Pós-colonialismo, Crusoé, Foe

Resumo

O presente artigo tem como objetivo realizar uma análise comparativa entre dois romances, o primeiro Robinson Crusoé escrito por Daniel Defoe em 1719 quando as navegações marítimas começavam a ganhar destaque, e o segundo romance, Foe (1986), escrito por J.M. Coetzee, um escritor pós-colonial sul-africano. O segundo romance surge como releitura do primeiro a partir da perspectiva de uma personagem-narradora que desconstrói a narrativa e o narrador Crusoé, que, no primeiro romance, é representado como sendo corajoso, inventivo e mantedor dos preceitos religiosos mesmo isolado em uma ilha deserta. Por outro lado, em Foe, romance considerado uma releitura pós-colonial de Robinson Crusoe, questões como o apagamento da voz e da alteridade – do outro colonial e do outro feminino – são postos em evidência. Além disso, o personagem Friday, inicialmente retratado como o indígena passivo, submisso ao “senhor” branco, retratado como débil por ser incapaz de aprender a língua inglesa instruída por Crusoé, em Foe essa questão é retomada e posta em cheque pela narradora Susan, que descobre que o motivo da impossibilidade de fala de Friday, se deve ao fato do mesmo ter tido sua língua arrancada. Por outro lado, Susan se mostra incapaz de ler as diversas formas de comunicação demonstradas por Friday, que se expressa por meio de gestos e de mímicas, trazendo a tona a reflexão a cerca da impossibilidade de representação do outro, e da importância de ouvir as diferentes perspectivas e pontos de vistas. Para discutir sobre questões relacionadas ao pós-colonialismo contaremos com as proposições de Said (1995), Bonnici (2000) e Memmi (2007), em acréscimo, contaremos com Spivak (1985) para debater a respeito do silenciamento de alguns sujeitos, em detrimento da centralização da narrativa de outras.

[Recebido: 20 dez. 2017 – Aceito: 14 fev. 2018]

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Juliana Barbosa da Costa, Universidade do Estado da Bahia - UNEB

Mestranda em Educação e Diversidade pela Universidade do Estado da Bahia (UNEB). Pós-Graduanda em Psicopedagogia e Educação Especial pela Universidade Candido Mendes Instituto Prominas (UCAM). É membro do grupo de pesquisa: Desleituras em série.

Referências

BHABHA, H. O Local da Cultura. Belo Horizonte:UFMG, 1998.

BHABHA, H. Of Mimicry and Men: The Ambivalence of Colonial Discourse. October, v. 28, n. 1, p. 125-133, 1984.

BHABHA, H. The Other Question : Difference, Discrimination and the Discourse of Colonialism. Screen, v. 24, n. 6 1983.

BONNICI, Thomas. O Pós-colonialismo e a Literatura: estratégias de leitura. Maringá: Eduem, 2000.

BONNICI, Thomas. “Introduç~o ao estudo das literaturas pós-coloniais”. In: Mimesis. Bauru, v19, n. 1, p. 1998.

BONNICI, Thomas. Postcolonial Voices in J.M. Coetzee’s Foe. Revista UNILETRAS, v.17, 1995.

COETZEE, John M. Foe. United States of America: Penguin Books, 1987.

DEFOE, Daniel. Robinson Crusoe. Tradução de Flávio P. de F. e Costa Neves. 2. Ed. 2011.380 p. São Paulo: Martin Clarete.

HUTCHEON, Linda. Poética do pós-modernismo: história, teoria, ficção/Linda Hutcheon. tradução Ricardo Cruz. – Rio de Janeiro: Imago Ed., 1991.

JANMOHAMMED, A . The Economy of Manichean Allegory: The Function of Racial Difference in Colonial Literature. Critical Inquiry, v. 12, n. 11988.

MAHER, Susan Naramore. Confronting Authority: J.M. Coetzee’s Foe and Remarking of Robinson Crusoe. University of Nebraska-OmahA, 1991.

MEMMI, Albert. Retrato do colonizado precedido de retrato do colonizador. Trad. de Marcelo Jacques de Moraes. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2007.

PAULO, Fernando de L. “O tema da verdade em Foe, de J. M. Coetzee”, In: Em Tese. Belo Horizonte, v.7, p. 27-34, dez. 2003. Disponível em: http://www.letras.ufmg.br/poslit/08_publicacoes_pgs/Em%20Tese%2007/03-Fernando-Lima.pdf. Acesso em: 29 de agosto de 2011.

PARRY, B. Problems in Current Theory of Colonial Discourse. Oxford Literary Review, v.9, 1987.

Post-colonial descontruction. Disponível em: http://www.postcolonialweb.org/poldiscourse/spivak/deconstruction.html. visualizado em 30 de Dezembro de 2014.

QUINN, E. (2006). A Dictionary of Literary and Thematic Terms. New York: Infobase Publishing.

SAID, Edward. Cultura e imperialismo. São Paulo: Companhia das Letras, 1995.

SARTRE, J-P. O ser e o nada: ensaio de ontologia fenomenológica. Tradução por Paulo Perdigão. Petrópolis: Vozes, 1997.

SPIVAK, G. C. Pode o Subalterno Falar? Editora UFMG, Belo Horizonte, 2010.

SPIVAK, G. C. Can the subaltern speak? Speculations on widow sacrifice. Wedge, v. 7/8, n.1, p. 120-130, 1985.

SILVA, Denise A. “Silêncio e resistência em Foe, de J. M. Coetzee”. In: PETERSON, Michel (Org.). As armas do texto. A literatura e a resistência da literatura. Porto Alegre: Sagra Luzzato, 2000.

TIFFIN, H. Post-colonialism, Post-modernism and the Rehabilitation of Post-Colonial History. Journal of Commonwealth Literature, v. 23, n. 11988.

Publicado

2018-04-09

Como Citar

COSTA, J. B. da. Análise comparada entre os romances Robinson Crusoé de Daniel Defoe e Foe de J. M. Coetzee: o lugar de fala, as relações de poder sob as perspectivas de Susan e Friday. Grau Zero – Revista de Crítica Cultural, Alagoinhas-BA: Fábrica de Letras - UNEB, v. 6, n. 1, p. 43–57, 2018. DOI: 10.30620/gz.v6n1.p43. Disponível em: https://revistas.uneb.br/index.php/grauzero/article/view/4802. Acesso em: 24 jul. 2024.